Prezado sócio, clique aqui e atualize seus dados para correspondência junto a Aepet
Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Parente quer censurar economista que o criticou na imprensa

08 Novembro Lido 4204 vezes

Decisão soa como uma tentativa de intimidação, de ameaça e de censura

Presidente da Petrobras, Pedro Parente, está movendo um processo criminal por calúnia, difamação e injúria contra William Nozaki, que o criticou em um artigo publicado na revista Carta Capital; "Quando o presidente de uma das maiores empresas da América Latina se ocupa de processar injustamente um professor é porque há algo de muito errado acontecendo no país", denunciou o colunista


Pedro Pullen Parente, o príncipe da privataria dos golpistas – que já havia prestado os mesmos serviços ao tucanato, na era FHC – é hoje o responsável pela venda da Petrobrás e do Pré-Sal a preço de banana na bacia das almas das multinacionais. Mas o elemento não gosta de críticas, e está movendo um processo criminal por calúnia, difamação e injúria contra o economista William Nozaki, que o criticou em um artigo publicado na revista Carta Capital.

Veja a seguir o texto postado por Nozaki no Facebook.

Censura Bateu Na Minha Porta

William Nozaki

Fui surpreendido essa semana com a intimação judicial de um processo criminal movido contra mim pelo atual presidente da Petrobras.

Como professor e pesquisador tenho me dedicado no último período a estudar questões relacionadas a grupos de pressão e conflitos de interesse em empresas do setor de petróleo e energia.

Parte dessa reflexão tem sido publicizada em algumas revistas e blogs. Em um dos meus artigos chamei a atenção para três fatos que me parecem passíveis de problematização:

(I) Pedro Parente mesmo depois de ter assumido a presidência da Petrobras permanece como presidente da BMF&Bovespa;
(II) além disso mantém uma consultoria financeira privada que gere patrimônios de famílias ricas;
(III) tudo isso em um momento delicado de privatização de ativos da Petrobras.

Mapear redes de relações e averiguar a existência de interesses cruzados entre a esfera pública e a iniciativa privada é um procedimento normal de diversas pesquisas nas áreas de ciência política e economia.

Como gestor de uma empresa estatal de natureza pública, Pedro Parente poderia ter prestado esclarecimentos sobre suas atividades junto ao mercado empresarial privado, pois tal fato é inclusive objeto de denúncia no Ministério Público Federal.

Entretanto, o atual presidente da Petrobras optou por mover um processo criminal contra um professor e pesquisador. Tal decisão soa como uma tentativa de intimidação, de ameaça e de censura contra a reflexão crítica e a liberdade de expressão.

Quando o presidente de uma das maiores empresas da América Latina se ocupa de processar injustamente um professor é porque há algo de muito errado acontecendo no país.

Em tempo, deixo abaixo o link de dois dos meus artigos sobre o tema supracitado:

https://www.cartacapital.com.br/economia/os-conflitos-de-interesse-na-petrobras

https://www.cartacapital.com.br/economia/grupos-de-pressao-e-o-pre-sal-antecedentes-da-crise


FONTE: Brasil247

Última modificação em Quinta, 09 Novembro 2017 17:37
Avalie este item
(5 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed