Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

A abundância de petróleo dos EUA está acabando

06 Novembro Escrito por  Art Berman Lido 3093 vezes

art-berman 50x50O inventário comparativo (C.I.) foi dramaticamente reduzido em 2017.

Os níveis caíram 159 milhões de barris desde fevereiro e agora estão se aproximando da média de 5 anos pela primeira vez em quase 3 anos (Figura 1).

Uma curva de rendimento que correlaciona C.I. e o preço WTI é desenvolvida, cruzando os mesmos dados sem a dimensão do tempo (Figura 2). A curva de rendimentos pode fornecer soluções de preços para os pressupostos de redução de estoque no curto prazo.

Consequentemente, se o C.I. continuar a cair na média de 9 meses de 4 mmb / semana, os preços do petróleo podem ser de aproximadamente US $ 67 por barril até o final de dezembro. Se o C.I. cair na média de 8 mmb / semana desde o final de setembro, o WTI poderia se aproximar dos níveis não vistos desde antes do colapso do preço no final de 2014.
Exportações e o “spread” Brent-WTI
As causas da queda de estoque dos EUA são claras: aumento das exportações de petróleo bruto e maior consumo interno.
As exportações de petróleo bruto no primeiro semestre de 2017 totalizaram 766 mmb / d, mas subiram para 1,8 mmb / d em setembro e outubro. O aumento das exportações agora significa mais de 12 mmb / semana e contribui substancialmente para reduzir os níveis de estoque.
Maiores níveis de exportação correlacionam-se com o aumento do spread entre os preços Brent e WTI que começou no final de julho (Figura 3). Os comerciantes podem vender o petróleo bruto dos EUA no exterior a preços superiores aos preços domésticos. Registaram-se exportações de 2,13 mmb / d durante a semana que terminou em 27 de outubro.

A produção de shale gas produção, a qualidade do petróleo bruto e as necessidades de mistura de refinarias dos EUA estão por trás do desconto WTI ao preço Brent. A maioria das refinarias dos EUA são projetadas para petróleo como o Brent, que é mais pesado e contém mais enxofre do que o WTI.
Os EUA tiveram um excedente de óleo leve desde que o boom petrolífero do shale começou, e o spread Brent-WTI atingiu quase US $ 30 / barril em setembro de 2011 (Figura 4).

O spread diminuiu para cerca de US $ 2,25 com o advento dos embarques ferroviários da WTI para as refinarias da Costa Leste, associadas às importações de óleo leve reduzidas. O custo do transporte era razoável quando os preços do petróleo eram de US $ 100 por barril, mas os preços mais baixos do petróleo após 2014 resultaram em um declínio progressivo nos embarques ferroviários (Figura 5). As refinarias da Costa Leste confiaram cada vez mais no óleo leve importado, principalmente da África Ocidental, para se misturar com graus de petróleo mais pesados.

Um excedente do tight oil retornou à medida que a produção se recuperou, como resultado dos maiores preços do petróleo em 2016 e 2017. O excesso de oferta causou preços WTI com desconto e o recente aumento no spread do Brent-WTI. Parte do excedente de petróleo foi exportados nas últimas semanas, mas o spread de preços persiste porque os níveis de importação não são afetados.

Consumo

A segunda causa principal da redução do estoque dos EUA é o aumento do consumo doméstico de produtos refinados.

O consumo atingiu um recorde de 10 anos, com 21 milhões de barris por dia durante o verão de 2017 (Figura 6). O consumo de agosto de 2017 foi de 300 kb / d , o que representa mais de 2 mmb / d de redução incremental de estoque. De fato, o aumento no consumo que começou em janeiro coincidiu com o início da redução do estoque comparativo (pontos vermelhos na Figura 6).

A maior parte do consumo é com transporte. A taxa de crescimento das milhas viajadas (VMT) que começou no início de 2016, reverteu-se no segundo trimestre de 2017, apesar dos preços de gasolina um pouco maiores (Figura 7).

Os dados do VMT só estão disponíveis até julho, mas é provável que o crescimento tenha continuado em agosto, com base em dados de consumo mais atualizados.
A possível redução do consumo
É razoável questionar a capacidade do resto do mundo para continuar a absorver as exportações dos EUA. As exportações aumentaram em cada uma das últimas 6 semanas, exceto a semana que terminou em 6 de outubro, e as exportações dessa semana ainda eram robustas 1,3 mmb / d. É impossível obter dados de inventário confiáveis para a maioria do resto do mundo, mas os dados da OCDE sugerem reduções de estoque semelhantes às descritas nos EUA.
O alto consumo dos EUA é a única área de preocupação para preços sustentados do petróleo. O consumo de setembro e outubro foi consideravelmente menor do que em agosto. É normal que o consumo diminua após a temporada de verão, mas a magnitude do declínio é perturbadora.
O consumo de outubro foi 1,2 mmb / d menor do que em agosto (Figura 8). Isso é quase tanto quanto o declínio sazonal de agosto a janeiro durante o ano anterior (1,4 mmb / d).

Os dados podem ser tendenciosos pelos efeitos dos furacões Harvey e Irma, e dois meses não definem uma tendência. É, no entanto, uma observação preocupante apesar do fato de que provavelmente não afetará os níveis de estoque ou os preços do petróleo no resto de 2017.
O consumo torna-se uma preocupação maior se os preços do petróleo aumentarem tanto quanto espero, porque os preços da gasolina aumentarão em conformidade - o consumo e o preço da gasolina estão negativamente relacionados (Figura 9). O preço mais alto do petróleo significa maior preço da gasolina e menor consumo.

Com o barril WTI a US $ 70, resultará em um aumento de preço de quase US $ 1 / galão acima do preço médio de varejo atual de US $ 2,53 e isso pode diminuir o consumo.

Fonte: http://www.artberman.com/u-s-supply-oil-ending/

Tradução: Alex Prado

 

Última modificação em Quarta, 08 Novembro 2017 14:10
Avalie este item
(1 Vote)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed