Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Governo quer entregar os fundos de pensão, incluindo a Petros, aos bancos

Publicado em 05/08/2022 Lido 10925 vezes

Novo golpe segue sendo elaborado no Ministério da Economia

O governo Bolsonaro está preparando um projeto de lei que flexibiliza as regras de funcionamento dos regimes de previdência complementar de servidores públicos e dos fundos de pensão das estatais, como a Petros.

O novo golpe segue sendo elaborado no Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes, braço direito de Bolsonaro. De acordo com a Folha de São Paulo, o plano original com as mudanças planejadas pelo governo, prevê mais "flexibilidade" para futuros beneficiários.

Além disso, permite a contratação de instituições privadas – como os bancos, para administrar os planos de aposentadoria de funcionários públicos. Tudo isso foi elaborado pelo grupo Iniciativa de Mercado de Capitais (IMK) com apoio do governo.

Já a Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, defende uma proposta mais ampla, que estende a flexibilização a participantes atuais e permite a portabilidade de todos os planos.

O objetivo é permitir a transferência dos fundos de pensão de servidores públicos (União, estados e municípios) para entidades abertas de previdência complementar – instituições financeiras que cobram taxas mais elevadas de administração.

Em um artigo divulgado pela AEPET, em 2021, o ex-presidente da Associação Nacional dos Participantes de Previdência Complementar (Anapar), José Ricardo Sasseron, e o vice-presidente, Marcel Barros, denunciaram a intenção do governo Bolsonaro de entregar a administração dos fundos de pensão aos bancos privados.

"O objetivo é a transferência para a gestão de bancos e seguradoras de mais de R$ 1 trilhão acumulado pelos 290 fundos de pensão fechados existentes", leia o artigo (clique aqui).

Para o ex-presidente da AEPET e representante dos trabalhadores no Conselho de Administração da Petrobrás por dois mandatos, Silvio Sinedino, o PL visa dificultar ainda mais a vida dos petroleiros. "Essa proposta do governo, que na realidade vem do Projeto IMK do próprio mercado financeiro, propõe permitir que o fabuloso capital acumulado pelos trabalhadores em seus Fundos de Pensão (os maiores são de estatais), seja administrado pelo 'mercado', em vez das Fundações, sem objetivo de lucro, que atualmente administram esses Fundos de Pensão", explicou ele

A justificativa do PL é que a intervenção dos diversos governos nas aplicações financeiras desses Fundos provocou imensos déficits. "Ora, isso significaria 'jogar a criança fora junto com a água do banho', se houve erros e falcatruas nessas aplicações financeiras, e houve, a solução não é transferir a gestão para o mercado, onde, diga-se de passagem, também há corrupção", acrescentou Sinedino.

Para Sinedino, a solução é aumentar o controle dos trabalhadores sobre as suas Fundações blindando-as da interferência governamental. Caso o governo aprove o projeto serão muitos os prejuízos para a categoria petroleira. "Os prejuízos são vários, já que o mercado visa lucro, então parte do rendimento das nossas aplicações passam a ser apropriados por esse mercado, em vez desses rendimentos serem revertidos integralmente para os seus legítimos donos, nós, os trabalhadores", alertou ele.

Mas, o prejuízo maior é que ao serem transferidos para o mercado, os atuais Planos de Benefício Definido, onde os possíveis déficits são divididos em 50% com as patrocinadoras, passam a ser Planos de Contribuição Definida, onde esses mesmos possíveis déficits são bancados 100% pelos trabalhadores, isentando as patrocinadoras (empresas) de qualquer responsabilidade por eles.

"Portanto, os trabalhadores devem lutar com todas as suas forças para manter o capital acumulado, fruto do nosso trabalho, sob nossa própria administração, aumentando isso sim nosso controle sobre ele e NÃO desistindo de gerir o que é nosso!", finalizou o ex-presidente da AEPET.

Fonte: AEPET-BA

Avalie este item
(22 votes)