Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

O reencontro entre a Europa e seu velho fantasma: a guerra

Publicado em 27/01/2022 Escrito por  Fabio Reis Vianna Lido 564 vezes

face-homem Ucrânia, Turquia, Brexit, Brasil: parte da estratégia norte-americana

Com a fatídica notícia de que o Departamento de Estado ordenou a evacuação de parte de seu pessoal da embaixada americana em Kiev, fica aparente um enredo que se desenrola há cerca de longos 30 anos, mas que se esconde atrás de uma neblina de normalidade e hipocrisia.

Como uma repetição farsesca do conflito que foi travado no território do Sacro Império Germano – cristão, entre 1618 e 1648, tal qual um universo em expansão, o sistema interestatal contemporâneo se comporta como a mesma e velha máquina de acumulação de poder baseada no confronto permanente para se manter vivo e alargar-se cada vez mais.

Neste cenário, e sem não antes recusar o pedido russo de retirada de suas forças da Bulgária e da Romênia, a Otan oficializa o cerco às bordas da zona de influência direta da Rússia.

A velha Europa, palco original do sistema de acumulação de poder forjado nas guerras de todos contra todos, tragicamente parece retomar seu papel histórico de caixa de ressonância global. O cisne negro de uma tragédia há tempos anunciada, mas que as elites globais, e em particular, as elites europeias, recusam-se a enxergar.

Com a manifestação ocorrida em Bruxelas no domingo (23), em que cidadãos revoltados com as restrições sanitárias atacaram violentamente as instituições representativas do projeto de integração europeu, fica claro que a "profilaxia" encontrada para reagir a uma crise estrutural que se arrasta há anos vem tornando-se gradativamente mais disruptiva e fora de controle.

Ao mesmo tempo em os Estados nacionais realizam movimentações militares cada vez mais ousadas, as classes médias europeias – empobrecidas desde a crise de 2008 – demonstram a cada dia menos paciência.

E tudo isso parece, de fato, ter se tornado mais complexo e profundo com a entrada em cena da pandemia. Não que a pandemia em si tenha gerado tal situação, mas certamente potencializou algo que já estava vivo e em evolução, mesmo que de maneira até então lenta e gradual.

Diante deste quadro, o grande erro de muitos analistas em relação ao cenário atual reside na ideia de que o alargamento da Otan em direção ao leste – e mesmo a expansão da UE – teria sido um equívoco estratégico dos Estados Unidos e, portanto, se eles pudessem voltar no tempo, evitariam tal expansão.

Pelo contrário, quando os Estados Unidos revelam que reforçarão as tropas da Otan na Europa Oriental e nos países bálticos, como anunciado no último dia 23 de janeiro, demonstram claramente a intenção de escalar ainda mais a crise com a Rússia.

Como um verdadeiro Cavalo de Troia dentro da Europa, essa expansão, portanto, serviu apenas como instrumento de desestabilização da própria Europa e seu projeto de integração política e econômica.

Tal cenário se enquadra no contexto maior da instabilidade global contemporânea que teria suas raízes fundadas no abandono por parte dos Estados Unidos de sua liderança ética forjada na chamada ordem liberal do pós Segunda Guerra.

De 1991 – com o colapso da URSS e a ascensão do hegemon unipolar – para cá, e em especial, a partir de 2001, os Estados Unidos se assumem como um império militar sem nenhum compromisso ético com a estabilidade global, tampouco com seus velhos aliados europeus.

A ascensão chinesa e o ressurgimento da Rússia agravam o quadro e aprofundam ainda mais a postura beligerante e imperial dos Estados Unidos. Tanto é assim, que poderíamos delimitar o biênio 2015–2016 como chave para a compreensão da atual conjuntura.

A entrada vitoriosa da Rússia na guerra da Síria provavelmente gerou uma espécie de curto circuito em todo o sistema do establishment americano, incluso o complexo industrial militar, que teria precipitado a assunção de um modus operandi menos sutil e, portanto, mais espalhafatoso e muito bem personificado da errática figura do Sr. Donald Trump.

Sendo assim, eventos como a tentativa de golpe militar na Turquia, o Brexit e o golpe parlamentar no Brasil, todos ocorridos no ano de 2016, fariam parte de um mesmo enredo comum: a nova estratégia de segurança dos Estados Unidos.

Tendo como enfoque central a divisão da Europa (Brexit), ou o enquadramento geopolítico de Brasil (Golpe contra Dilma) e Turquia (Tentativa de golpe contra Erdogan), a nova estratégia de segurança dos Estados Unidos dialoga perfeitamente com o rasgar da fantasia de um líder global que abdica de sua liderança ética de hegemonia e governança internacional em nome de um projeto de poder imperial que não vê aliados, mas inimigos e vassalos.

No mundo que caminha para uma espécie de nova bipolaridade, forjada em civilizações novas (Ocidente), e ancestrais (Oriente), a Europa perece perdida e sem rumo, quase esmagada em meio ao novo sistema internacional que se descortina.

Que a nova "Paz de Westfália" global não ocorra através de uma Europa arrasada por mais uma guerra.

Fabio Reis Vianna é escritor e analista geopolítico

Fonte: Monitor Mercantil

Avalie este item
(5 votes)
Veja algumas métricas do portal.