Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Cuba, o bloqueio e a crise

14 Julho Escrito por  Atílio Boron Lido 387 vezes

face-homem O que Washington tem feito chama-se genocídio

Nos últimos dias vimos o suspeito assassinato do presidente do Haiti, com um modus operandi que tem a marca da CIA. Também o brutal ataque de paramilitares e narcos colombianos, equipados com armas de guerra, na Cota 905 nos arredores de Caracas e disparando indiscriminadamente contra populações surpreendidas pela agressão insólita e inesperada. A ofensiva contra a Nicarágua foi adquirindo força à medida que os inquéritos de opinião antecipavam uma rotunda vitória do sandinismo nas próximas eleições presidenciais.

E agora Cuba, submetida há sessenta anos a uma campanha de agressões de todo tipo que, obviamente, não podia deixar de ter impactos profundos sobre a vida econômica cubana. Imaginemos o que teria ocorrido em qualquer outro país que houvesse estado submetido a um acosso tão brutal durante tanto tempo. Diz-se facilmente, mas não há antecedentes na história universal de uma nação que tenha sido agredida incessantemente por outro ao longo de sessenta anos! Tenho a convicção de que nem sequer os Estados Unidos teriam resistido a esse ataque durante tanto tempo. Certamente teriam implodido pior que a União Soviética, numa orgia de sangue impulsionada pelo gigantesco arsenal de armas de fogo em mãos da população civil. Para não falar do que teria ocorrido na Argentina, Brasil, México ou Colômbia se houvessem sofrido o acosso que Cuba vem padecendo.

O que Washington tem estado a fazer chama-se genocídio porque o bloqueio, condenado quase com absoluta unanimidade pela comunidade internacional, provoca enormes sofrimentos na população. Essas políticas matam, enfermam, provocam fome e privações indizíveis. São, em poucas palavras, um crime de lesa humanidade. Os Estados Unidos foram preparando o terreno para o assalto actual ao longo dos últimos anos, com um bombardeio sistemático, multimilionário, comprando vontades fracas ou ambiciosas, apelando às redes sociais e seu algoritmos fatídicos, as "fake news" e o coro formado pelos seus peões de politiqueiros de pacotilha e agentes pérfidos de propaganda disfarçados de "jornalistas sérios e independentes". Com uma maldade incomensurável Washington intensificou as medidas do bloqueio quando estalou a pandemia, gesto que é suficiente para desnudar a infâmia moral do império, sua verdadeira natureza.

Alguns protestos actuais são compreensíveis. Outros, provavelmente a maioria, são produto dos dinheiros e da enorme campanha de desestabilização urdida pela Casa Branca. Apesar de terem uma magnitude muitíssimo menor do que diz a corrupta imprensa hegemónica, os dirigentes da Revolução tomaram-nos em conta e explicaram a génese desses padecimentos que mobilizaram nas ruas umas poucas centenas de cubanas e cubanos. É indubitável que houve erros de gestão macroeconómica; ou que as medidas recentes da unificação cambial foram inoportunas, talvez tardias; ou que os preços relativos se desenquadraram consideravelmente. Mas seria absolutamente incorrecto tentar explicar esses problemas e a reacção de alguns sectores sociais perante eles sem levar em conta efeitos perturbantes de um bloqueio que se estende por seis décadas. Vi e ouvi nestes dias sisudos analistas falarem dos problemas da economia cubana sem pronunciar nem uma única vez a palavra "bloqueio". A ansiedade deles para receber a palmadinha afectuosa do Tio Sam é tão grande que os leva a esquivarem-se totalmente do papel fundamental desempenhado por este no (mau) funcionamento da economia cubana.

Restrições para importar e exportar, para adquirir alimentos, medicamentos, insumos médicos, sobressalentes para o transporte ou a energia eléctrica; ou tendo de pagar fretes extravagantes pelos bens que entram ou saem da ilha, com bancos e agentes comerciais renitentes em fazer negócios com Cuba devido às sanções que o brutal Golias do Norte promete àqueles que violem o bloqueio. Se sob essas condições a Revolução Cubana foi o único país da região com capacidade para produzir suas próprias vacinas para combater o Covid-19 (para vergonha da Argentina, Brasil, Chile ou México) e se durante todas estas décadas pôde garantir acesso universal e gratuito a elevados padrões de atenção médica, educação, segurança social, desporto, música e cultura é porque a Revolução teve um êxito tremendo. Do contrário nada disto teria sido conseguido.

Portanto, aqueles que se erigem em juízes de Cuba e nas suas explicações não levam em conta o papel decisivo, inescapável, que nos seus presentes infortúnio desempenhou a obsessão estado-unidense por apoderar-se dessa ilha não merecem mais consideração que a que poderia ter um comentarista que ao falar da Segunda Guerra Mundial e seus estragos esquecesse de mencionar a palavra "Hitler". Como qualificaríamos esse personagem? Como um imoral, um charlatão a soldo, neste caso do império que reproduz, com ares de "objectividade científica", o discurso legitimador de um genocídio.

Ao longo da história Cuba – a pátria de Martí e Fidel, de Camilo e do Che – deu amplas mostras de patriotismo. Poderá a sua gente reclamar com força pelos problemas actuais, mas daí a porem-se de joelhos para serem submetidos ao jugo dos herdeiros dos marines que urinaram na estátua do Apóstolo no Parque Central; ou da oligarquia que só ambiciona devolver Cuba à sua condição colonial; os dos blogueiros e "influencers" dispostos a lançar a sua dignidade nacional aos cães por um punhado de dólares, há um passo enorme. E o povo cubano jamais o dará, ainda que tenha de morrer na tentativa.

O original encontra-se em www.pagina12.com.ar/354370-cuba-el-bloqueo-y-la-crisis 

Este artigo encontra-se em https://resistir.info

Avalie este item
(3 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed