Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

O nacionalismo de recursos torna-se uma grande ameaça para empresas de petróleo e mineradores

09 Março Escrito por  MINING.com Lido 724 vezes

O nacionalismo de recursos disparou em mais de 30 países no último ano

e mais da metade dessas nações são importantes produtores de minerais e hidrocarbonetos, revela um novo estudo.

A tendência de crescimento, associada aos impactos econômicos de covid-19, aumentou o apetite dos governos por maior controle sobre as receitas minerais, mostra a pesquisa mais recente da consultoria de risco Verisk Maplecroft.

A consultoria identificou 34 países nos quais a tendência de assumir o controle de seus recursos naturais, ou garantir lucros maiores a partir deles, cresceu desde 2017. Pelo menos 18 dessas nações, incluindo Gana, Mali, Colômbia, Chile e Canadá, são economias dependentes de recursos naturais.

O Verisk Maplecroft alerta que as mineradoras na África e na América Latina deverão suportar o impacto das novas medidas governamentais para lucrar com seus recursos nos próximos dois anos. Espera-se que o intervencionismo, a expropriação e a soberania de terras indígenas sejam os principais mecanismos que os estados usarão para recuperar a receita perdida durante a desaceleração econômica desencadeada pela pandemia.

As conversas sobre um novo super ciclo, alimentado por um aumento sustentado nos preços das commodities, só vão piorar a situação, dizem os especialistas.

Os preços do cobre rumando para novos máximos históricos, os mercados agrícolas em alta e os preços do petróleo de volta aos níveis pré-pandêmicos estão gerando previsões empolgantes, à medida que as economias, estimuladas por massivos estímulos, aumentam os ganhos pós-bloqueio. A teoria é que isso poderia ser apenas o início de uma alta de anos na demanda por matérias-primas em todos os setores.

“Os países a serem observados mais de perto são as jurisdições de mineração caracterizadas por uma dolorosa contração econômica relacionada à cobiça e um aumento em formas menos explícitas de nacionalismo de recursos”, disse Jimena Blanco, chefe da Verisk Maplecroft para as Américas.

“Esses governos estão se tornando mais dispostos a intervir na economia, usar a expropriação indireta ou exigir aumentos nos requisitos de conteúdo local - abrindo a porta para um caminho de nacionalismo de recursos mais sofisticado.”

Fonte: Verisk Maplecroft’s Political Risk Outlook 2021.

No ano passado, as mineradoras experimentaram um aumento pronunciado em formas sutis de nacionalismo de recursos, como tributação mais alta ou regulamentação mais árdua, em grandes produtores de minerais.

O México, o maior produtor de prata do mundo e centro atrativo de investimento estrangeiro, assumiu a 14ª posição entre as jurisdições de maior risco do mundo no Índice de Nacionalismo de Recursos (RNI) da Verisk Maplecroft.

O país, que fez da repressão aos incentivos fiscais uma prioridade, enfrentou algumas empresas de recursos no ano passado. Na quarta-feira, o First Majestic Silver do Canadá (NYSE: AG) (TSX: FR) anunciou que deu início a um processo de arbitragem contra o governo López Obrador, já que está sendo solicitado a pagar mais de $ 500 milhões em impostos supostamente devidos.

Outras nações ricas em minerais no ranking foram Libéria (41º), Colômbia (44º), Mauritânia (74º), Mali (85º), Chile (97º) e Canadá (140º). Mas voltando ao final de 2019, a consultoria também sinalizou Brasil (53º) e Peru (117º).

Fonte: Verisk Maplecroft’s Political Risk Outlook 2021.

A linha entre o nacionalismo de recursos e o interesse nacional legítimo nem sempre é fácil de traçar e isso pode exacerbar as tensões.

RNI da Verisk Maplecroft rastreia incidentes de expropriação direta e nacionalização. As pontuações mais altas vão para casos em que não houve compensação adequada, nenhuma compensação ou em que um governo não pagou uma sentença arbitral a uma empresa.

O motivo por trás da expropriação direta pode ser um ganho político de curto prazo ou uma tentativa genuína de salvar uma indústria vital, mas em dificuldades, para apoiar o interesse nacional. “A adequação da remuneração é o fator-chave do ponto de vista de negócios”, diz a consultoria.

Na América Latina, o esforço para obter maiores benefícios dos recursos naturais geralmente depende de dois fatores. No México e na Argentina, a principal força motriz é a ideologia, enquanto na Colômbia e no Chile a pressão vem das comunidades - tanto aquelas que hospedam projetos de mineração quanto da sociedade civil.

Na África, as motivações são muito mais diversas. O intervencionismo visto na Libéria e na Mauritânia é impulsionado por deficiências de governança estrutural, não por sentimento nacionalista, destaca Verisk Maplecroft.

“No Mali, as preocupações políticas do governo de transição são o problema, enquanto na Guiné é a necessidade de maximizar a receita da bauxita - os dois países estão procurando revisar os contratos existentes”, diz o relatório.

De acordo com o Verisk Maplecroft, os efeitos econômicos da pandemia de coronavírus por si só não podem explicar o aumento do nacionalismo de recursos no ano passado. A consultoria acredita que o vírus exacerbou uma tendência pré-existente observada no índice desde 2017. Os especialistas preveem que o impacto da pandemia aumentará nos próximos dois anos.

Os ciclos de preços também continuam sendo um fator importante, dizem os analistas, mas as mineradoras que ficarem no topo do cenário ESG (ambiental, social e de governança) de cada país serão capazes de se manter à frente da curva de nacionalismo de recursos.

“Questões sobre distribuição de renda, pobreza, acesso à educação e saúde - para citar apenas alguns - podem desencadear processos sociopolíticos que exigem mais do estado”, diz Mariano Machado, analista sênior da Verisk Maplecroft.

Os especialistas afirmam que, nas economias avançadas, recorrer à indústria de mineração para pedir (ou levar) mais tornou-se uma arte sutil e variada.

“Os operadores devem se preparar para que isso supere os métodos clássicos de nacionalismo de recursos - como o tipo mais comum de intervencionismo estatal - na próxima década”, diz Machado.

O que é fundamental para as mineradoras, diz o relatório, é detectar os sinais logo no início, para que possam adaptar suas estratégias de investimento e carteiras de exploração para mitigar a exposição futura às tendências de nacionalismo.

Com isso, conclui a consultoria, as empresas também podem priorizar o investimento em jurisdições onde possam fazer parte da solução. Eles podem trabalhar com as partes interessadas locais para encontrar um equilíbrio entre as necessidades da comunidade e a lucratividade da indústria para garantir uma licença social de longo prazo para operar.


Original: https://oilprice.com/Latest-Energy-News/World-News/Resource-Nationalism-Becomes-Major-Threat-For-Oil-Companies-Miners.html

Avalie este item
(4 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed