Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

A corrupção na Petrobrás e outras empresas

Publicado em 08/07/2020 Escrito por  Henrique Sotoma Lido 1688 vezes

face-homem  Fatos que se encontram em sites oficiais do MPF

Tendo lido vários artigos que falam sobre problemas envolvendo irregularidades na Petrobrás e outras empresas com citação de vários políticos brasileiros e tendo lido vários comentários envolvendo o lado político ideológico, resolvi fazer um resumo de tudo que tenho conhecimento.

Vou relatar alguns fatos que se encontram em sites oficiais do MPF e diários do presidente Fernando Henrique Cardoso; portanto, vou considerá-los verdadeiros. As referências citadas encontram-se no final do artigo.

# Nos Diários da Presidência de FHC-1997-1998 (ver Referência 1) livro 2 - Página 164, Fernando Henrique Cardoso escreve:

" 20 de abril de 1997 - domingo: Depois almocei com o Eduardo Eugênio (Gouveia Vieira) e o João Pedro Gouveia Vieira (Presidente do conselho de administração do grupo Ipiranga). Eles vieram discutir a questão do petróleo, reafirmar informações que eu já tinha tido do Paulo Cunha, de que as malandragens na Petrobrás são grandes. Eles acham que é preciso haver uma mudança. Expliquei que estava esperando a formação da Agencia Nacional de Petróleo para então interferir nessa área, que está rolando solta."

# Delação premiada de Pedro Barusco (ver Referência 2). No Termo de Colaboração n. 02, de Pedro Barusco, folha 04 de 20 de novembro de 2014, encontra-se:

" .......empresários, afirma que não, pois na realidade o pagamento de propinas dentro da PETROBRAS era algo "endêmico" e institucionalizado; QUE quando o declarante se tornou Gerente Executivo da Área de Engenharia, o pagamento de propinas pelas construtoras já existia e entende que "fazia parte da relação"; QUE por exemplo, .......; "

# No Termo de Colaboração n. 03, de Pedro Barusco, folha 02 de 21 de novembro de 2014, encontra-se: (ver Referência 3)

"......QUE afirma que começou a receber propina em 1997 ou 1998 da empresa holandesa SBM, enquanto ocupava o cargo de Gerente...............; QUE esses contratos eram de longa duração e, desse modo, o pagamento das propinas também perdurou por longos anos enquanto o declarante ocupou o cargo de Gerente de Tecnologia de instalações entre 1995 a 2003; QUE........."

 

# Delação premiada de Nestor Cerveró (ver Referência 4)

ASSUNTO: COMPRA DA PEREZ COMPANC, ANEXO 35

"Ao final do governo FHC, em 2002, já com LULA eleito, foi avaliada e comprada a Perez Companc, 2ª maior companhia de energia da Argentina, em verdadeiro "toque de caixa". Na época do falecido presidente da Petrobrás, Francisco Gros, determinou que se fizesse uma rápida avaliação e foi aprovada pelo Conselho de Administração da Petrobrás a compra de 67% do Capital da Perez Companc pelo valor de 1 bilhão de dólares "cash". Também foi assumida a dívida da empresa, de mais de 1 bilhão de dólares, em condições pouco favoráveis. Assim, a Diretoria Internacional assumiu já em janeiro de 2003 e Nestor Cerveró se tornou vice-presidente do Conselho, o que implicava em viajar no mínimo uma vez por mês à Argentina para participar da reunião do conselho.

Dada a fluência no idioma espanhol de Nestor Cerveró, muito apreciada pelos argentinos, Nestor pôde se informar dos detalhes das propinas pagas, especialmente pelas informações que recebeu de Oscar Vicente, principal elo de contato entre Gregorio Perez Companc e Carlos Menem. Havia uma resistência grande por parte dos antigos diretores da Perez Companc em relação aos novos diretores enviados pela Petrobrás e a Alberto Guimarães, que foi enviado como presidente e simplesmente não conseguia falar em espanhol, além de falar mal do governo argentino. Sabe que cada diretor da Perez Companc recebeu 1 milhão de dólares a título de comissão pela venda, sendo que Oscar Vicente recebeu 6 milhões de Gregório Perez Companc."

"A propina paga a Gross foi de grande monta (100 milhões de dólares), razão pela qual certamente foi repassada para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e ao PSDB, conforme dito para Nestor Cerveró pelos Diretores da Perez Companc e Oscar Vicente". "Oscar ainda permaneceu como nosso diretor na Perez Companc, mas acabou sendo afastado por demanda de Nestor Kirchner, seu desafeto. O conhecimento de Gross e do Dr. Gregório vem do tempo em que Gross foi diretor da JP Morgan e Dr. Gregório seu cliente".

----------

Até aqui são fatos reais.

A seguir as minhas próprias conclusões:

Por que FHC não quis investigar? FHC sabia das irregularidades na Petrobrás e, no mínimo, foi omisso em não tomar as providências necessárias; ou então, tinha interesse que essas irregularidades continuassem?

Após delação do Barusco, por que os profissionais citados não foram interpelados e presos? Ou estão?
O Conselho de Administração da Petrobrás na época do Cerveró, que aprovou a compra da Perez Compamc, não pode ser chamado para prestar esclarecimento?

O Lula é o único politico culpado? Ou foi porque a eleição de 2018 estava na boca e a elite política quis tirá-lo da disputa presidencial?

Enfim, Lula foi preso mesmo sem ter provas concretas contra ele!

Lula foi julgado e condenado a 12 anos de prisão

Já em 2020, em 24 de janeiro de 2020, vimos em alguns jornais virtuais:

José Serra envolvido na Lava Jato continua solto até hoje!

Aécio Neves idem.

E a corrupção na ECOVIAS?

Vou encerrando por aqui.

Henrique Sotoma (ex-engenheiro da Petrobrás e aposentado desde 2012)

Rio de Janeiro, 06 de julho de 2020

 

Referências:

DIARIOS DA PRESIDÊNCIA – VOLUME 2 – 1997-1998
DE FERNANDO HENRIQUE CARDOSO

DELAÇÃO PREMIADA DE PEDRO BARUSCO


MJ-SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL/Departamento Regional de Policia Federal/Superintendência Regional no Estado do Paraná

GT OPERAÇÃO LAVAJATO/DRCOR/SR/DPF/PR

3-DELAÇÃO PREMIADA DE PEDRO BARUSCO

MPF: Policia Federal/Superintendência Regional no Estado do Paraná/DRCOR-Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado/DELEFIN-Delegacia de Repressão a Crimes Financeiros e Desvios de Recursos Públicos/Termo de Colaboração


DELAÇÃO PREMIADA DE NESTOR CERVERO

MJ - SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL DEPARTAMENTO DE POLÍCIA-FEDERAL SUPERINTENDÊNCIÁ REGI0NÁL NO ESTADO DO PARANÁ GT OPERAÇÃO LAVAJATO/DRCOR/SR/DPF/PR
TERMO DE COLABORAÇÃO N. 35 que presta NESTOR CUÑAT CERVERÓ

Tema: COMPRA DE PEREZ COMPANC

Avalie este item
(5 votes)
Veja algumas métricas do portal.