Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

O petróleo a US $ 30 não é suficiente para o shale dos EUA, apesar do entusiasmo de Trump

Publicado em 26/05/2020 Escrito por  Nick Cunningham Lido 2800 vezes

A recuperação do WTI (cotação do Texas) depois de cair abaixo de zero de volta para os US $ 30

levou a uma onda de alta comercial, com os estoques de energia subindo em resposta. Um "renomado especialista da indústria" comemorou recentemente o retorno de US $ 30 por baril de petróleo. Em uma postagem, Trump celebrou: "O petróleo está de volta!".

Mas o entusiasmo não reflete o verdadeiro estado da indústria petrolífera dos EUA. As perfuradoras de shale não eram coletivamente lucrativas, mesmo quando os preços do petróleo estavam duas vezes superiores aos de hoje, e estão se afogando em tinta vermelha com o WTI a US $ 30 por barril.

A economia fraca é anterior à pandemia global e à desaceleração do mercado. Por exemplo, grandes perfuradoras de petróleo dos EUA gastaram US $ 1,18 trilhão na última década, mas geraram apenas US $ 819 bilhões em fluxo de caixa de suas operações, de acordo com o Evercore ISI e o Wall Street Journal. Em outras palavras, os perfuradores de petróleo são devedores de mais de US $ 350 bilhões no buraco durante um período de dez anos. Durante grande parte desse tempo, os preços do petróleo foram negociados a US $ 50 por barril ou mais.

Entre 2015 e 2019, mais de 200 empresas norte-americanas de petróleo e gás apelaram ao Capítulo 11 (recuperação judicial). O ritmo realmente acelerou no ano passado, quando os investidores começaram desacreditar no setor. Mais uma vez, isso antecedeu a pandemia.

Com o barril a US $ 30, a sangria continuará. Aproximadamente 73  E&P nos EUA podem ser forçados à falência este ano se o petróleo continuar em US $ 30 por barril, de acordo com a Rystad Energy. Outras 170 empresas entrariam em colapso em 2021. Se o petróleo cair abaixo de US $ 30 por barril novamente, o número de falências subirá ainda mais.

"Não acho que o petróleo a US $ 30 salve muitos produtores que estão sentados na sala de emergência em uma maca esperando um transplante de coração", disse Buddy Clark, advogado da Haynes & Boone, ao Financial Times. "Há mais falências por vir."

No primeiro trimestre, as 39 principais empresas independentes de shale listadas publicamente nos EUA registraram perdas combinadas de US $ 26 bilhões, devido a uma onda de baixas, mostram os dados da Rystad. O segundo trimestre será dramaticamente pior, já que os primeiros três meses do ano capturaram apenas parcialmente a queda do mercado.

A dor é visível na contagem de plataformas, que está agora em mínimos históricos. Na semana passada, a indústria lançou outras 21 plataformas, 13 das quais vieram da bacia do Permiano. Em 237 plataformas de petróleo ativas, a contagem agora caiu mais de 65% desde março.


 
A produção de petróleo dos EUA caiu para 11,5 mb / d em meados de maio, mas o Secretário de Energia dos EUA, Dan Brouillette, estimou que os shut-ins já superaram 2,2 mb / d.

Parte disso pode voltar a funcionar. "A maior parte da produção que deveria ser encerrada já está e os produtores fazem contagem regressiva até o dia em que conseguirem recuperar parte da produção que foi colocada no gelo", disse Bjornar Tonhaugen, diretor de Mercados de Petróleo da Rystad Energy. "Mas será um caminho lento para a recuperação".

Mas a queda acentuada na perfuração leva rapidamente a quedas na produção. De acordo com a ShaleProfile Analytics e a Bloomberg, a produção de petróleo dos EUA nas principais bacias de shale cairia em mais de um terço, para menos de 5 milhões de barris por dia se a perfuração parasse completamente. Obviamente, a perfuração não cessará completamente, mas a análise ilustra como os poços de shale rapidamente tendem a declinar.

Este tem sido o problema do shale dos EUA desde o seu início. Não é segredo que os poços  declinam vertiginosamente após uma explosão inicial de produção. Como resultado, manter a produção no alto requer uma certa quantidade de perfuração contínua. A produção crescente exige um nível mais agressivo de gastos e aumentos na perfuração. O dinheiro que sai do terreno deve ser reinjetado no próximo poço. Essa dinâmica significava que a promessa de grandes lucros provou ser uma miragem na maioria dos casos.

Os críticos do setor apontam esses problemas há anos, mas a pandemia do COVID-19, o colapso da demanda, os baixos preços do petróleo e uma indústria de shale aleijada trouxeram esses problemas à frente. O resultado é que já podemos ter testemunhado o pico do shale dos EUA.
"Fevereiro foi o pico do shale", disse Daniel Yergin, vice-presidente do IHS Markit ao Wall Street Journal. Yergin é um impulsionador do shaçe há anos. Sua declaração não pode passar despercebida.

Original: https://oilprice.com/Energy/Oil-Prices/30-Oil-Isnt-Good-Enough-For-US-Shale.html

Avalie este item
(4 votes)
Veja algumas métricas do portal.