Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Estatais asiáticas dominam leilão da ANP

11 Outubro Lido 1488 vezes

 

Petronas foi o principal destaque do leilão

Depois de dois anos de leilões protagonizados ora pela Petrobrás, ora pela ExxonMobil, a 16a Rodada de concessões de blocos de exploração de óleo e gás foi dominada, ontem, pelas asiáticas Petronas, da Malásia, e QPI, do Catar. Essas foram as empresas que mais investiram na aquisição de ativos na licitação: R$ 3,72 bilhões, no total. O valor equivale a 43% da arrecadação da rodada, de R$ 8,915 bilhões — valor nominal recorde para um leilão sob regime de concessão.

A Petronas foi o principal destaque do leilão. A empresa malaia foi a companhia que mais tirou o dinheiro do bolso. Pagou R$ 1,945 bilhão por três blocos na Bacia de Campos, sendo dois deles como operadora, e marcou sua estreia na atividade de exploração de óleo e gás, no Brasil.

A investida na 16a Rodada é mais uma etapa do movimento recente de entrada da Petronas no Brasil. A empresa flerta há anos com o país e decidiu fazer, neste ano, as suas primeiras aquisições locais, dando uma guinada rumo à Bacia de Campos.

Em abril, a companhia fechou um acordo com a Petrobrás para comprar, por US$ 1,29 bilhão, 50% dos campos de Tartaruga Verde e Módulo III de Espadarte. Os ativos produzem atualmente cerca de 120 mil barris/dia. O negócio ainda não foi concluído.

A Petronas é uma das maiores petroleiras do mundo, com uma produção de 2,3 milhões de barris diários de óleo equivalente em 2018 — um pouco abaixo dos volumes produzidos pela Petrobras (de 2,6 milhões de boe/dia). A empresa vinha mapeando oportunidades de negócios nos leilões da ANP desde 2017. Em 2013, a companhia chegou a fechar um acordo com a OGX para comprar 40% do campo de Tubarão Martelo, na Bacia de Campos, mas desistiu da operação depois que a antiga petroleira do empresário Eike Batista entrou em recuperação judicial.

Até então ausente da exploração e produção do Brasil, a petroleira malaia passa a deter, a partir de agora, um ativo de produção e um portfólio de blocos exploratórios no país. Para o chefe de pesquisa na área de exploração e produção da Wood Mackenzie na América Latina, Marcelo de Assis, a investida da Petronas, no Brasil, faz sentido, dentro de sua estratégia global de diversificação de portfólio. Ele destaca, ainda, que a 16ª Rodada marca a estreia da empresa como operadora de ativos de exploração no Brasil.

“As reservas da Malásia estão em declínio nos últimos anos e a Petronas está buscando repor suas reservas”, comentou Assis.

A empresa adquiriu, no leilão, 100% dos blocos C-M-661 (pelo qual pagou R$ 1,115 bilhão) e C-M715. A companhia também entrou como sócia minoritária da Total, com 20% de participação, na concessão C-M-541, a área mais valiosa da rodada, que teve um bônus de R$ 4,029 bilhões, o valor mais alto pago até hoje por um bloco em leilão sob o regime de concessão.

O sócio da área de energias e recursos naturais da KPMG, Anderson Dutra, disse que a Petronas surpreendeu, ao entrar sozinha em dois ativos. Ele acredita que a companhia, em breve, buscará sócios no mercado, com quem dividir seus investimentos futuros.

“Acredito que em breve ela fará uma venda de parte de seus ativos. É possível que seja alguém que não esteja no Brasil, que ela esteja preparando o tapete para alguém”, afirmou Dutra, citando o histórico de parcerias com outras empresas asiáticas, como a Saudi Aramco.

A catari QPI foi outro destaque do leilão. A companhia adquiriu três concessões na Bacia de Campos (C-M-541, C-M-659 e C-M-713) por R$ 1,92 bilhão, todas como sócia não operadora, em parceria com Shell e Total. Com a rodada de ontem, a QPI eleva para nove o número de blocos exploratórios detidos no país. A petroleira também extrai cerca de 9 mil barris diários de óleo, relativos à fatia minoritária de 23% que possui no projeto Parque das Conchas, operado pela Shell na Bacia de Campos.

A presença no país, segundo Assis, faz parte do plano de internacionalização da petroleira. “A QPI produz muito gás. É o seu ‘core business’. Mas ela está procurando diversificar o seu portfólio, buscando mais óleo e uma internacionalização”, disse.

Sobre as ausências, nota para as estatais chinesas, figuras cativas nos leilões passados. A CNOOC chegou a se inscrever, mas não participou da rodada. Para Assis, da Wood Mackenzie, a ausência delas pode ser um sinal de que os chineses se preparam para o megaleilão dos excedentes da cessão onerosa, que envolve um bônus de assinatura de R$ 106,5 bilhões. “A chance é grande [de presença deles na rodada de 6 de novembro]”, disse.

Fonte: Valor Econômico

Avalie este item
(4 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed