Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

As novas faces do imperialismo do petróleo

Publicado em 02/08/2019 Escrito por  O Cafezinho Lido 3572 vezes

face-homem Interesse agora é conquistar mercados para gasolina e óleo diesel americanos

Os Estados Unidos vivem um novo boom do petróleo. Com certeza, isso está ajudando bastante a estabilizar a economia americana. O desemprego chegou ao nível mais baixo em décadas, 3,8%, o que é índice de pleno emprego; o país está crescendo; e esta semana o Fed, o banco central americano, derrubou os juros básicos do país para 2% a 2,25%.

É tudo muito recente. Não tem nem cinco anos. Mas é uma mudança que afeta profundamente toda a geopolítica mundial. Desde 1953 até poucos anos atrás, os EUA foram altamente deficitários em petróleo. A partir de meados da década de 70, a produção americana começou a cair e a demanda, a subir, provocando um buraco gigantesco na balança comercial do país.

Em 1977, os países que compunham a OPEP respondiam por 70% das importações americanas de petróleo, e os EUA tinham uma produção relativamente pequena em relação a seu consumo.

A dependência empurrou a política externa americana para ações desesperadas: o país promoveu golpes de Estado, sabotagens, guerras abertas ou secretas, em todas as regiões do mundo que possuíam reservas de petróleo. O objetivo era tomar essas reservas, controlá-las, para garantir o abastecimento da economia industrial norte-americana.

Com a descoberta recente de novos grandes campos no Texas, a produção americana de petróleo voltou a crescer muito rápido.

Em 2018, os EUA ultrapassaram a Rússia e a Arábia Saudita em produção de petróleo, assumindo a liderança mundial.

Com isso, o país deve ganhar autonomia em petróleo em menos de dois anos, segundo estimativas oficiais da EIA, a Agência de Informação Energética do país.

Caf2

 

Caf3

 

Observe com atenção esse gráfico abaixo. Ele mostra a queda brutal da participação dos países da OPEC (Organização dos Países Produtores de Petróleo) na importação americana. O Canadá, tranquilo e estável vizinho do norte dos EUA, tornou-se o principal fornecedor de petróleo ao país.

Caf4

 

Os interesses imperialistas agora não são mais se apoderar do máximo possível de reservas mundiais; agora seu interesse é conquistar novos mercados compradores para a gasolina e o óleo diesel americanos.

 

Caf5



EXPORTAÇÕES DE PETRÓLEO DOS EUA JÁ SÃO DE 8,2 MILHÕES DE BARRIS/DIA

Segundo a EIA, as exportações americanas de petróleo bruto e derivados totalizaram 8,2 milhões de barris/dia na média de janeiro/maio de 2019. Para comparação, em 2013 as exportações do país não chegavam a 4 milhões de barris/dia.

A participação do petróleo bruto na exportação americana cresceu bastante. Até 2015, mais de 90% do petróleo exportado pelos EUA era refinado; hoje esse percentual caiu para 66%; mas caiu porque, como já dissemos, a produção aumentou num ritmo rápido demais para a própria capacidade de refino do país.

Como dissemos no post anterior, as energias imperialistas hoje estão voltadas para a conquista de novos mercados compradores. E quem são estes? Quais são os mercados com capacidade para absorver a oferta crescente de produtos derivados de petróleo, processados nas refinarias norte-americanas?

Caf6

 

Caf




OS COMPRADORES DO PETRÓLEO AMERICANO

Caf7


Considerando todos os produtos, incluindo o óleo bruto, os principais destinos do petróleo americano são, por ordem de grandeza: México, Canadá, Japão, Índia, Coréia do Sul e Brasil

Houve aumento expressivo para todos esses mercados.

Caf8


Se consideramos, apenas os derivados, o Brasil sobe de posição, para o quarto lugar.

CafCaf


Se olharmos apenas para o óleo diesel americano, o Brasil já é o segundo maior destino, importando mais de 13% de todo o diesel exportado pelos EUA no cinco primeiros meses do ano.

cinco

Entre os principais compradores de petróleo bruto americano, estão Canadá, Coréia do Sul, Índia, Holanda e Inglaterra.

seis

 

PRODUÇÃO AMERICANA DE PETRÓLEO JÁ RESPONDE POR QUASE 90% DO CONSUMO

O gráfico abaixo mostra, em 2018, as importações responderam por apenas 11% do consumo norte-americano.

 

pizza

 

Dep

 

Essa situação triste do petróleo brasileiro é resultado do abandono de nossas refinarias.

Ainda segundo a ANP, o processamento de petróleo nas refinarias brasileiras caiu ao menor nível desde 2013. Como as vendas aumentaram nesse período, o déficit vem crescendo, e sendo suprido por importações, a maioria dos EUA.


pro

 

jun

 

 

 

Fonte: O Cafezinho

Última modificação em Sexta, 02 Agosto 2019 18:58
Avalie este item
(9 votes)