Imprimir esta pg
0
0
0
s2sdefault

Se a situação da Arábia Saudita não o preocupa, você não está prestando atenção

15 Novembro Escrito por  Chris Materson Lido 5954 vezes

face-homemUm eixo geopolítico chave está rapidamente mudando

 

Embora turbulentas durante os melhores momentos, ondas gigantes de mudanças agora estão varrendo o Oriente Médio. A magnitude é tal que o impacto sobre o preço global do petróleo, bem como dos mercados mundiais, provavelmente será enorme.


Um realinhamento geopolítico dramático da Arábia Saudita está em pleno andamento neste mês. Mudando muitas décadas de relações estratégicas estabelecidas entre as superpotências mundiais e, em particular, está jogando o Oriente Médio em turbulência.


Tanto está atualmente em jogo, especialmente na Arábia Saudita, que quase tudo pode acontecer a seguir. Por isso, esta situação volátil deve comandar nossa atenção neste momento.Os principais elementos em jogo são estes:


⦁    Uma súbita e intensa purga de poderosos sauditas (detenções, mortes e apreensões de bens)
⦁    Grandes mudanças na política e estratégia domésticas
⦁    Um distanciamento dos EUA em todos os aspectos (politicamente, financeiramente e militarmente)
⦁    Aprofundando laços com a China
⦁    Uma volta surpreendente para a Rússia (economicamente e militarmente)
⦁    Aumentar a cooperação e o alinhamento com Israel (o inimigo do meu inimigo é meu amigo?)


Tomados em conjunto, esta é a mudança tectônica acontecendo a uma velocidade ardente.


E que está recebendo pouca atenção na imprensa dos EUA tendo em vista as implicações, é uma dica sobre o quão grande é esse negócio - como estamos todos familiarizados agora com a maior relevância, menor é a cobertura da imprensa dá. Esta não é uma conspiração direta; é exatamente o que acontece quando sua imprensa se torna um órgão do estado e outros interesses poderosos. Como um cão treinado com recompensas diárias e punições, depois de um tempo a imprensa não precisa de mais instruções sobre as regras da casa.


No entanto, para ser informado com precisão sobre o que está acontecendo, temos que fazer nosso próprio trabalho de casa. Aqui está um breve guia para ajudar você a começar.


Um guia rápido
A não ser que você a estude intensamente, a política saudita é difícil de seguir, porque eles estão enraizados no drama de uma família muito grande e disfuncional lutando por sua imensa riqueza. Se você acha que sua própria família é louca, multiplique o fator louco por 1.000, polvilhe com vontade de matar qualquer membro da família que se interponha no seu caminho e você terá a perspectiva certa para entender como a política da saudita opera.


A Casa de Saud é a família real governante do Reino da Arábia Saudita (a seguir designada por "KSA") e é composta por cerca de 15.000 membros. A maioria do poder e riqueza está concentrada nas mãos de cerca de 2.000 indivíduos. 4.000 príncipes masculinos estão na mistura, além de um maior número de mulheres envolvidas - todos tentando pendurar ou subir uma montanha de poder em constante mudança.
Aqui está um gráfico útil para explicar a linhagem do poder na KSA ao longo das décadas:

Vamos chegar ao atual governante, o Rei Salman, e seu poderoso filho, Mohammed Bin Salman (32 anos), em breve. Antes, vamos falar sobre o momento mais seminal da recente história da Arábia Saudita: o principal acordo de petróleo por dinheiro e proteção entre a administração Nixon e o Rei Faisal no início da década de 1970.


Este acordo crucial permitiu que a KSA recuperasse secretamente seus petrodólares excedentes de volta ao Tesouro dos EUA, enquanto recebia proteção militar dos EUA em troca. O segredo foi mantido por 41 anos, revelado apenas recentemente em 2016, graças à Bloomberg :
O quadro básico era surpreendentemente simples. Os EUA iriam comprar o petróleo da Arábia Saudita e fornecer ao reino ajuda militar e equipamentos. Em troca, os sauditas mandaram bilhões de suas receitas de petrodólares de volta ao Tesouro americano e financiaram os gastos da América.


Foram várias reuniões discretas de acompanhamento para resolver todos os detalhes, disse Parsky. Mas, no final de meses de negociações, manteve-se uma pequena, mas crucial regra: o rei Faisal bin Abdulaziz Al Saud exigiu que as compras do Tesouro do país permaneçam "estritamente secretas", de acordo com um documento diplomático obtido pela Bloomberg no banco de dados do Arquivo Nacional.


"Comprar títulos e tudo isso foi uma estratégia para reciclar petrodólares de volta aos EUA", disse David Ottaway, um especialista em Oriente Médio no Woodrow Wilson International Center em Washington. Mas politicamente, "sempre foi um relacionamento ambíguo e constrangido".


A essência deste negócio é bastante simples. A KSA queria vender seu petróleo para o seu maior comprador, os EUA, enquanto também possuía um lugar seguro para guardar os fundos, além de receber proteção militar. Mas não queria que mais ninguém, especialmente seus vizinhos árabes, soubesse que estava se associando tão intimamente com os EUA que, por sua vez, estariam apoiando Israel. Isso teria sido politicamente incendiário na região do Oriente Médio, como aconteceu logo após a guerra de Yom Kipper (1973).


Quanto aos EUA, obteve o óleo que queria e - duplamente - conseguiu que a KSA reciclasse os mesmos dólares usados ​​para comprar esse petróleo de volta ao Tesouro, e contratos para equipamentos e treinamento militar dos EUA.


Muito bom negócio.
Note-se que este é mais um acordo secreto mundial que se manteve com sucesso fora da mídia há mais de quatro décadas. Sim Virgínia, as conspirações acontecem. Os segredos podem ser (e são rotineiramente) mantidos por centenas, mesmo milhares, de pessoas por longos períodos de tempo. 


Uma vez que esse acordo-chave foi fechado no início da década de 1970, a KSA permaneceu um fervoroso defensor dos EUA e vice-versa. Em troca, os EUA nunca disseram nada substantivo sobre o envolvimento alegado da KSA no 11 de setembro ou suas violações grotescas de direitos humanos e femininos. 


Até recentemente.
Então as coisas começaram a quebrar
Em 2015, o Rei Salman chegou ao poder. As coisas começaram a mudar muito rapidamente, especialmente quando ele elevou seu filho Mohammed bin Salman (MBS) para uma posição de maior poder.


Um os primeiros atos de MBS foi envolver diretamente a KSA na guerra civil do Iêmen, com as tropas no terreno e os bombardeios aéreos. Essa guerra matou milhares de civis, ao mesmo tempo em que criava uma crise humanitária que inclui o maior surto moderno de cólera, que dizima áreas altamente povoadas. O conflito, que é considerado uma "guerra de procuração", porque o Irã está apoiando os rebeldes Houthi, enquanto a KSA está apoiando o governo iemenita, e continua até hoje.


Então, em 2016, a KSA ameaçou retirar seus US $ 750 bilhões em ativos (declarados) dos EUA, em resposta a um projeto de lei no Congresso que teria divulgado informações confidenciais envolvendo o envolvimento da Arábia Saudita no 11 de setembro. Então, o presidente Obama teve que voar lá para suavizar as coisas. Parece que o trabalho que ele fez foi insuficiente; porque as relações KSA-EUA desandaram em um ritmo acelerado depois. Missão NÃO  realizada, parece.


Em 2017, a KSA acusou o Qatar de atos nefastos e fez exigências tão extraordinárias de que um surto de guerra quase estourou sobre a disputa. O governo do Qatar depois acusou a KSA de fomentar a "mudança de regime", agravando a situação ainda mais. Novamente, o Irã apoiou o governo do Qatar, o que transformou esse conflito em outra batalha de procuração entre as duas principais superpotências da região do Golfo.
Paralelamente a tudo isso, a KSA também estava apoiando os mercenários (também conhecidos como "rebeldes" na imprensa ocidental) que procuravam derrubar Assad na Síria - outra guerra de procuração entre a KSA e o Irã. Foi um segredo aberto que, durante esse conflito, a KSA tem prestado apoio a organizações terroristas, como Al-Qaeda, ISIS e outros supostos inimigos dos EUA / OTAN. (Mais uma vez, os EUA nunca disseram nada sobre isso, provando que a retórica dos EUA contra "terroristas" é uma construção inconstante de conveniência política, não uma questão moral.)


Uma vez que a Rússia entrou na guerra do lado do governo legítimo da Síria, os EUA e KSA (e Israel) perderam o rumo. Os seus sonhos de derrubar Assad e transformar a Síria em outro petro-estado falido, como o fizeram com o Iraque e a Líbia, não saíram do papel.


Mas ao invés de se retirar para lamber suas feridas, o Rei Salman e seu filho estão sendo muito mais ágeis do que seus antecessores.


Em vez de continuar uma batalha perdida na Síria, eles voltaram suas energias e atenção para redimensionar drasticamente as estruturas internas do poder da KSA:


Massacre de sábado a sábado da Arábia Saudita
Por quase um século, a Arábia Saudita foi governada pelos anciãos de uma família real que agora se encontra efetivamente controlada por um príncipe herdeiro de 32 anos, Mohammad bin Salman. Ele encabeça o Ministério da Defesa, tem planos extravagantes para o desenvolvimento econômico, e na semana passada providenciou a prisão de alguns dos mais poderosos ministros e príncipes do país.


Um dia antes das prisões serem anunciadas, tribos Houthi no Iêmen, mas aliadas com o Irã, rival regional da Arábia Saudita, dispararam um míssil balístico sobre Riad.


Os sauditas afirmam que o míssil veio do Irã e que seu disparo pode ser considerado um "ato de guerra".


A Arábia Saudita foi criada entre as duas guerras mundiais sob orientação britânica. Na década de 1920, uma tribo conhecida como Sauds derrotou os haemitas, anexando efetivamente as partes externas da Arábia Saudita, que ainda não controlavam. O Reino Unido reconheceu o pedido da Sauds pouco depois. Mas desde então, a tribo saudita foi despedaçada pela ambição, ressentimento e intriga. A família real saudita tem mais em comum com os Corleones do que com uma pintura Norman Rockwell.


O ataque direto foi indubitavelmente encarado como ameaças de golpe. Se alguém estava realmente planejando, não importa. Mohammed Bin Salman teve que assumir que essas ameaças eram críveis, pois tantos interesses estavam sendo atacados. Então ele bateu primeiro, prendendo príncipes e ex-minsters que constituíam a elite saudita. Foi uma aposta perigosa. Ainda existe uma poderosa oposição, mas ele não teve escolha senão agir. Ele poderia atacar como fez no último sábado à noite, ou permitir que seus inimigos escolhessem o tempo e o local desse ataque. Nada ainda está seguro, mas com esta jogada, há uma chance dele ter ganhado tempo. Ele pode muito bem ter quebrado o poder da elite financeira e religiosa.


Este príncipe de 32 anos, Mohammed bin Salman, atirou certeiro, atingindo completamente a dinâmica de poder interna da Arábia Saudita.
Ele assumiu as rédias políticas, financeiras e religiosas. Por exemplo, pressionando a decisão de permitir que as mulheres dirijam; um movimento provocativo projetado para enviar uma mensagem clara aos clérigos que poderiam se opor a ele. Essa mensagem é: "Não estou brincando".


Este é um exemplo clássico de como se trata de purgar a oposição quando assumir um governo após um golpe ou implementar uma nova estratégia em uma grande corporação. Você deve remover todos os adversários possíveis e instalar seus próprios leais. De acordo com as Regras para os Governantes , você faz isso desviando uma parte do fluxo de fundos para seus novos apoiadores, enquanto diminui, aprisionando ou matando todos os inimigos potenciais.


Até agora, o plano de ação de Mohammed bin Salman está em curso. Sem surpresas.


O artigo abaixo da Stratfor (que vale a pena ler na sua totalidade) continua com estas ideias interessantes:
Os iranianos estão indo bem desde que o acordo nuclear foi assinado em 2015. Eles se tornaram a força política dominante no Iraque . Seu apoio ao regime de Bashar Assad na Síria pode não ter sido suficiente para salvá-lo, mas o Irã estava no que parece ser o lado vencedor da guerra civil síria. O Hezbollah sofreu com sua participação na guerra, mas está revivendo, levando a influência iraniana para o Líbano, no momento em que o Líbano está em crise após a demissão do primeiro ministro, na semana passada.


Os sauditas, por outro lado, estão na contra-mão. A coalizão anti-Houthi, construída no Iêmen não conseguiu quebrar a oposição liderada por Houthi. E o Irã entrou abertamente em uma aliança com o Qatar contra os desejos dos sauditas e seus aliados, os Emirados Árabes Unidos.


O Irã parece sentir a possibilidade de conseguir um sonho: desestabilizar a Arábia Saudita, acabar com sua capacidade de apoiar as forças anti-iranianas e quebrar o poder dos Wahhabis sunitas. O Irã deve considerar as prisões na Arábia Saudita como uma jogada muito ruim. E elas podem ser. Mohammad bin Salman colocou os fundamentalistas e a elite financeira contra o muro.


Eles estão desesperados, e agora é a vez deles atirar o dado. Se o número for baixo, isso poderia resultar em uma guerra civil na Arábia Saudita. Se o Irã pode atingir Riyad com mísseis, os opositores do príncipe herdeiro podem argumentar que o jovem está tão ocupado com seus planos que não está prestando atenção à ameaça real. Para os iranianos, o melhor resultado é que ninguém vença.


Isso reconfiguraria a geopolítica do Oriente Médio, e uma vez que os EUA estão profundamente envolvidos lá, têm decisões a serem tomadas.
Assim, com o Iêmen, a Síria e seus recentes atritos domésticos, a Arábia Saudita está em tumulto. Está em uma posição muito mais fraca do que há pouco tempo.


Isso deixa os EUA em uma posição regional muito mais fraca, também, precisamente no momento em que a China e a Rússia estão aumentando sua própria presença (o que veremos a seguir).


Mas primeiro temos que discutir o que poderia acontecer se uma guerra civil atingisse a Arábia Saudita. O preço do petróleo, sem dúvida, aumentaria. Por sua vez, isso prejudicaria os países mais fracos, as empresas e as famílias em todo o mundo que simplesmente não podem pagar um preço do petróleo maior. E há muitos deles.


Os mercados financeiros desestabilizariam, uma vez que a volatilidade prolongada seria grande, criando perdas horríveis em todo o quadro. Que poucos investidores estão preparados mental ou financeiramente para tal carnificina é um enorme eufemismo.


Então ... se você fosse a Arábia Saudita, precisasse de aliados úteis depois de ter se atolado numa guerra não desejável no Iêmen, fosse derrotado em uma guerra de procuração na Síria, e seu antigo "aliado", os EUA, está ocupado extraindo tanto seu próprio petróleo, o que você faria?


Pivot para a China
Dada a sua situação, é realmente uma surpresa que o Rei Salman e seu filho tenham decidido girar para a China? Precisando de um novo parceiro que alinhe melhor com seus interesses atuais e futuros, a China é a primeira escolha óbvia.


Assim, em março de 2017, pouco tempo depois da  visita fracassada de Obama, uma grande e bem preparada comitiva da KSA acompanhou o Rei Salman a Pequim e assinou novos negócios de dezenas de bilhões:
Na China, Arábia Saudita enxerga US $ 65 bilhões em negócios com a visita do rei
16 de março de 2017


BEIJING (Reuters) - O rei Salman, da Arábia Saudita, supervisionou a assinatura de negócios no valor de US $ 65 bilhões no primeiro dia de visita a Pequim na quinta-feira, já que o maior exportador de petróleo do mundo busca consolidar os laços com a segunda maior economia do mundo.
As ofertas incluíram um memorando de entendimento (MoU) entre a empresa petrolífera gigante Saudi Aramco e a China North Industries Group Corp (Norinco), para analisar a construção de refinarias e plantas químicas na China.


A Saudi Basic Industries Corp (SABIC) e a Sinopec, que já gerem conjuntamente um complexo químico em Tinajin, também concordaram em desenvolver projetos petroquímicos na China e na Arábia Saudita.


Salman disse a Xi que esperava que a China pudesse desempenhar um papel ainda maior nos assuntos do Oriente Médio, acrescentou o ministério.


O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Zhang Ming, disse que os memorandos de entendimento e as cartas de intenção valiam potencialmente cerca de US $ 65 bilhões, envolvendo tudo, desde a energia até o espaço.


 Este foi um grande negócio em termos da geopolítica do Oriente Médio. Isso abalou muitas décadas de poder estabelecido, resultando em uma mudança de dependência da América.


Os sauditas chegaram à China com uma grande comitiva que contava com 150 cozinheiros trazidos apenas alimentar todos na festa da visita saudita.

   
Os acordos resultantes atingiram tudo, desde energia, infraestrutura e até tecnologia da informação para o espaço. E isso foi apenas na primeira visita. Muitas vezes, um novo evento de delegação comercial envolve a postura e a expectativa; sem a assinatura de acordos. Portanto, é claro que, antes da visita, bem antes, muitos acordos estavam sendo negociados e os termos ajustados para que estivessem prontos para serem assinados durante a visita.


O escopo e o tamanho desses negócios são atraentes, mas o argumento real é a declaração pública do rei Salman, expressando a esperança de que a China jogará " um papel ainda maior nos assuntos do Oriente Médio".


Isso é o som da inclinação do eixo geopolítico. Essa declaração pública nos diz tudo o que precisamos saber sobre o tipo de mudança que a dinastia Salman pretende prosseguir.


Então, não deveria ter surpreendido ninguém, porque em agosto deste ano,  outros US $ 70 bilhões de novos negócios foram anunciados entre a China e a KSA . A banda exaltou que as relações sino-sauditas entraram em uma nova era, com "os acordos que abrangem investimentos, comércio, energia, serviços postais, comunicações e meios de comunicação".


Este é um ritmo muito rápido para grandes negócios. Se a KSA e a China estivessem namorando, eles já estariam falando sobre se casarem. Eles estão claramente na seleção da etapa de mobiliário e amostras de tapetes.


Quanto aos EUA? Parece que a KSA nem está retornando suas chamadas.
Você ainda não viu nada ...
Tudo que você leu, apenas descreve como chegamos a este ponto. Mas, como mencionado, a tomada de poder em curso na KSA por Mohammed bin Salman está se desenrolando em tempo real. Os desenvolvimentos estão ocorrendo por hora - ao escrever isso, o então poderoso príncipe Bandar bin Sultan (recente chefe da Inteligência saudita e ex-embaixador nos EUA) foi preso .


A trajetória dos eventos é encabeçada numa direção que pode acabar com o arranjo que serviu como o eixo em torno do qual a geopolítica girou nos últimos 40 anos. Os sauditas querem novos parceiros e estão cortejando a China.


A China, por razões que discutimos na Parte 2 deste relatório, tem uma necessidade existencial de suplantar a América como o principal cliente de petróleo da Arábia Saudita.


E tanto a Arábia Saudita quanto a China estão atraindo um número crescente de negócios estratégicos de petróleo com a Rússia. Por quê? Nós também entramos na Parte 2 - mas basta dizer,que a política externa da KSA, em tempos de rápidas mudanças, a  China e a Rússia "estão em alta", EUA,  'em baixa'.


Talvez não haja saída, mas os EUA claramente perderam muito terreno com a KSA nos últimos anos. Minha análise é que, ao financiar uma quantidade insana de desenvolvimento de shale gas, mesmo com prejuízo (o que afetou o nosso maior aliado ao Oriente Médio), os EUA sempre mostraram que nossa "amizade" não é muito profunda. Em um mundo onde a lealdade conta, os EUA provaram ser um parceiro desleal. A posição da China pode ser percebida como um melhor companheiro? Quando se trata de negócios, acredito que a resposta é "sim".


Na Parte 2: A ameaça do petróleo, nós acoplamos esses desenvolvimentos com os esforços recentes da China e da Rússia para diminuir o poder do dólar no comércio, especialmente quando se compra o petróleo, e ver claramente o desenrolar do maior dos arranjos financeiros, monetários e geopolíticos do mundo em 50 anos.


Nós também explicamos o porquê, a menos que algo mude muito dramaticamente na equação de oferta ou demanda para o petróleo que, em breve, Em algum lugar entre o segundo semestre de 2018 e o final de 2019, os preços do petróleo aumentarão drasticamente e isso vai abalar os alicerces da montanha global de dívidas e os respectivos passivos subfinanciados. Pense 9.0 na escala Richter financeira.


Deixe-me ser franco - você deve fazer seus preparativos antes que isso aconteça. Você tem um anos a mais para se preparar. Quando realmente acontecer, a crise global vai progredir mais rápido do que você pode reagir.

Fonte:https://www.peakprosperity.com/blog/113426/if-saudi-arabia-situation-doesnt-worry-youre-not-paying-attention?utm_campaign=weekly_newsletter_310&utm_source=newsletter_2017-11-11&utm_medium=email_newsletter&utm_content=node_link_113426

Tradução: Alex Prado

Última modificação em Quinta, 16 Novembro 2017 10:31
Avalie este item
(9 votes)
0
0
0
s2sdefault
Veja algumas métricas do portal.
Subscribe to this RSS feed