Artigos

Estratégias da fome

Data: 01/06/1999 
Estratégias da fome Um número que nos dá vontade de desaparecer: as 3 pessoas mais ricas do mundo possuem uma fortuna superior à soma dos produtos internos brutos dos 48 países mais pobres, ou seja, de um quarto de todos os países do mundo. Nós sabemos que o fosso das desigualdades foi escavado ao longo de duas décadas ultraliberais (1979-1998). Mas como imaginar que ele chegaria a esse ponto? Pois aprendemos igualmente que "em 1960, os 20% da população mundial que viviam nos países mais ricos detinham uma renda 30 vezes maior que os 20 % mais pobre. Em 1995 esta renda passou a ser 82 vezes maior!" (Relatório Mundial sobre o desenvolvimento humano, 1998 – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, New York, setembro de 1998. Veja também, "No sul, desenvolvimento ou retrocesso?" de Dominique Vidal em Le Monde Diplomatique, outubro de 1998). Em mais de 70 países, a renda por habitante é menor do que era há vinte anos atrás...Em escala planetária, cerca de 3 bilhões de pessoas – a metade de toda a população mundial – vive com menos de 2 dólares por dia... A abundância de bens atinge atualmente níveis sem precedentes, mas o número daqueles que não têm nada, não têm emprego nem acesso aos alimentos, não para de aumentar. Assim, dentre os cerca de 4,5 bilhões que vivem nos países em desenvolvimento, cerca de um terço não tem acesso à água potável. Um quinto das crianças não recebem as calorias e as proteínas suficientes a um crescimento minimamente decente. Além disso, algo como 2 bilhões de indivíduos – um terço da humanidade – sofre de anemia. Mas, esta situação é imutável? Absolutamente, não! Segundo as Nações Unidas, para que toda a população do globo tenha acesso às necessidades básicas (alimento, água potável, educação e saúde), seria suficiente retirar das 225 maiores fortunas do mundo, menos de 4% da riqueza acumulada. Alcançar a satisfação das necessidades sanitárias e nutricionais não custaria mais do que 13 bilhões de dólares, o equivalente àquilo que os habitantes dos EUA e da União Européia gastam anualmente com o consumo de perfumes... A Declaração Universal dos Direitos do Homem, cujo 50° Aniversário se comemora em dezembro, afirma: "Toda pessoa tem o direito a um nível de vida capaz se assegurar sua saúde, seu bem-estar e o de sua família, notadamente quanto à alimentação, vestuário, moradia, cuidados médicos, bem como aos serviços sociais necessários." Mas, estes direitos, para uma grande parte da humanidade, são cada vez mais inacessíveis. Tomemos, por exemplo, o direito à alimentação. Alimentos não faltam. Os estoques de alimentos jamais foram tão abundantes. As disponibilidades deveriam permitir a cada um dos 6 bilhões de habitantes do planeta dispor de pelo menos 2.700 calorias por dia. Entretanto, não basta produzir alimentos. É necessário que eles estejam acessíveis e que sejam consumidos pelos grupos humanos que têm necessidade. Este, entretanto, está longe de ser o caso. A cada ano, 30 milhões de pessoas morrem de fome. Outros 800 milhões sofrem de subnutrição crônica. Ainda assim, nada é impossível. Os problemas climáticos são freqüentemente previsíveis. Ao passo que existe a possibilidade de intervir, as organizações humanitárias, como a Ação contra a Fome (4, rue Niepce, 75014 Paris – e-mail: ir@acf.imaginet.fr) são capazes de erradicar uma escassez de alimentos em algumas semanas. Entretanto, a fome continua a dizimar populações inteiras. Por que? Porque a fome se transformou em uma arma política (Leia "Geopolítica da fome. Quando a fome é uma arma... de Sylvie Brunel e Jean-Luc Bodin– Relatório anual da Ação contra a Fome, PUF, Paris, 1998, 310 páginas). De agora em diante, nenhuma fome é gratuita. Uma verdadeira estratégia da fome está posta em marcha, conduzida com incrível indecência pelos dirigentes e pelas organizações as quais, o fim da guerra-fria, privou de uma certa renda financeira. Como escreveu Sylvie Brunel: "Não são mais os povos inimigos, os povos a conquistar, que são os famintos, mas as próprias populações dos países cujas eli

Conteúdo Relacionado

Não há conteúdo relacionado.

Tags

Não há tags relacionadas