Artigos

O preço da gasolina no Brasil é muito caro?

Data: 01/06/1999 
O preço da gasolina no Brasil é muito caro? A respeito de reclamações dos consumidores de gasolina, algumas, inclusive, publicadas em jornais, a Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET) tem enviado vários textos para jornais tentando explicar o assunto. Primeiro , precisamos entender que a Petrobrás vende gasolina, nos portões de suas refinarias e de seus terminais, em grandes quantidades as distribuidoras a um preço líquido de R$ 0,18/litro. Ai, você perguntaria: como isso é possível se no posto o preço médio é de R$ 0,88/litro? Para você entender essa questão, primeiro, devemos esclarecer que a Petrobrás não vende a retalho, só vende no atacado, em grandes quantidades, ás distribuidoras, as quais vendem aos postos, que por sua vez vendem aos consumidores. Isso significa que se você acha muito caro o preço da gasolina a culpa não é da Petrobrás. Afinal, você não compra gasolina na Petrobrás. Você compra no posto que compra na distribuidora. Para entender melhor, imagine um plantador de tomates vendendo caixas contendo 30 quilos de tomates a R$ 3,00 por caixa (ou R$ 0,10 por kg de tomate) e que nos supermercados o Kg do tomate está sendo vendido a R$ 1,00 (um preço dez vezes maior). É claro que a culpa não é do plantador de tomate; ele vende a R$ 0,10/kg. Se o consumidor está pagando preço exorbitante, a culpa é dos atravessadores, dos impostos e de outras tarifas governamentais. Então, com a gasolina acontece a mesma coisa. Resumindo, os consumidores compram gasolina nos postos a preço medio de R$ 0,88 por litro, dos quais, R$ 0,26/litros são abocanhados pelas distribuidoras e revendedores, R$ 0,18 são para subsídios, R$ 0,26 são para os impostos, sobrando para a Petrobrás o preço liquido de R$ 0,18, ou seja, US$ 0,14 (0,18/1,28). Por outro lado, nos EUA, os consumidores pagam o equivalente a US$ 0,26 por litro, dos quais, US$ 0,02/litro são para as distribuidoras e revendedores, US$ 0,06/litro para os impostos, restando US$ 0,18/litro para o refinador, um preço 28% mais caro que o da Petrobrás. Portanto, se acrecentassemos ao preço liquido da Petrobrás, de US$ 0,14 por litro, o valor cobrado nos EUA para impostos, de R$ 0,06/litro, e o valor que remunera as distribuidoras e revendedores, de R$ 0,02/litro (nos EUA a carga de subsidio na gasolina e zero), os consumidores brasileiros pagariam US$ 0,22/litro (0,14+0,06+0,02), ou R$ 0,28/litro. Porém, no Brasil, isso nao é possivel porque os neoliberais, encastelados no poder, obrigam os consumidores de gasolina a subsidiar os usineiros em R$ 1,5 bilhões/ano, os empresarios petroquímicos privados em R$ 600milhões/ano, os donos das refinarias privadas - Manguinhos/Rj e Ipiranga/RGS - em R$ 120 milhões/ano etc., resultando o preço médio de R$ 0,88/litro. Agora, você já sabe: quando abastecer seu carro em um posto e o preço do litro de gasolina for acima do preço praticado nos EUA, a culpa não é da Petrobrás. O governo neoliberal quer que você culpe a Petrobrás e, portanto, passe a aprovar uma futura proposta de privatização da empresa com a promessa de que o preço do litro de gasolina diminuirá. Temos alguns exemplos reais de que isso não passa de chavão neoliberal. O aço privado é duas vezes mais caro que o aço estatal. A privatização da LIGHT resultou em aumento de preço e em apagões. Então, você só cairá numa mesma armadilha por mais de uma vez se for tolo. Finalizando, os consumidores brasileiros de gasolina pagam preço maior que os norte-americanos porque governo brasileiro prefere remunerar o fator produtivo (a Petrobrás) por um valor (US$ 0,14/litro) 12% menor que o designado pelo governo dos EUA (US$ 0,18/litro) para remunerar o fator produtivo norte-americano, o refinador; e também porque o governo brasileiro prefere remunerar as distribuidoras e os revendedores com um valor (R$ 0,26/litro) 10,2 vezes maior que o valor designado pelo governo norte-americano (US$ 0,02 por litro) para remunerar as distribuidoras e os revendedores, embora os salários, nos EUA, sejam bem m

Conteúdo Relacionado

Não há conteúdo relacionado.

Tags

Não há tags relacionadas