AEPET Direto

AEPET DIRETO(14/08/12)

Data: 13/08/2012 

AEPET DIRETO(14/08/12)

DESTAQUE

OS MINÉRIOS E O INTERESSE NACIONAL

As empresas mineradoras, quase todas estrangeiras ou com forte participação de capital externo, ameaçam ir à Justiça contra o governo brasileiro. Alegam “direitos minerários”. Razão alegada: o governo não têm emitido novas licenças para pesquisas de lavras, nem outorgas de concessão do direito de minerar. A matéria sobre o assunto, publicada sexta-feira pelo jornal Valor, não esclarece de que “direitos minerários” se trata. Pelo que sabemos, e conforme a legislação a respeito, o subsolo continua pertencendo à União, como guardiã dos bens comuns nacionais. A União pode, ou não, conceder, a empresas brasileiras, o direito de pesquisa no território brasileiro e o de explorar esses recursos naturais, dentro da lei. Nada obriga o Estado a atender aos pedidos dos interessados. A Constituição de 1988, e sob proposta da Comissão Arinos, apresentada pelo inexcedível patriota que foi Barbosa Lima Sobrinho, havia determinado que tais concessões só se fizessem a empresas realmente nacionais: aquelas que, com o controle acionário de brasileiros, fossem constituídas no Brasil, nele tivessem sua sede e seus centros de decisão.(Mauro Santayana)

NOTÍCIAS

NAVIOS SONDA

A Petrobrás assinou contratos com as empresas Sete Brasil, Odebrecht e Etesco para o afretamento e a operação de nove navios-sonda de perfuração. Os navios serão construídos no Brasil, com percentuais de conteúdo local variando de 55 a 65%. Após a construção, as sondas serão afretadas à Petrobrás por um período de 15 anos. Com essa operação, a Companhia conclui o processo de contratação de 21 sondas negociadas com a Sete Brasil. Os contratos foram aprovados pela Diretoria Executiva da Petrobrás, na última quinta-feira. Dos seis navios-sonda a serem construídos no Estaleiro Enseada Paraguaçu, em Maragogipe (BA), quatro serão operados pela Odebrecht e dois pela Etesco. Esse estaleiro está em fase inicial de construção. Os outros três navios-sonda de perfuração serão construídos no Estaleiro Rio Grande 2, no município de Rio Grande (RS), todos operados pela Etesco. O estaleiro Rio Grande 2 está em ampliação para atender ao crescimento da demanda da construção naval no Brasil. A Petrobrás fez uma análise prévia nos estaleiros para avaliar a capacidade potencial de atendimento aos compromissos contratuais de construção dessas sondas, incluindo conteúdo local mínimo e os prazos exigidos. Foram verificados a capacitação técnica; construção do estaleiro e terreno, evidências de compromissos com fornecedores dos insumos e principais pacotes de equipamentos, licenciamento ambiental, gestão contratual e aspectos jurídicos e financeiros. Essas nove unidades serão entregues a partir de 2016 e serão destinadas principalmente à perfuração de poços no pré-sal da Bacia de Santos, incluídas as áreas da Cessão Onerosa. Essas sondas poderão operar em profundidades de água de até 3 mil metros, com capacidade de perfurar poços de até 10 mil metros de comprimento.(Agência Petrobrás de Notícias/Redação)

BR DISTRIBUIDORA

Em evento discreto, apenas para funcionários, o presidente da BR Distribuidora, José Lima de Andrade Neto, anunciou na última quarta-feira o novo plano de negócios da companhia: R$ 5,632 bilhões até 2016. A cifra supera em 8,3% a aprovada no último plano (2011 a 2015) e direciona ainda mais os holofotes para o segmento de logística. A BR já caminhava para a ampliação dos desembolsos nessa área. Mas, nos bastidores, comenta-se que a holding Petrobrás, sob o comando de Maria das Graças Foster, reforçou a cobrança por mais investimentos das distribuidoras em malha logística no País. A subsidiária BR entrou nesse pacote e aprovou um orçamento mais polpudo até 2016, de R$ 2,5 bilhões. No plano anterior, o desembolso era de R$ 2,2 bilhões. A decisão de focar mais em logística tem como pano de fundo o crescimento da demanda por derivados de combustíveis. No primeiro semestre, mesmo com a desaceleração da economia, o consumo aumentou 5%, bem acima da alta de apenas 0,2% do Produto Interno Bruto, ou "Pibinho", como ficou conhecido. Fora da área de logística, a BR destacou no plano a ampliação e modernização da fábrica de lubrificantes, a instalação da fábrica de Graxas no Rio de Janeiro e as adequações necessárias a operação do diesel de baixo teor de enxofre. O presidente da BR Distribuidora, José Lima de Andrade, disse que a empresa vai entregar óleo combustível e diesel para a Eletrobrás até 1.º de setembro mediante a apresentação de garantias pela estatal. A partir dessa data, as entregas serão feitas apenas com pagamento antecipado.(Agência Estado/Redação)

PETRÓLEO E POLÍITICA

GÁS NATURAL

 A criação de um mercado livre para o gás natural, nos moldes do que já existe para a eletricidade, é um passo necessário para o país, mas que ainda depende de uma garantia mais clara, por parte da Petrobrás, da exploração das novas reservas do pré-sal, e também do estabelecimento de regras comuns para a venda do produto nos diversos Estados. Essa foi a principal conclusão do debate sobre o assunto na 13º Encontro Internacional de Energia, promovido pela Fiesp. "O gás existe, mas estamos demorando demais para criar as condições necessárias para o seu aproveitamento, enquanto outros países estão fazendo o dever de casa e fortalecendo as suas indústrias", afirmou o superintendente da Votorantim Energia, Otávio Rezende, um dos palestrantes. Rezende citou os Estados Unidos como exemplo de como o bom uso de novas reservas de gás pode reerguer um parque industrial que se encontrava combalido. "No caso americano, a solução veio com a exploração do gás de xisto, viabilizada a partir de 2006. Desde então, o país criou uma grande rede de produção e distribuição de gás, deixou de ser importador e movimentou US$ 77 bilhões em 2010, criando 600 mil empregos. O metro cúbico de gás já é vendido no mercado livre deles por US$ 2, chegando a ser até sete vezes mais barato do que o nosso", enfatizou. Outra questão que o Brasil precisa resolver nos próximos anos, de acordo com ele, é se direcionamos investimentos para a extração de gás de xisto, já que nossas reservas desse mineral também são consideráveis. "Temos vários caminhos abertos, mas precisamos decidir o que queremos ser quando crescermos", completou.(Valor Econômico/Redação)

PORTAL DA ULAN

A União Latino-americana de Agências de Notícias (ULAN) irá criar um portal noticioso que "sirva de referência informativa" para a América Latina e o mundo. O acordo consta em uma carta final, assinada pelo Comitê Executivo da ULAN, que será apresentada na próxima assembleia na Argentina em novembro, para sua ratificação. A ULAN ratificou sua adesão aos princípios de Democratização da Informação e a Universalização do Direito à Informação. Segundo a ministra boliviana de comunicação, Amanda Dávela, "esse portal permitirá que todos os meios de comunicação tenham informação de todos os países latino-americanos de maneira gratuita, livre e sem restrições, para que se possa publicas em qualquer meio, estatais ou privados", disse. A reunião do Comitê Executivo da ULAN foi realizada nos dias 19 e 20 de julho. Foram debatidos temas como a democratização da comunicação na região, o papel das Agências de Notícia da América Latina e dos meios do continente; os novos desafios do jornalismo na região; dentre outros. Participaram representantes de agências da Argentina, Brasil, Venezuela, Paraguai, México, Equador, Cuba, Guatemala e Bolívia.(NÚCLEO PIRATININGA DE COMUNICAÇÃO)

COTAÇÃO DO PETRÓLEO

O petróleo Tipo Brent negociado em Londres ficou cotado em US$ 111,80 por barril nesta 2ª feira(13/08). Em Nova Iorque, o barril WTI estava cotado em US$ 93,50 nesta mesma jornada.(Infomoney)

DESTAQUES DO AEPET DIRETO

SINEDINO FALA SOBRE PREJUÍZOS DA PETROBRÁS.(LEIA MAIS)

ENTREVISTA DE SIQUEIRA CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA PEMEX.(LEIA MAIS)

AS CARTAS NÃO RESPONDIDAS POR GABRIELLI.(LEIA MAIS)

NOTÍCIA ALVISSAREIRA PARA OS PETROLEIROS.(LEIA MAIS)

A ESPIONAGEM NA ERA FHC.(LEIA MAIS)

Conteúdo Relacionado

Não há conteúdo relacionado.

Tags

Não há tags relacionadas