Notícias

A Rússia está perdendo a paciência com a OPEP?

Data: 08/06/2017 
Fonte: Oilprice.com Autor: Viktor Katona - Tradução: Alex Prado

Cumprindo a promessa a todos os outros signatários do acordo de Viena, a Rússia cortou sua produção de petróleo em 300 mil barris por dia. A relativa facilidade com que o governo russo e as companhias de petróleo russas implementaram as disposições do acordo demonstram a sua ânsia de uma subida do preço do petróleo. Não eram apenas as empresas estatais como a Rosneft e a Gazprom Neft que participaram do corte da produção, mas também de grandes empresas privadas como LUKOIL e Surgutneftegaz. Mas com o passar do tempo, as empresas russas questionam gradualmente a validade dos cortes de produção que certamente prejudicam o crescimento potencial de mercado.


A Rússia conseguiu trazer a produção em linha com seu compromisso no início de maio, quando ultrapassou a barreira de 300 000 bpd. Esta conquista está em contraste com os acordos anteriores da OPEP-Rússia, que viram as empresas de petróleo russas ignorar as disposições do acordo por vários meios (ou seja, quando as capacidades de transporte de pipeline foram limitadas, as empresas usaram as ferrovias não regulamentadas) e, ainda mais surpreendentemente, (até agora)as empresas não mostraram  descontentamento com a extensão de 9 meses do atual acordo. Uma parte dessa conquista se deve ao maior controle sobre o setor petrolífero em relação aos períodos anteriores, já que a Rosneft passou a ser a principal empresa nacional de petróleo, não só na região pós-soviética, mas também globalmente. O Gazprom Neft também aumentou significativamente a produção - desde 2014, alcançando um crescimento de produção de pouco menos de 15%. Ambas as empresas, juntamente com a LUKOIL, de propriedade privada, estão na vanguarda das medidas de corte da produção.


Antes de analisar os cortes implementados pelas empresas de petróleo russas estatais, é prudente examinar o orçamento federal. Se o preço do petróleo oscilar US$ 1 por barril, as receitas do governo aumentariam ou diminuíam em 1,2-1,5 bilhões de dólares. Levando em consideração que a Rússia assinou o acordo de Viena quando sua produção de petróleo estava no mais alto patamar de todos os tempos em 11,2 mbpd e que agora diminuiu para algo entre 10,8 mbpd - 10,9 mbpd), mesmo assim não  tão mordazes quanto terão sido para a Arábia Saudita. A Sibéria Ocidental suportou o peso dos cortes em 2017, o que faz sentido com seus muitos campos maduros que correm à beira da lucratividade e, em janeiro de 2017, por conta de um tempo anômalo frio que obrigou a uma cessação maciça da produção.


Todas as principais empresas russas que participam com o cumprimento da quota cortaram a produção na Sibéria Ocidental desde outubro de 2016. Existem duas causas fundamentais - elas fecharam campos marginais com rentabilidade inferior à média, mas também levaram em conta as muitas isenções fiscais em outras regiões . Por mais impar que possa parecer, durante os últimos sete meses, o Caspian offshore e a Sibéria Oriental viram aumentos nos volumes de produção. A produção do Cáspio foi impulsionada pelo comissionamento do  Campo de V. Filanovskogo, enquanto novas partes dos grupos da Siberia Oriental, como o campo de Suzunskoye , também demonstraram um crescimento robusto. Em todo o país, apenas um pouco mais de mil poços (de cerca de 175 mil) ficaram ociosos entre outubro de 2016 e maio de 2017, o que indica que o corte geral não era tão grave.


Não está claro se o governo russo tem uma visão coerente do que espera do mecanismo de conformidade das cotas, mesmo que seus objetivos sejam bastante evidentes - para estreitar a maior quantidade possível de negócios. O Ministério da Energia russo, embora satisfeito com o prolongamento do acordo de Viena, prevê que a produção de petróleo da Rússia em 2017 seja em torno do mesmo nível que o ano passado (548 mtpa ou 10,96 bpd), contudo suas previsões para 2018-2020 indicam um aumento de 553-556 Mtpa (11.06-11.12 bpd). Isso sugere uma visão fraca sobre as perspectivas a médio prazo do acordo da OPEP em Viena. Impulsionado pelas perspectivas do crescimento econômico (o FMI prevê +1,1% em 2017 e +1,2% em 2018) após 3 anos de recessão e impulsionado por um novo mandato popular após as eleições presidenciais de março de 2018 (o ano pré eleitoral é tradicionalmente sem intercorrências do ponto de vista legislativo), Moscou pode se tornar mais agressivo no futuro. Além disso, o governo ainda não reagiu às empresas que dependem cada vez mais de campos que se enquadram em várias preferências tributárias, como uma pausa de 7 anos no pagamento do imposto de extração mineral ou a redução a zero dos direitos de exportação para os campos da Sibéria Oriental.


As empresas também podem se tornar menos dóceis, a produção russa agregada mergulhou entre janeiro e abril, uma vez que as duras condições climáticas bloquearam  volumes. Apesar dos benefícios financeiros óbvios para as principais empresas russas (preços estáveis do petróleo), suas restrições de produção podem tornar-se uma queixa crescente, uma vez que, além da "recuperação" natural da produção, muitos esperavam que novos projetos aumentassem os volumes de petróleo no segunda metade de 2017. Assim, apenas para citar alguns projetos emblemáticos, o campo Prirazlomnoye operado pela Gazprom Neft aumentará a produção de 2,1mtpa para 2,6 milhões de toneladas (apesar de um período de manutenção de 3 meses), o Suzunskoye da Rosneft provavelmente ficará aquém 4mtpa, East Messoyakhskoye, de propriedade da Gazprom Neft e Rosneft, viram a produção começar no final de setembro de 2016 e crescerá para 3 milhões de toneladas em 2017, enquanto o campo Filanovskogo da LUKOIL aumentará para 4,4 mtpa.  Com o prolongamento do acordo de Viena, esses projetos e muitos outros trarão uma pressão cada vez maior sobre o governo russo para encerrar o cumprimento da cota assumida com a OPEP.


Conteúdo Relacionado