Artigos

OPEP amplia cortes, os preços do petróleo caem: o que significa?

Data: 29/05/2017 
Fonte: Forbes Autor: Art Berman - Tradução: Alex Prado

A OPEP estendeu a redução na produção de petróleo na semana passada e os preços do petróleo caíram.


O objetivo da OPEP era manter um piso a preços correntes, mas o mercado esperava que o cartel elevasse os preços por meio da redução do estoque. A OPEP ficou satisfeita com maiores receitas  em relação há um ano atrás, mas o mercado queria cortes mais profundos na produção. OPEP teve uma visão de longo prazo, mas o mercado está preocupado com o curto prazo. A OPEP estendeu os cortes e o mercado reagiu com preços mais baixos.


Os analistas criaram a crença, infundada,  mas amplamente aceita, de que a OPEP tem uma estratégia que envolve uma guerra de preços com produtores de petróleo de xisto nos EUA e um jogo para maior participação de mercado. A inércia do cartel antes dos cortes de produção de novembro refletiu uma relutância em repetir o erro de cortar 14 milhões de barris por dia entre 1980 e 1985, com pouco efeito sobre o excesso de oferta e danos financeiros para os membros da OPEP.


Os membros da OPEP têm necessidades e interesses diferentes. Eles não estão unificados por trás de qualquer declaração de missão ou princípios gerais, exceto para maximizar as receitas e minimizar as perdas. A Agência Internacional de Energia (AIE) calculou que cortes recentes da produção rederam ao cartel uns $ 75 milhões adicionais por o dia no primeiro quarto de 2017. Era também um presente aos concorrentes,  pois a ideia de fazer cortes mais profundos não teve nenhum benefício de custo.


A queda da semana passada foi a terceira vez em 2017 que os preços se ajustaram para baixo em direção ao nível de US $ 45 por barril sugerido pelos fundamentos do mercado (Figura 1).

3rd-deflation-of-the-opec-expectation-premium-in-2017

No início, a OPEP não fez nada depois que os preços do petróleo caíram em 2014. Quando os preços caíram para 26 dólares por barril no início de 2016, a OPEP lançou a ideia de um congelamento da produção e estabeleceu um piso a partir do qual os preços aumentaram para mais de 50 dólares durante o primeiro metade do ano (Figura 2).

No início, a OPEP não fez nada depois que os preços do petróleo caíram em 2014. Quando os preços caíram para 26 dólares por barril no início de 2016, a OPEP lançou a ideia de um congelamento da produção e estabeleceu um piso a partir do qual os preços aumentaram para mais de 50 dólares durante o primeiro metade do ano (Figura 2).

oil-markets-continue-testing-55-ceiling-45-floor

Em junho de 2016, os mercados perderam a confiança na determinação da OPEP e os preços caíram de US $ 51 para US $ 40 por barril. A OPEP então estabeleceu um outro piso de preço, anunciando um acordo provisório sobre um corte de produção. Quando os preços caíram abaixo de US $ 43 em novembro, um outro piso de preço foi criado quando a OPEP decretou cortes na produção.


O piso do preço mundial subiu quase 75% de US $ 26 para US $ 45 por barril em pouco mais de um ano. Isso parece um sucesso para mim. Os cortes na produção foram estendidos na semana passada para reforçar o atual piso de US $ 45 sem ajudar a concorrência - não para atender às expectativas do mercado de preços mais altos.


Os comerciantes de petróleo entendem isso melhor do que os analistas e começaram a se desfazer de suas posições futuras, em fevereiro. As posições longas sobre futuros WTI caíram 25% desde então, mas a maior parte da venda foi a partir abril de 2017 (Figura 3).

net-long-futures-postions-have-fallen-17-since-mid-april-2017

Razões para preços mais baixos

Muitos analistas afirmam que os preços do Brent estarão perto de US $ 65 no final do ano. Embora os dados de produção da AIE sugiram um bom cumprimento do acordo da OPEP com, os mercados globais continuam bem abastecidos. As remessas da OPEP aos seus maiores clientes - os EUA e a China - estão mais de 10% acima do ano passado. Os cortes na produção não se refletem em mercados bem abastecidos nem os estoques globais.


 

As preocupações de mercado são válidas quanto ao poder da produção de petróleo de cisto dos EUA de afetar os cortes na produção da OPEP. Apesar da escassez de tripulação e dos limites de pressão para equipamentos de bombeamento, as taxas de conclusão de poços de 2017 aparecem fortes nas  de bacias de Bakken, Eagle Ford e Permian (Figura 4).

increased-tight-oil-well-completion-in-2017

O inventário comparativo da OCDE para abril foi de aproximadamente 300 milhões de barris acima da média de cinco anos. O preço versus a curva de rendimento comparativa do estoque sugere que o Brent está até US $ 7 sobrevalorizado a US $ 52 por barril (Figura 5). Se os níveis de retirada recentes se mantiverem, pode levar um ano para reduzir os estoques para níveis que suportam preços Brent de US $ 65. Por outro lado, as previsões de Agência Americana de Energia (AAE) sugerem reduções de estoques relativamente menores até ao final do ano e aumento de estoques em 2018.

brent-is-7-over-valued-at-52-31

Os excedentes da produção mundial têm caído no último ano, mas a AAE espera que estes aumentem a partir de maio (Figura 6). Excedentes podem persistir até meados de 2018 antes de diminuir novamente. Sua previsão é que os preços do Brent permaneçam abaixo de US $ 60 por barril até o final de 2018.

eia-forecasts-production-surplus-increase-2h-2017-1h-2018

A modelagem recente da Macquarie Research apoia essa visão e prevê preços abaixo de US$ 60 do Brent até o segundo trimestre de 2019 (Figura 7).

macquarie-forecasts-brent-prices-below-60-through-2q-2019

Embora os cortes da OPEP pareçam  ser reais, Macquarie vê o crescimento da produção nos EUA, Rússia e Brasil como vetores da baixa no preço. A manutenção de cortes da OPEP para além do final de 2017 será difícil e conversas recentes sobre a venda de metade das reservas estratégicas norte-americanas potencialmente colocam 300 milhões de barris de petróleo adicionais em um mercado já supera bastecido.


Energia é  Economia
A energia é o fundamento da vida e o petróleo é a principal fonte de energia para a civilização moderna. O dinheiro é uma necessidade para energia e hoje, isso significa uma necessidade principalmente no óleo. O petróleo e seu preço, portanto, refletem o estado da economia e, talvez, o estado de nossa civilização.

Poucos economistas entendem isso. Eles veem a economia como fluxos de trabalho e de capital, mas raramente consideram o custo ou a disponibilidade de energia. Não admira que eles não consigam descobrir por que a economia mundial tem estado estagnada na última década.

Investimento de energia e acessibilidade de energia são cruciais porque todo o sistema falha sem os dois trabalhando mais ou menos juntos. Quando os preços do petróleo ficaram muito altos em 2008, o sistema caiu. Algumas pessoas vão objetar porque a narrativa aceita sobre o colapso é que foi por causa das bolhas imobiliária e bancária Mas o custo da energia foi a constante subjacente aqueles  fatores seculares relacionados.

Quando os preços do petróleo ficaram muito altos novamente de 2011 a 2014, não houve colapso financeiro, mas houve um colapso do preço do petróleo. Mas não foi tão cataclísmico como 2008 para aqueles fora da indústria de petróleo, porque fez a energia mais acessível. Esse é um passo na direção certa para o crescimento ou, pelo menos, para não perder mais terreno no crescimento.

Muitos pensam que os preços do petróleo de hoje são muito baixos. Na verdade, o preço médio do petróleo desde 1950 é de US $ 46 por barril, em dólares de abril de 2017. Hoje, o preço do petróleo de US $ 50 é 40% maior do que era durante os tempos de crescimento durante os anos Reagan até de Clinton nos Estados Unidos.


A produção mundial de líquidos aumentará 4 milhões de barris por dia até o final de 2018 de acordo com a previsão da AAE (Figura 8).
world-production-will-increase-4-mmb-d-by-end-of-2018

Alguns podem duvidar da precisão da previsão, mas faz sentido. A maior parte da produção norte-americana manterá a oferta global crescendo porque os mercados de capitais e as políticas dos bancos centrais tornam isso possível. Isso significará preços de petróleo relativamente baixos, um requisito para a economia global . Entretanto, subinvestimento de hoje em projetos fora do do xisto resultará em oferta apertada em algum momento na próxima década. O aumento de preços correspondente pode ter graves consequências econômicas.




Conteúdo Relacionado