Rio de Janeiro,
Notícias

Wikileaks revela ferramentas de “hacking” da CIA

Data: 07/03/2017 
Fonte: Wikileaks Autor: Tradução: Alex Prado

Nesta terça-feira (7 de março), WikiLeaks começa sua nova série de vazamentos da Agência de Inteligência Central dos EUA. Codificado "Vault 7" por WikiLeaks, é a maior publicação de documentos confidenciais da agência.


A primeira parte completa da série, "Year Zero", é composta por 8.761 documentos e arquivos de uma rede isolada de alta segurança, situada dentro do Centro de Inteligência Cibernética da CIA em Langley, Virgina. Ela é a continuação da divulgação introdutória no mês passado de documentos da CIA visando os partidos políticos e candidatos franceses na preparação para a eleição presidencial de 2012.


Recentemente, a CIA perdeu o controle da maioria de seu arsenal de hackers, incluindo malware, vírus, trojans, ataques armados de "dia zero", sistemas de controle remoto de malware e documentação associada. Esta coleção extraordinária, que equivale a mais de várias centenas de milhões de linhas de código, dá ao seu possuidor toda a capacidade de hacking da CIA. O arquivo parece ter circulado entre antigos hackers e contratados do governo dos Estados Unidos de maneira não autorizada, um dos quais forneceu ao WikiLeaks partes do arquivo.


"Year Zero" apresenta o escopo e a direção do programa global de hacking da CIA, seu arsenal de malwares e dezenas de ataques armados de "dia zero" contra uma ampla gama de produtos de empresas americanas e européias, incluindo o iPhone da Apple, até mesmo TVs Samsung, que são transformados em microfones encobertos.


Desde 2001, a CIA ganhou proeminência política e orçamentária sobre a Agência Nacional de Segurança dos EUA (NSA). A CIA viu-se construindo não apenas a sua agora infame frota de aviões não tripulados, mas um tipo muito diferente de força secreta e abrangente - a sua própria frota substancial de hackers. A divisão de hacking da agência libertou-a de ter que divulgar suas operações, muitas vezes controversas, para a NSA (seu principal rival burocrático).


Até o final de 2016, a divisão de hackers da CIA, formalmente abrigada pelo Centro de Inteligência Cibernética (CCI) da agência, contava com mais de 5.000 usuários cadastrados e produzia mais de mil sistemas de hackers, trojans, vírus e outros malwares "armados" . Tal é a escala do compromisso da CIA que, em 2016, seus hackers haviam utilizado mais códigos do que o total usado para rodar o Facebook. A CIA criara, de fato, sua "NSA própria" com menos responsabilidade e sem responder publicamente à questão de saber se uma despesa orçamentária maciça para duplicar as capacidades de uma agência rival poderia ser justificada.


Em uma declaração à WikiLeaks, a fonte detalha as questões políticas que urgentemente precisam ser debatidas em público, inclusive se as capacidades de hacking da CIA excedem seus poderes legais e o problema da supervisão pública da agência. A fonte deseja iniciar um debate público sobre a segurança, criação, uso, proliferação e controle democrático das armas cibernéticas.


Uma vez que uma única "arma" cibernética é "solta", ela pode se espalhar pelo mundo em segundos, para ser usada por estados rivais, máfia cibernética e hackers adolescentes.


Julian Assange, editor do WikiLeaks, afirmou que "existe um extremo risco de proliferação no desenvolvimento de" armas "cibernéticas. Pode-se fazer comparações entre a proliferação descontrolada de tais" armas ", resultante da incapacidade de as conter e de seu alto valor de mercado e o comércio global de armas. Mas o significado do "ano zero" vai muito além da escolha entre cyberwar (guerra cibernética) e cyberpeace (paz cibernética). A revelação também é excepcional do ponto de vista político, legal e forense.


O Wikileaks revisou cuidadosamente a divulgação do "Ano Zero" e publica documentação substancial da CIA, evitando a distribuição de armas cibernéticas prontas para o uso até que nasça um consenso sobre a natureza técnica e política do programa da CIA e como tais armas devem ser analisadas, desarmadas e publicadas.


Wikileaks também decidiu editar e tornar anônimas algumas informações de identificação em "Year Zero" para análise mais profunda. Estas edições incluem dez de milhares de alvos da CIA e máquinas de ataque em toda a América Latina, Europa e Estados Unidos. Embora estejamos cientes dos resultados imperfeitos de qualquer abordagem escolhida, continuamos comprometidos com nosso modelo de publicação e observamos que a quantidade de páginas publicadas no "Vault 7" parte um ("Ano Zero") já eclipsa o número total de páginas publicadas durante os três anos dos vazamentos de Edward Snowden.


Clique aqui para ter acesso á página oficial do “Vault 7”


Conteúdo Relacionado

Av. Nilo Peçanha, 50 - Grupo 2409
Centro - Rio de Janeiro-RJ CEP: 20020-100
Telefone: 21 2277-3750 - Fax 21 2533-2134
Compartilhe
AEPET - Associação dos Engenheiros da Petrobrás Desenvolvido por Arte Digital Internet