Rio de Janeiro,
Notícias

Coutinho critica quebra do conteúdo local

Data: 23/02/2017 
Fonte: Petronotícias Autor: Daniel Fraiha

O presidente da Aepet, Felipe Coutinho, vê a criação de um novo “ciclo colonial” no Brasil. Na entrevista que publicamos a seguir, dada ao site Petronotícias, Coutinho reitera que, como nos outros ciclos coloniais,  apenas uma pequena elite é beneficiada, por algum tempo. "A maioria fica alijada dos ganhos no período próspero, mas herda o caos econômico, social e ambiental quando o ciclo se esgota. Os lucros são privatizados e os prejuízos socializados."

Leia a entrevista:

A decisão do governo de quebrar o conteúdo local atingiu em cheio a indústria, os trabalhadores e as lideranças do setor de óleo e gás, inclusive os engenheiros da Petrobrás, que veem o País tomando medidas que vão esvaziar a cadeia nacional de fornecedores, enviando empregos e divisas para outros países. O presidente da Associação de Engenheiros da Petrobrás (Aepet), Felipe Coutinho, é um dos críticos à decisão e fala ao Petronotícias sobre as consequências que essa posição pode gerar, como a criação de um novo “ciclo colonial” no Brasil. “Nenhum país se desenvolveu exportando petróleo por multinacionais. O Brasil não será o primeiro”, alerta.

Como a Aepet recebe a decisão do governo em relação ao conteúdo local?

É mais uma decisão lamentável. A alteração da Lei da Partilha com o afastamento da Petrobrás do direito da operação foi o primeiro golpe. Depois, a renovação do Repetro, prorrogando os subsídio e favorecendo a importação de bens e serviços. Agora a redução brutal do conteúdo local mínimo. Somadas às declarações de intenção na aceleração nos Leilões.

Todas essas medidas favorecem as multinacionais e a exportação do petróleo cru, sem agregação de valor.

São medidas que concentram a renda petroleira e favorecem as multinacionais do petróleo e os bancos. Em contradição com alternativas que incentivem o desenvolvimento nacional e a distribuição da renda petroleira na economia brasileira, em benefício da maioria da população.

Nenhum país se desenvolveu exportando petróleo por multinacionais. O Brasil não será o primeiro.

– Qual será o impacto disso na indústria brasileira?

Mais desindustrialização.

Estamos entrando em mais um ciclo do tipo colonial. Como nos outros, ele beneficia uma pequena elite, por algum tempo. A maioria fica alijada dos ganhos no período próspero, mas herda o caos econômico, social e ambiental quando o ciclo se esgota. Os lucros são privatizados e os prejuízos socializados.

– Como pretendem reagir a isso?

A Aepet tem um papel essencialmente formulador. Travamos a disputa das ideias em favor da maioria dos brasileiros. Neste tema, como em outros, apresentamos críticas fundamentadas e alternativas. Também nos articulamos com outros setores organizados para disputar o senso comum.

Nossa defesa da Petrobrás e do petróleo brasileiro visa atender aos legítimos anseios da maioria, dos brasileiros que vivem do trabalho, estudam ou dependem da seguridade social.

Conteúdo Relacionado

Não há conteúdo relacionado.

Tags

Av. Nilo Peçanha, 50 - Grupo 2409
Centro - Rio de Janeiro-RJ CEP: 20020-100
Telefone: 21 2277-3750 - Fax 21 2533-2134
Compartilhe
AEPET - Associação dos Engenheiros da Petrobrás Desenvolvido por Arte Digital Internet