Notícias

TCU proíbe Petrobrás de vender ativos por irregularidades nos processos

Data: 08/12/2016 
Fonte: O Estado de S. Paulo Autor: Fábio Fabrini

O Tribunal de Contas da União (TCU) proibiu a Petrobrás de vender ativos e empresas por tempo indeterminado. A decisão, em caráter liminar, foi tomada nesta quarta-feira, 7, em razão de irregularidades detectadas nos processos adotados pela estatal para fazer os chamados "desinvestimentos". A corte, no entanto, atendeu pedido da companhia e permitiu que sejam concluídos cinco alienações que estão em fase avançada e cuja receita prevista é de R$ 10 bilhões.

 

A venda de ativos é uma das principais estratégias da Petrobrás para enfrentar a aguda crise financeira na qual está mergulhada, marcada pelo alto endividamento e a redução do fluxo de caixa. A expectativa de obtenção de recursos no biênio 2015-2016, divulgada ao mercado no Plano de Negócios e Gestão, é de US$ 15,1 bilhões (R$ 51,1 bilhões).

 

Na sessão desta quarta-feira, os ministros do TCU seguiram o entendimento do relator do caso, José Múcio Monteiro. Conforme a decisão, a Petrobrás terá de se abster de "assinar contratos de venda de ativos e empresas, bem como de iniciar novos processos de alienação", até que o tribunal delibere a respeito do mérito do processo, que visa a corrigir as falhas detectadas. As exceções são os projetos de desinvestimento batizados de Paraty 1, Paraty 3, Ópera, Portfólio 1 e Sabará, que poderão ser finalizados.

 

Entre outras irregularidades, o TCU apontou a falta de transparência e a possibilidade de direcionamento dos negócios, conforme antecipou o Estado no último dia 27. A corte lista a escolha do assessor financeiro dos processos sem consulta ao mercado, a liberdade da estatal para a definição de potenciais compradores, a chance de restrição do número de interessados nas aquisições de forma "arbitrária" e a permissão para que o objeto alienado seja alterado "a qualquer momento", mesmo em etapas avançadas de negociação.

 

Além disso, o TCU verificou que parcela considerável de atos relacionados à venda não é enviada à deliberação de órgãos diretivos da companhia, o que "pode implicar consequências indesejadas ao processo de desinvestimento, macular as diretrizes fundamentais do procedimento licitatório, além de potencializar os riscos de ocorrência de atos ilícitos, como o direcionamento e o ajuste de preços das vendas, de modo similar às práticas desvendadas pela Operação Lava Jato."

 

Em seu voto, José Múcio ponderou ser "irrefutável" que a situação financeira da empresa requer ações imediatas e efetivas. Mas destacou que "a relevância e a complexidade" do tema tornam exíguo o tempo para examinar adequadamente todas as questões levantadas pela auditoria. "São três os motivos que levam a me posicionar desta forma: a constatação de que, no presente caso, a omissão significa permitir à Petrobrás a continuidade dos procedimentos; os autos terem chegado a meu gabinete já na segunda quinzena de novembro; e o fato de restar apenas esta sessão Ordinária do plenário (do TCU) neste ano", escreveu.

 

Para o relator, "o vulto dos valores envolvidos e a importância da Petrobrás para o País justificam a ação imediata, firme e minuciosa da corte".

 

A Petrobrás, em nota, informou que o TCU autorizou "o prosseguimento de todos os processos que estão em fase final de negociação". "A companhia já está revisando sua sistemática de desinvestimentos e se compromete com os aperfeiçoamentos recomendados pelo TCU e demais órgãos de controle. A companhia reafirma a meta de seu programa de parcerias e desinvestimentos de US$ 15,1 bilhões para o biênio 2015/16 e de US$ 19,5 bilhões para 2017/18", comentou.

 

Nota da AEPET:

A AEPET apoia a decisão do TCU de proibir as privatizações em curso no Sistema Petrobras. Reiteramos que existem alternativas para administrar a dívida da companhia, e inclusive reduzi-la substancialmente, sem vender ativos estratégicos e rentáveis que são essenciais para a geração de caixa futura e redução dos riscos corporativos à variação dos preços relativos.


    Entre outras alternativas, a associação apresentou o documento abaixo onde demonstra que é possível reduzir a dívida sem vender ativos.


https://felipecoutinho21.files.wordpress.com/2016/10/existe-alternativa-para-reduzir-a-divida-da-petrobrc3a1s-sem-vender-seus-ativos_rev0.pdf

 

Direção da Associação dos Engenheiros da Petrobrás (AEPET)

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Leilão Greve dos Petroleiros Ciência e Tecnologia AEPET ALERJ Leilão de Libra Direitos Humanos Educação EUA Greve Manifestações Transporte Terceirização Violência Venezuela Economia Engenharia Gás Energia Amazônia Privatização Pré-sal Refinaria Faixa Livre Comperj Dívida Pública Cuba Governo Irã Salário Selic Emprego Trabalho Síria Argentina Brasil Unaí Ucrânia Protesto Carnaval PT Dia da Mulher ações Fernando Siqueira Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco CPI dos ônibus Denúnicas Petrobras Pasadena CPI da Petrorás Caso Vale sindipetro O Brasil hoje Dia Mundial da Saúde TKCSA Imposto de Renda Petrobras manifesto Situação da economia Paulo Passarinho Pedro Celestino Pereira Paralização dos Servidores Federais Eleições Sindipetro Greve dos professores Greve dos servidores públicos petroleo energia nuclear Sandra Quintela Paulo Ramos Dia internacional contra injustiças dos megaeventos Aumento de passagem Eleição 2014 Haití Previdência Social Politica agrícola petróleo produção recorde PM Ecovilas Lançamento do Dossiê e Manifesto Pesquisa eleitoral Psol Assembléia dos professores das redes estadual e municipal pre-sal leilões investimentos Mandela Imprensa corrupção etanol Iraque economia brasileira O GLOBO Militares Falecimento conselho de administração Cultura TCU Negociação custo de produção pré-sal conteúdo nacional Petrobrás produção Faixa de Gaza Sebrae China Desenvolvimento Sustentável Cenpes Criminalização USP auditoria cidadã da dívida Soberania Nacional Reforma Tributária Eike Batista Chile AIE Agência Internacional de Energia plebiscito balanço da Petrobrás Polícia Militar Eleição José Augusto Ribeiro preço dos combustíveis Ricardo Maranhão delação premiada Fenaspe Clube de Engenharia Eleições Terrorismo Ficha limpa Shell UFRJ Dia Nacional de Luta Sindipetro-RJ Petrobrás operadora única regime de partilha transferência de tecnologia abastecimento de água preço do petróleo descoberta Cid Benjamin Luis Pereira José Carlos de Assis Paulo Metri Corrupção na Petrobrás Dilma Rousseff Presidente Paulo Brandão Coluna do Aposentado Emídio Rebelo Filho Emídio empreiteiras Momento político Felipe Coutinho Diretoria de Governança Defesa da Petrobrás laboratório Carta de Salvador Jorge M. T. Camargo Adriano Benayon cartéis Henrique Sotoma Felipe Campos C. Coutinho Abreu e Lima Rogério Studart Reforma política Faturamento FUP Monopólio Abutres Movimento Trabalhista Emanuel Cancella Obama Movimento em Defesa da Petrobrás Desenvolvimentistas Rogério Lessa Benemond Helio Silveira Geni Grécia Eleição para o conselho da Petrobrás liquidação de ativos Petros Assembleia de acionistas Contratos de risco Engenheiros da Petrobrás Prêmio Mauro Santayana Aldemir Bendine Reunião do conselho Impeachment Vicente P. Silva acidente plataforma navio-plataforma Cidade de São Mateus, Paulo Lima Moody's Gilberto Bercovici Mercado de trabalho Aniversário do Rio de Janeiro lava jato Momento econômico Planos de saúde ADRs soberania Julgamento de ativistas Paulo César Ribeiro Lima Petrobra Maioridade penal Banco da China Documento da AEPET para a Petrobrás Conselho Deliberativo AEPET Roberto Requião Dia do Índio Trabalhadores Reajuste fiscal CPI HSBC Fator previdenciário Eleições na Espanha Fernando Brito Aposentadoria Senado Greve dos bancários André Araújo Política brasileira Leilão de petróleo Leilão de Libra Espionagem Petrobras Privatização da Petrobras Lei Divida dos estados Despejo na Ilha do Governador Desinvestimento da Petrobras Correios Crise econômica Ato em defesa da Petrobras FNP Museo Índio Prisões Energia elétrica Manifestação CORECON Olimpíadas Servidores Evento Mestrado Demissão GM General Contreras Agenda SUS Escola Assembléia Paulo Kliass Câmara Crise PLC 41/2015 Eduardo Cunha Crise humanitária na Europa Orçamento do Governo 2016 Senador Capitalizar Denuncia violação de direitos em audiência de licenciamento na Baia de Sepetiba/ Ilha França Uber x Táxi Seminário AEPET Docentes Projeto de lei Corte em gastos sociais Fazendeiro Mato Grosso do Sul Conflito Venda de ativos 14 anos do atentado das torres gêmeas Atentado Câmara dos Deputados Livro de Assange Corte Petroleiros Cunha e o dinheiro na Suíça TCU e governo - reforma ministerial - PSOL e a saída de parlamentares. Portugal Países Japão Cunha BR Distribuidora Chico Alencar Pedro Paulo Martins Sindifisco Bernardo Kocher Emanuel Cancella hidroelétricas PACS João Tancredo desarmanento Retratação Aumento Light Caos em Mariana Rio de Janeiro Politica Mariana (MG) ´CSN Ato público Jose Serra Divergência entre Supremo e juízes- Comissão de DH da Câmara Paraguai Greve na rede Estadual do RJ Dia Muindial da água Dia mundial da água Bélgica Pelmex Chernobil Taxa de juros Cloviomar Cararine Pereira Michel Temer Jorge Rubem Folena de Oliveira Pedro Parente Novo Governo Carlos Newton Calamidade no Rio de Janeiro Pedro Pinho Reino Unido Dívida do Estado Eduardo Paes Auditores fiscais Desastre na linha 2 do metrô- paralisação do RJ Luís Nassif Partido novo Eugênio Aragão Ciro Gomes Morte de D. Paulo Evaristo Arms Privatização da Cedae Bombeiros Policiais Lista de Fachin construção