Notícias

Desindustrialização prematura mantém Brasil subdesenvolvido

Data: 11/11/2016 
Autor: Rogério Lessa

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad, na sigla em inglês) publicou documento no qual reafirma a importância crucial da industrialização na promoção do desenvolvimento e do crescimento econômico sustentado e ressalta que “nenhum país tem sido capaz de alcançar a transformação estrutural bem sucedida sem a sinalização e o empurrão visionários de políticas governamentais específicas e seletivas”. 

 

No mundo atual de economia globalizada, a indústria de transformação mantém, de acordo com a Unctad, imenso apelo em razão do seu potencial para gerar crescimento da renda e da produtividade, os quais se espalham por toda a economia através das conexões de produção, de investimento, de conhecimento tecnológico, da geração de renda e do ciclo virtuoso do consumo. 

 

Outro atributo da indústria de transformação é o seu potencial para exploração de economias de escala dinâmicas, o que ocorre quando a acumulação de capital se dá juntamente com o uso de tecnologias crescentemente sofisticadas, com aquisição e acumulação de conhecimento por meio do aprendizado e com o desenvolvimento de habilidades tácitas e de know-how. 

 

Nos países desenvolvidos ocorreu uma desindustrialização, expressa na forte redução da participação da indústria de transformação no produto interno bruto (PIB) e no emprego, a qual iniciou-se nos anos 1960-1970. Foi uma consequência normal, ainda que não espontânea nem suave, do processo de desenvolvimento, e ocorreu quando essas economias já haviam alcançado um nível elevado de renda e produtividade, disseminado capacidade tecnológica e consolidado o mercado doméstico. 

 

Nos países em desenvolvimento há casos de sucesso e crescente industrialização (Coreia, China); há casos também de industrialização “restringida” (Índia e México); e ainda exemplos de “desindustrialização prematura” em particular dos países da América Latina, como o Brasil. Aqui a desindustrialização é um fenômeno prematuro e traz sérias consequências negativas já que esse processo tem início antes que as economias tenham alcançado um nível de renda elevado. 

 

Nesse contexto, vale destacar o papel de uma empresa como a Petrobrás, indutora do desenvolvimento, que neste momento caminha na contramão de sua missão, já que a atual gestão está empenhada em vender ativos estratégicos e, no Congresso, acaba de ser aprovada a lei idealizada por José Serra, que tira da Petrobrás o papel de operadora única do pré-sal.

Conteúdo Relacionado

Tags