Notícias

Eike Batista: "ninguém sabe que o pré-sal é tão rico"

Data: 29/09/2016 
Fonte: Carta Capital Autor: André Barrocal

A Petrobras anunciou há dois meses a venda de sua parte em uma área de produção de pré-sal para uma estatal da Noruega. Passada a eleição de domingo 2, o Congresso deve liquidar a votação de uma lei que permite às petroleiras estrangeiras explorar o pré-sal sem a brasileira ao lado. Duas decisões ruins e questionáveis, a julgar por informações do ex-bilionário Eike Batista.

O custo de extração de petróleo no pré-sal, diz Batista, está em 7 dólares por barril. Trata-se de um patamar bastante baixo, próximo aos 5 dólares de certos campos da Arábia Saudita, os mais lucrativos do globo. A despesa média das grandes companhias mundiais é de 15 dólares, segundo a Petrobras.

Batista soube do valor de produzir no pré-sal por meio do ex-CEO da British Gás (BG) no Brasil Nelson Silva, seu amigo e hoje dirigente da Petrobras. A BG atua em águas ultra-profundas em sociedade com a brasileira. Possui 25% do campo de Lula, na Bacia de Santos, pioneiro do pré-sal.

Com um custo de extração tão barato, o pré-sal é uma mina de ouro, segundo Batista. “É um show, um espetáculo, dali vai vir um futuro espetacular pra todos nós”, acredita o ex-bilionário. “Vai ter uma Petrobras que vai se reerguer aí devido à riqueza do pré-sal, e ninguém sabe que é tão rico.”

As informações e afirmações do empresário fazem parte de um depoimento dado a investigadores da Operação Lava Jato em 20 de maio. Graças a este depoimento, o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega acabou preso quando estava com a esposa doente em um hospital na quinta-feira 22 – foi solto cinco horas depois pelo juiz Sergio Moro, que antes ordenara a detenção.

Como se vê na transcrição e no vídeo do depoimento, Batista fala espontaneamente sobre o tema a dois integrantes da força tarefa, os procuradores de Justiça Roberto Pozzobon e Julio Carlos Motta Noronha.

Ao final do depoimento de 55 minutos, ele resolve contar um “dado bacana que vocês não sabem”, o cash cost do pré-sal. Tenta mostrar que, diante de um custo de extração reduzido, o pré-sal consegue gerar dinheiro mesmo com as baixas cotações do petróleo nos últimos anos. Hoje em dia, o barril oscila na casa dos 40 dólares, entre as menores cotações da década .

O entusiasmo do empresário com o assunto alimenta dúvidas sobre a recente venda de um campo de pré-sal pela Petrobras e sobre a intenção do governo Michel Temer de mudar a lei para que a estatal possa ser excluída de futuras operações no setor.

No fim de julho, a petroleira brasileira anunciou a venda de sua fatia de 66% do campo de Carcará, na Bacia de Santos, à Statoil, uma estatal da Noruega. Valor da transação: 2,5 bilhões de dólares, a ser liquidados até o fim deste ano ou o início de 2017.

Ao selar o acordo, Petrobras também ficou livre da obrigacão de investir cerca de 8 bilhões de dólares para viabilizar o início da produção do campo, previsto para 2020. Um ganho teórico, portanto, de 10,5 bilhões do dólares. Um valor para lá de duvidoso.

Carcará, diz a Statoil, possui de 700 milhões a 1,3 bilhão de barris, sendo 66% agora pertencentes à norueguesa. Em 2020 e 2021, o barril valerá 71 dólares, conforme previsões do mais novo plano de negócios da Petrobras. O custo de extração do pré-sal, segundo Eike Batista, é de 7 dólares o barril.

Considerando tudo isso, a Statoil apossou-se de uma reserva que valerá, descontado o custo de produção, de 29 bilhões a 54 bilhões de dólares em 2020, início esperado da produção. E pagará por esta reserva 2,5 bilhões de dólares, além dos investimentos de 8 bilhões.

Outra simulação: no dia em que a venda foi anunciada, 29 de julho, o preço do barril era de 42,46 dólares. Com base nesta cotação e no cash cost no pré-sal, a fatia da Statoil em Carcará valerá entre 16 bilhões e 30 bilhões de dólares em 2020.

“Estamos adquirindo isso em termos muito competitivos”, disse na época o vice-presidente-executivo da Statoil, Tim Dodson, em entrevista à agência de notícias Bloomberg.

Seus colegas de multinacionais devem estar salivando após recente viagem do presidente Michel Temer aos Estados Unidos. Aos empresários e investidores em Nova York, ele disse que em “brevíssimo tempo” haverá mudança na lei para permitir multinacionais no pré-sal sem a Petrobras.

Uma alteração apoiada pelo presidente da companhia, Pedro Parente. Ele e Temer reuniram-se nesta terça-feira 27 no Palácio do Planalto, para discutir o novo plano de negócios da Petrobras, fechado no último dia 20.

Após a reunião, Parente defendeu os estrangeiros no pré-sal. “É importante que o País possa ter outras empresas que se interessem em fazer esses investimentos. É importante para o País que a Petrobras não seja obrigada a participar de todos os campos.”

A Statoil que o diga.

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Leilão Ciência e Tecnologia AEPET Aposentadorias Aposentados Leilão de Libra Campanha Salarial Educação EUA Greve Venezuela Economia Privatização Pré-sal Fundos de Pensão Faixa Livre Universidade Brasil Ucrânia PT Fernando Siqueira Silvio Sinedino Vila Autódromo Marco Civil da Internet STF Luis Nassif Petrobras Guilherme Estrella Paulo Passarinho Opep petroleo Colômbia Previdência Social leilões etanol economia brasileira Cultura conteúdo nacional fundo social Ildo Sauer exportações desenvolvimento Modecon Desenvolvimento Sustentável pesquisa USP petróleo e desenvolvimento indústria do petróleo Eike Batista Eleição Ricardo Maranhão produtividade delação premiada Clube de Engenharia Eleições Terrorismo PNAD lobistas UFRJ ABI regime de partilha Raul Tadeu Bergmann José Carlos de Assis Paulo Brandão conselheiros fundos de pensão Momento político Felipe Coutinho Adriano Benayon PSDB Caso Celso Daniel Grécia Roberto Amaral Impeachment Momento econômico Planos de saúde Maioridade penal Manifesto em defesa da Petrobras Prêmio OTC Fernando Brito Urnas eleitorais Desoneração fiscal Operadora única Greve dos bancários Situação dos médicos nos planos de saúde André Araújo Política brasileira Leilão de petróleo Greve de professores Turquia Lei Greve da Eletrobras Petrobrás Ativos da Petrobras FNP Energia elétrica Manifestação Olimpíadas Petrobrás UERJ Cunha BR Distribuidora Bernardo Kocher Emanuel Cancella Edson Monteiro Samarco produção Drogas OSs Divergência entre Supremo e juízes- Comissão de DH da Câmara Paraguai Pelmex 14 Razões Chernobil Taxa de juros Maluf Fundo Soberano Plano econômico Calamidade no Rio de Janeiro Pedro Pinho filme Rita Freire Partido novo Segundo turno Marcelo Freixo Vitória de Trump Estado do Rio da falência à prisão de seus moradores