Rio de Janeiro,
Artigos

Xadrez da volta da comunidade de informações

Data: 13/09/2016 
Fonte: GGN Autor: Luís Nassif

Não é surpresa que as duas notícias mais relevantes sobre as manifestações anti-Temer tenham sido de veículos fora do mainstream.

 

No dia 8 de setembro, o blog Ponte divulgou a presença de um agente infiltrado nas redes de namoro Tinder e Facebook, com participação ativa na prisão dos 26 manifestantes (http://ponte.org/?p=17404) mantidos em isolamento.

 

Sob o codinome de Balta, o agente infiltrou-se também em um grupo de WhatsApp. Nas mensagens do grupo, a Ponte não encontrou nada que sugerisse atos de violência. Coube a Balta sugerir o encontro no Centro Cultural São Paulo. Lá, deu-se a batida da PM e a prisão. Enquanto os detidos eram levados para uma viatura, Beta era isolado do grupo.

 

Entrevistado, o coronel Dimitrios Fyskatoris, comandante do Comando de Policiamento da Capital (CPC), afirmou que a detenção do grupo ocorreu por acaso.

No dia 9, El País identificou o agente infiltrado (https://is.gd/e7ZZoW). Tratava-se do capitão do Exército Willian Pina Botelho, da comunidade de inteligência.

 

Peça 1 – as duas pinças do aparelho repressor

 

 

Nesses tempos de informação online, confirma-se o que o Xadrez já vinha prevendo pelo menos desde 7 de maio.

No "Xadrez do governo Temer e o fator militar" (https://is.gd/4nhJKW) mostramos as duas pinças que estavam sendo montadas para devolver protagonismo aos militares: a recriação do GSI, entregue ao general Sérgio Etchegoyen, e a entrega do Ministério da Justiça a Alexandre Moraes.

 

"Do lado de Temer, uma das maneiras de desviar o foco das críticas seria a criação do inimigo interno. Nos últimos anos, uma certa imprensa de ultradireita recriou versões tupininquins da Guerra Fria, com pirações de toda ordem – como a invasão das FARCs, a aliança com as forças bolivarianas. A tentativa de recriação da legitimidade política das Forças Armadas passa por aí".


(…) A maneira dos militares voltarem para a política seria através da recriação de uma estrutura militar de controle no governo federal, mas diferente do extinto GSI (Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República) e mais próximo do SNI (Serviço Nacional de Informações) e da segurança presidencial".


Os movimentos do jogo estão aí:

 

Movimento 1 - a recriação da GSI, colocando embaixo dela a Abin (Agência Brasileira de Inteligência e o Sisbin (Sistema Brasileiro de Inteligência)  com as comunidades de inteligência, com vistas a envolver as Forças Armadas na repressão interna. A aprovação da Lei Nacional de Inteligência (https://is.gd/n5mj1P) consolidou o novo modelo.

Movimento 2 - o carnaval em torno dos supostos terroristas islâmicos, a fim de recriar o mito do inimigo externo e justificar a entrada das Forças Armadas no jogo.

Movimento 3 - a coordenação da repressão às manifestações pelas Polícias Militares. Há sinais de participação direta do Ministro Alexandre de Moraes nesse jogo (https://is.gd/pIispG ehttps://is.gd/C4gsGj). Desde maio, aliás, Moraes já tentava recriar o clima pós-64 equiparando os protestos pró-Dilma a atos de guerrilha (https://is.gd/9lgLvC).

 

 

Peça 2 – a generalização do conceito de inimigo

 

 

A repressão de domingo traz um dado assustador.

 

Os “inimigos” identificados eram jovens, adolescentes em sua maioria, a maioria deles “socorristas” – preparadas para socorrer manifestantes vítimas de gás lacrimogênio. Todos foram levados para a delegacia e mantidos incomunicáveis por várias horas e ameaçados de enquadramento como “organização criminosa”. Para sua sorte, o caso caiu com um juiz legalista e corajoso que mandou soltá-los.

 

A pesada e injustificada repressão aos manifestantes mereceu cobertura das reportagens online – devido à óbvia dificuldade em enquadrar os repórteres na hora. No dia seguinte, meras reportagens burocráticas dos jornalões. Deu-se mais espaço a UM fotógrafo da UOL que teria sido agredido por UM manifestante. E retomou-se o caso do cinegrafista morto por um rojão de um black bloc em manifestação do Rio de anos atrás. Escondeu-se a informação de que, no domingo, coube a seguranças da CUT – e não à PM – conter os black blocs nas manifestações.


Pior: a primeira prova de envolvimento das Forças Armadas na repressão – o caso do capitão – foi ignorado pelos jornais. Chegou-se ao cúmulo de tirar lições políticas positivas do “look” da primeira dama, e ignorar-se a participação de um capitão da ativa na repressão.

 

Peça 3 – a radicalização da repressão

 

 

O vácuo político abriu espaço para as corporações de Estado.

 

Os setores técnicos das Forças Armadas e os combatentes na ponta não são chegados à política. O envolvimento das Forças Armadas está sendo comandado pelo General Sérgio Etchegoyen e por setores da burocracia brasiliense. As comunidades de inteligência voltam ao primeiro plano. Em vez de se dedicarem à guerra cibernética, à segurança das pesquisas brasileiras ou do pré-sal, sua missão será recriar a figura do inimigo.

 

No início, foi o carnaval em torno dos tais terroristas do Estado islâmico. Depois, dos movimentos populares. Agora, chegaram aos filhos da classe média paulistana. Entre a rapaziada que se organizou para as manifestações poderiam estar filhos de procuradores “coxinhas”, de juízes, de jornalistas, armados de gaze, vinagre e outros elementos para socorrer pessoas sufocadas por gás ou pimenta.

 

Atravessaram muito rapidamente as fronteiras sociais. Imagine-se o que não sucederá na base da pirâmide. Na divisão de trabalhos, caberá à dobradinha GSI-PM a repressão a qualquer forma de protesto de rua. E aos procuradores da Lava Jato  a repressão continuada aos quadros políticos.

 

Peça 4 – as forças anti-repressão



Aí se entra em um quadro complicado: institucionalmente, não há forças capazes de se contrapor a essa escalada do arbítrio.

 

 Mídia – não se espere defesa de movimentos populares ou de pobres da periferia: não são seu público. Os manifestantes de domingo, sim. A indignação com a violência da PM transbordou dos canais político-partidários. Era a oportunidade de expressarem a indignação, até como maneira de legitimar suas campanhas pró-golpe. O fato de não se manifestarem, ou se manifestarem timidamente, sobre os abusos da PM paulista, e de esconderem a participação do capitão do Exército na criminalização de um grupo de jovens, é significativo: jogaram a toalha. De um lado, devido à pesada crise financeira por que passam. De outro, pelo uso continuado do cachimbo da direita, que os deixou de boca torta. Estão sendo tratados com cenoura e chicote. Na semana passada, a Folha recebeu em almoço a nova diretoria da Caixa Econômica Federal. Ontem, comandantes do Exército.

 

Judiciário – dependerá cada vez mais da ação individual de juízes. À esta altura, nada se pode esperar do STF (Supremo Tribunal Federal) ou dos tribunais superiores. Os bravos Ministros do Supremo abriram mão de analisar a ilegalidade do golpe, foram cedendo a cada passo, imaginando ser o último, pretendendo afastar de si o cálice da resistência à atual onda de arbítrio, julgando que, alcançados os objetivos de derrubar o governo, a repressão cessaria com em um passe de mágica. A cada dia será mais caro o preço do silêncio. É pungente assistir o Ministro Luís Roberto Barroso derramando diariamente declarações repletas de boas intenções por todos os lados e todos os temas... menos os essenciais. Quando Dilma caiu, suspirou fundo e pensou: poderei voltar à minha doutrinação civilizatória, o discurso do politicamente correto para os salões, sem ser incomodado. Prezado Ministro, lamento decepcioná-lo, mas voces chocaram o ovo da serpente  

 

Ministério Público Federal – No MPF há um conjunto de bravos procuradores, alguns dos quais correram às delegacias no domingo, em defesa dos meninos presos, ao contrário dos procuradores estaduais. A própria PFDC (Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão) manifestou-se bravamente em defesa do direito de manifestação. Mas no topo do MPF, o Procurador Geral da República (PGR) Rodrigo Janot já escolheu lado. E, no presidencialismo do MPF, é o PGR quem dá as cartas. Nada se espere dele, a não ser o recrudescimento das ações contra políticos adversários, cumprindo o dignificante trabalho de fuzilar prisioneiros no campo de batalha e blindar os aliados.

 

A receita está dada: Etchegoyen montando a espionagem; Moraes articulando a repressão às manifestações; Janot coordenando a repressão política. E o sentimento democrático brotando em sucessivas manifestações, tanto de manifestantes nas ruas, como de personalidades em abaixo-assinados.

Conteúdo Relacionado

Av. Nilo Peçanha, 50 - Grupo 2409
Centro - Rio de Janeiro-RJ CEP: 20020-100
Telefone: 21 2277-3750 - Fax 21 2533-2134
Compartilhe
AEPET - Associação dos Engenheiros da Petrobrás Desenvolvido por Arte Digital Internet