Notícias

Felipe Coutinho: “Nenhum país se desenvolveu exportando petróleo por multinacionais.”

Data: 19/07/2016 
Fonte: Parágrafo Revista
Autor: Natasha Tassinari

 

Leia a íntegra da entrevista do presidente da AEPET, Felipe Coutinho, à Parágrafo Revista:

 

1) Fale sobre a rodutividade da Petrobrás hoje?

   Felipe Coutinho: A produção da Petrobras no pré-sal alcançou 1,24 milhões de barris de óleo equivalente por dia (boed) em junho, quase a metade da produção nacional da companhia de 2,70 boed.


    A aceleração da produção é recorde se comparada ao desenvolvimento dos campos marítimos do golfo do México, do Mar do Norte ou da Bacia de Campos. A demanda interna está assegurada considerando os campos em operação e em desenvolvimento já licitados.


    Enquanto a produção e as reservas das maiores multinacionais privadas de petróleo são decadentes há muitos anos, a Petrobras descobriu a maior reserva das últimas três décadas. O pré-sal já é uma realidade, não há razões para alterar a Lei de Partilha, acelerar leilões, abrir mão do conteúdo local e entregar o petróleo para exportação pelas multinacionais. Nenhum país se desenvolveu exportando petróleo por multinacionais.



2) Quais os benefícios do pré sal?

    FC:O pré-sal, se bem utilizado, pode promover o desenvolvimento econômico e social brasileiros. É necessário garantir a propriedade do petróleo pelo Estado brasileiro, mas não é suficiente. Precisamos agregar valor ao petróleo, transforma-lo em derivados, petroquímicos, fertilizantes, fármacos e produtos da química fina. Também é preciso utilizar a renda petroleira para erguer a infraestrutura das energias renováveis e dos biocombustíveis.


    Para isso é necessário planejamento, um projeto nacional de médio e longo prazos, para além dos ciclos eleitorais de 4 anos.



3) A Petrobrás passa hoje  por um momento delicado, o senhor acha que isso  possa interferir no seu valor de mercado?

    FC: O preço das ações oscila em função de inúmeros aspectos, alguns internos e outros externos à companhia, e não reflete o valor estratégico da Petrobras.


    A companhia representa quase 15% do PIB e é a responsável pela garantia da nossa segurança energética e alimentar. É fundamental nos transportes, inclusive dos alimentos, nos fertilizantes, na petroquímica, além de ser a maior produtora de biodiesel do Brasil.


    Em 2015, a geração de riqueza foi extraordinária. Lucro bruto de R$ 98,6 bilhões (23% maior que 2014) e EBITDA (Receita antes das despesas com juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 73,9 bilhões (25% maior que 2014). O prejuízo contábil de R$ 34,8 bilhões é resultado da reavaliação dos ativos, diante da nova conjuntura dos preços do petróleo e da cotação cambial, com a desvalorização do real, e das despesas com juros. 



4) Sua opinião  sobre o  plano de desinvestimentos da empresa?

    FC: O plano é prejudicial porque desintegra a companhia e a expõe aos riscos desnecessários da variação dos preços relativos. A integração desde a exploração do petróleo à produção de derivados, petroquímicos, fertilizantes, energia elétrica, biocombustíveis, transporte e comercialização permite que a companhia tenha resultados positivos diante da variação natural dos preços relativos do petróleo e de seus produtos.


    Outro aspecto negativo é a entrega do mercado interno que é grande e tem potencial de crescimento. Trata-se de entregar o fluxo de caixa futuro em troca de ativos desvalorizados na atual conjuntura de preços baixos. Existem alternativas para lidar com a dívida e alongar prazos, sem dilapidar o patrimônio e comprometer o futuro.


 


Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Leilão Ciência e Tecnologia AEPET Aposentadorias Aposentados Leilão de Libra Campanha Salarial Educação EUA Greve Violência Venezuela Economia Privatização Pré-sal Fundos de Pensão Faixa Livre Universidade Brasil Ucrânia PT Fernando Siqueira Silvio Sinedino Vila Autódromo STF Luis Nassif Petrobras Guilherme Estrella Depoimento da Presidente da Petrobrás Paulo Passarinho Opep petroleo Colômbia Previdência Social leilões economia brasileira Cultura conteúdo nacional fundo social Ildo Sauer Eleições na AEPET exportações desenvolvimento Modecon Desenvolvimento Sustentável pesquisa USP petróleo e desenvolvimento indústria do petróleo Eike Batista biocombustíveis Ricardo Maranhão produtividade delação premiada Clube de Engenharia Eleições Terrorismo PNAD lobistas UFRJ ABI regime de partilha Raul Tadeu Bergmann José Carlos de Assis Corrupção na Petrobrás Paulo Brandão conselheiros fundos de pensão empreiteiras Momento político Felipe Coutinho Adriano Benayon cartéis Felipe Campos C. Coutinho PSDB Caso Celso Daniel Grécia Roberto Amaral Aliança pelo Brasil Impeachment Momento econômico Maioridade penal Manifesto em defesa da Petrobras Prêmio OTC Fernando Brito Urnas eleitorais Desoneração fiscal Operadora única Greve dos bancários Situação dos médicos nos planos de saúde André Araújo Greve de professores Turquia Lei Desinvestimento da Petrobras Greve da Eletrobras Petrobrás Ativos da Petrobras FNP Olimpíadas Agenda SUS Escola Carta Capital Petrobrás UERJ Cunha BR Distribuidora Nildo Ouriques Eliomar Coelho CCR Barcas Governo do Rio Bernardo Kocher Emanuel Cancella Edson Monteiro Samarco produção leniência Drogas José Serra OSs 14 Razões Chernobil Taxa de juros Michel Temer Maluf Pedro Parente Fundo Soberano Plano econômico Calamidade no Rio de Janeiro Pedro Pinho filme Rita Freire Petronotícias Partido novo Segundo turno Marcelo Freixo Vitória de Trump Estado do Rio da falência à prisão de seus moradores