Artigos

Corupção e reforma política

Data: 16/04/2015 
Fonte: Gazeta do Povo em 29 de março de 2015
Autor: Léo de Almeida Neves

O povo brasileiro clama por um basta à corrupção, que seja considerada crime hediondo, que o dinheiro roubado seja confiscado aqui e no exterior, que corruptos e corruptores permaneçam presos, que a justiça seja acelerada nos julgamentos. A Operação Lava Jato da Petrobras é um inesgotável mar de lama.

 

Como já escrevi anteriormente, defendo providências preventivas radicais, mediante mudança Constitucional, acabando com o sigilo fiscal e bancário de todos os políticos e detentores de cargos nos três poderes: legislativo, executivo e judiciário, extensivo aos parentes até 3º grau. Idem aos servidores públicos dos três poderes. A maioria absoluta dos servidores é honrada e nada tem a temer. Os políticos honestos não se opõem.

 

O Ministério Público, a Polícia Federal e a Comissão Geral de Investigações (CGU) terão acesso irrestrito a essas contas, sem necessidade de ordem judicial, exigível atualmente. Casas de câmbio tem que ser rigorosamente fiscalizadas, com a prisão e condenação dos proprietários que processarem remessas ilegais de dinheiro para paraísos fiscais e bancos da Suíça e de outros países.

 

Simultaneamente, a Nação precisa de Reforma Política Absoluta, começando pela proibição de contribuições a Partidos e candidatos pelas pessoas jurídicas, como, aliás, o Supremo Tribunal Federal está aprovando por seis votos a zero representação da Ordem dos Advogados do Brasil com esse objetivo. A votação foi interrompida por pedido de vistas do Ministro Gilmar Mendes, nomeado pelo Presidente Fernando Henrique Cardoso, que está retendo o processo há doze meses.

 

Ninguém mais aceita que candidatos a Presidente da República e a Governador tenham suas candidaturas financiadas por bancos, empreiteiras e fornecedores ao governo, que prefeitos façam campanhas eleitorais com dinheiro de empresas de ônibus e de firmas construtoras, que candidatos a deputado estadual e federal e ao Senado se enlameiem com esses mesmos tipos de doação.

 

Ao mesmo tempo, urge implantar regras para baratear as eleições. Atualmente, a maioria dos eleitos é de candidatos endinheirados pelos apoios recebidos. Pessoas idealistas e com espírito público raramente se elegem, e é notória a queda de qualidade dos legislativos federal e estaduais.

 

É bom lembrar que, na eleição de 1966, a primeira realizada após a implementação do regime militar em 1964, ficou proibida a intervenção de marqueteiros nos programas de rádio e televisão da Justiça Eleitoral. Imagens externas também eram vedadas. Proibiu-se o tele-prompter pelo qual o candidato lê na frente o que escreveram para ele. Nem apresentador profissional de programa era permitido. Os partidos indicavam às TVs e rádios quem falaria e ponto final. Em pleitos futuros, o regime militar piorou tudo pela Lei Falcão, em que os candidatos sequer falavam, sendo exibida apenas sua fotografia.

 

Peço licença para relembrar que nessa eleição de 1966, fui o deputado federal mais votado do MDB e o segundo no Estado entre todos os candidatos.

 

Agora, convém ser aprovado o voto misto Distrital, com metade dos eleitos pelo Distrito, e a outra por lista partidária, com a Justiça Eleitoral presidindo as Convenções, para evitar fraudes e a ditadura dos dirigentes partidários.

 

Coligações de partidos para o legislativo devem ser negadas e impõem-se a Cláusula de Barreira, exigindo percentual mínimo de votos pelo menos em 11 Estados para acabar com a proliferação de partidos (30 no momento).

 

Ainda estamos em tempo de salvar a democracia no Brasil. “Deus é brasileiro”  e apontará os melhores caminhos.

 

 

Léo de Almeida Neves

Membro da Academia Paranaense de Letras,

ex-diretor do Banco do Brasil, ex-deputado federal

Publicado na Gazeta do Povo em 29 de março de 2015.

Conteúdo Relacionado

Tags

AEPET Aposentados Campanha Salarial Greve História Manifestações Mensalão Transporte Violência Venezuela Cuba Selic Brasil Ucrânia Ditadura Carnaval PT Horto Fernando Siqueira CPI dos ônibus Chico Mendes Situação da Petrobrás Remoção das pessoas do prédio da OI Setor elétrico Problema com o clima Petrobras Previdência Social PIB Brics corrupção Cancella economia brasileira sistema financeiro lucro dos bancos tirania Chile Montadoras Eleição FMI privatizações escândalos Professores Dilma José Carlos de Assis Dilma Rousseff Emídio Rebelo Filho empreiteiras Momento político STJ Reforma política Grécia Declaração de Joaquim Levi Janot Maioridade penal Léo de Almeida Neves FIES Professores Universitários Ínternet Trabalhadores Situação precária da UERJ Escolha do ministro Fachin Corte de 70 a 80 bilhões no orçamento Eleições na Espanha Cortes no orçamento Manifestação no dia 29 Greve universitária Escândalo do futebol Grécia e Reino Unido na união europeia Movimento dos trabalhadores no dia 29 Documento da Aepet sobre pré-sal Recessão Ação no Supremo contra financiamento de campanha Zelotes Espionagem Greve dos bancários Leilão do Pré-sal Maracanã Terceirizados Aumento da gasolina Manifestação professores da rede municipal Aumento da Taxa de Juros REDUC Correios Ativos da Petrobras Lava-Jato Ministério do trabalho Troca de partido do PSOL para a REDE Olimpiadas Coreia do Norte Religião Dave Floresta Roberto Moraes Eleições na França Venda de ativos da Petrobras BNDES Dia do Trabalho