Artigos

Petróleo e ataque ao Estado brasileiro

Data: 11/02/2015 
Fonte: Correio da Cidadania
Autor: Paulo Metri

Gosto de separar os macroeventos, de importância magna e efeitos duradouros, dos eventos menores, de importância e efeito restritos. Os roubos ocorridos na Petrobras e recém-descobertos deixam os atuais adultos perplexos. No futuro, quando as crianças que nascem hoje forem adultas, estes roubos não terão existido. Entretanto, o Pré-Sal estará jorrando petróleo por cerca de 50 anos, ou seja, durante duas gerações. Através de plano minuciosamente arquitetado e em fase de execução, busca-se subtrair dos brasileiros os usufrutos do Pré-Sal.

 

Sobre o roubo ocorrido na Petrobras, ladrões domésticos, sedentos por riqueza e poder, são personagens da novela macabra, que a população brasileira assiste no noticiário diário, escandalizada e atônita. A novidade é que eles, com o advento da delação premiada, têm a capacidade de incluir versões que podem comprometer, de forma mentirosa, qualquer cidadão. Como era de se esperar, a grande mídia, onde a maioria da população se informa, faz uma cobertura tendenciosa. Curiosamente, esta mídia reivindica o direito de continuar influenciando a sociedade em uma única direção, o que ela chama de “liberdade de expressão”.

 

No silêncio sepulcral que acoberta o maior roubo do momento, que a população nem desconfia da existência, faço esta denúncia. Em primeiro lugar, o império e o capital internacional se amaldiçoam pelo fato de a natureza ter formado o Pré-Sal no hemisfério sul e em um país não totalmente submisso. Tendo ocorrido, inesperadamente, o imbróglio na Petrobras, os dois entes citados aproveitam o momento de extrema emoção da sociedade e começam, com auxílio da sua mídia, a criar conceitos e legislações que irão comprometer nosso bem mais valioso, o Pré-Sal.

 

Assim, é ouvido que, se a Petrobras fosse privatizada, o roubo acabaria. Explico que, com a privatização, o roubo só iria ficar maior e institucionalizado. Também, um político representante do capital internacional prega, despudoradamente, a não obrigatoriedade de a Petrobras ter 30% de todos os consórcios do Pré-Sal e ser a única operadora desta área. Ele também quer o término da política de conteúdo local.

O ponto principal que pretendo transmitir é que existe toda sorte de ataques contra o Estado brasileiro e a mídia só quer difundir, a seu modo, os eventos da Petrobras, satisfazendo aos interesses externos e conquistando votos para a eleição de presidente de 2018. Enquanto isso, o Estado brasileiro vai sendo usurpado. A atuação atabalhoada dos nossos poderes, meio perdidos, também não está ajudando.

 

O Executivo resolve colocar a engenharia brasileira como inidônea, e não só os dirigentes corruptos das principais empresas de engenharia. Estes corruptos que paguem pelos seus malfeitos perante a Justiça, mas não as empresas e toda a cadeia de fornecedores que elas alimentam. Neste instante, a mídia entreguista sugere a contratação de empresas de engenharia estrangeiras, sem a mínima informação para a população sobre o que isto representa. Não se fala que matar as empresas brasileiras de engenharia significa só ter especificações das compras, que levam ao mercado externo.

 

Significa também destruir o conhecimento acumulado nestas empresas, graças ao esforço de anos, que lhes permite, inclusive, competir no exterior. Será que pensam que pode existir alto índice de desenvolvimento de um país sem existirem empresas nacionais de engenharia e de desenvolvimento tecnológico?

 

A Justiça, graças ao excessivo rigor da sua atuação, sem avaliar todos os impactos das suas decisões, pode estar causando desemprego. Certamente, as investigações devem ser aprofundadas e os comprovados corruptos devem pagar exemplarmente por seus crimes. Mas, nos Estados Unidos, em 2008, quando começou a quebradeira de instituições financeiras, graças à crise do subprime, o governo deste país salvou empresas causadoras da crise, pois não quis contaminar toda a economia.

 

O Legislativo criou uma nova CPI da Petrobras, contrariando o usual procedimento para criação de uma CPI. O comum é a imprensa divulgar fatos comprometedores, uma CPI ser criada e, depois, a Polícia Federal e o Ministério Público serem acionados. No presente caso, estes últimos já atuaram e continuam atuando. Não deverá aparecer nada de novo. O objetivo verdadeiro da CPI é servir para reverberar fatos antigos e não os deixar cair no esquecimento. Esta CPI se enquadra como ação da luta pelo poder em 2018 e os que a criaram estão pouco se importando se este fato irá diminuir a força da Nação no quadro internacional.

 

A tese de Henry Kissinger de indução secreta para a criação de inimigos internos nos países do Cone Sul da América Latina, como forma de enfraquecimento das eventuais coalizões nacionais destes povos, teve sucesso durante os 21 anos da ditadura brasileira, quando se combatia uma força comunista impotente, quase inexistente. Desta forma, pode-se imaginar que, hoje, grupos políticos atuantes no Brasil podem estar recebendo apoio da CIA ou da NSA, por exemplo, para se contraporem à formação de uma unidade nacional de objetivos socialmente atraentes.

 

É custoso invadir o Brasil militarmente para ter as bases de apoio em terra para a exploração e produção do Pré-Sal. Portanto, é mais barato, e melhor para divulgação na mídia internacional, que um partido existente no Brasil ganhe as eleições, tome o poder e, depois, a lei dos contratos de partilha seja derrubada e rodadas de leilões de entrega do petróleo nacional sejam realizadas. Assim, uma ação de inteligência muito atraente pode ser ter congressistas e mandatários brasileiros como devedores de contribuições de campanhas.

 

No London Review of Books, foi publicado o artigo “It’s the Oil” de Jim Holt de 2007, no qual ele afirma que: “O Iraque tem 115 bilhões de barris de reservas de petróleo conhecidas. (...) E, por causa de seu longo isolamento, é a menos explorada das nações ricas em petróleo do mundo. (...) Foi estimado pelo ‘Council on Foreign Relations’ que o Iraque pode ter mais 220 bilhões de barris de petróleo não descobertos. (...) O valor do petróleo do Iraque, em grande parte leve e com baixo custo de produção, seria da ordem de US$ 30 trilhões aos preços de hoje. Para efeito de comparação, o custo total projetado da invasão e ocupação dos EUA é de cerca de US$ 1 trilhão. Os custos são desprezíveis quando comparados aos US$ 30 trilhões de riqueza petrolífera. A guerra assegurou a supremacia geopolítica norte-americana e gasolina barata para os eleitores. Em termos de realpolitik, a invasão do Iraque não é um fiasco e, sim, um retumbante sucesso”.

 

A afirmação de Alan Greenspan, ex-presidente do Federal Reserve dos Estados Unidos, no seu livro de memórias, também é reveladora: “Entristece-me que seja politicamente inconveniente reconhecer o que todos sabem: a guerra do Iraque é, sobretudo, por causa do petróleo”.

 

Obviamente, todos os corruptos do escândalo da Petrobrás devem ser julgados com as provas conseguidas, mas é primordial não se cair na manipulação da mídia para entregar o Pré-Sal, como o capital internacional e o país hegemônico desejam. Ele é um dos últimos redutos de soberania que nós, brasileiros, temos. É interessante notar que o capital internacional, não havendo a possibilidade de a Petrobras ser privatizada, quer que ela continue atuando no Pré-Sal, porém, associada às suas empresas, porque sabe que ela descobre petróleo.

 

Aliás, um representante deste capital internacional, quando perguntado se a Petrobras iria se soerguer depois do escândalo, respondeu que sim, porque “ela tem um excelente quadro técnico e muitas reservas”. Fiquei esperando ele dizer: “ambos conquistados graças ao monopólio estatal”. Mas isso ele nunca dirá, apesar de saber.

 

Segundo a antiga diretoria da Petrobras, o roubo na empresa foi de US$ 4 bilhões a US$ 5 bilhões. O Pré-Sal possui, possivelmente, mais uns 100 bilhões de barris de petróleo, a serem ainda descobertos. Sendo conservador, se for usado o preço médio do barril, para um período de 50 anos, de US$ 80, o petróleo a descobrir vale US$ 8 trilhões. Então, o brasileiro deve dar mais importância ao roubo da Petrobras ou ao roubo do Pré-Sal, cujo prejuízo potencial é 2 mil vezes maior?

 

Paulo Metri é conselheiro do Clube de Engenharia e colunista do Correio da Cidadania

Blog do autor: http://www.paulometri.blogspot.com.br/

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Leilão Greve dos Petroleiros Ciência e Tecnologia AEPET ALERJ Leilão de Libra Direitos Humanos Educação EUA Greve Manifestações Transporte Terceirização Violência Venezuela Economia Engenharia Gás Energia Amazônia Privatização Pré-sal Refinaria Faixa Livre Comperj Dívida Pública Cuba Governo Irã Salário Selic Emprego Trabalho Síria Argentina Brasil Unaí Ucrânia Protesto Carnaval PT Dia da Mulher ações Fernando Siqueira Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco Violência Policial no RJ CPI dos ônibus Denúnicas Petrobras Pasadena CPI da Petrorás Greve dos professores Universitários Caso Vale sindipetro O Brasil hoje Dia Mundial da Saúde TKCSA Imposto de Renda Petrobras manifesto Situação da economia Paulo Passarinho Pedro Celestino Pereira Paralização dos Servidores Federais Eleições Sindipetro Greve dos professores Greve dos servidores públicos petroleo energia nuclear Sandra Quintela Paulo Ramos Dia internacional contra injustiças dos megaeventos Aumento de passagem Eleição 2014 Haití Previdência Social Politica agrícola petróleo produção recorde PM Cedae Ecovilas Lançamento do Dossiê e Manifesto Pesquisa eleitoral Psol Assembléia dos professores das redes estadual e municipal pre-sal leilões investimentos Mandela Imprensa corrupção etanol Iraque economia brasileira O GLOBO Militares Falecimento conselho de administração Cultura TCU Negociação custo de produção pré-sal conteúdo nacional Petrobrás produção Faixa de Gaza Sebrae China Copa do Mundo INSS Desenvolvimento Sustentável Cenpes Criminalização USP auditoria cidadã da dívida Soberania Nacional Reforma Tributária Eike Batista Chile AIE Agência Internacional de Energia plebiscito balanço da Petrobrás Polícia Militar Eleição José Augusto Ribeiro preço dos combustíveis Ricardo Maranhão delação premiada Fenaspe Clube de Engenharia Eleições Terrorismo Ficha limpa Shell UFRJ Dia Nacional de Luta Sindipetro-RJ Eleições 2014 Petrobrás operadora única regime de partilha transferência de tecnologia abastecimento de água preço do petróleo descoberta Cid Benjamin Luis Pereira José Carlos de Assis Paulo Metri Corrupção na Petrobrás Dilma Rousseff Presidente Paulo Brandão Coluna do Aposentado Emídio Rebelo Filho Emídio Golpe empreiteiras Momento político Felipe Coutinho Diretoria de Governança Defesa da Petrobrás laboratório Carta de Salvador Jorge M. T. Camargo Adriano Benayon cartéis Henrique Sotoma Felipe Campos C. Coutinho Abreu e Lima Rogério Studart Reforma política Faturamento FUP Monopólio Abutres Movimento Trabalhista Emanuel Cancella Obama Movimento em Defesa da Petrobrás Desenvolvimentistas Rogério Lessa Benemond Helio Silveira Geni Grécia Eleição para o conselho da Petrobrás liquidação de ativos Petros Assembleia de acionistas Contratos de risco Engenheiros da Petrobrás Prêmio Mauro Santayana Aldemir Bendine Reunião do conselho Impeachment Vicente P. Silva acidente plataforma navio-plataforma Cidade de São Mateus, Paulo Lima Moody's Gilberto Bercovici Mercado de trabalho Aniversário do Rio de Janeiro lava jato Momento econômico Planos de saúde ADRs soberania Julgamento de ativistas Paulo César Ribeiro Lima Petrobra Maioridade penal Banco da China Documento da AEPET para a Petrobrás Conselho Deliberativo AEPET Roberto Requião Dia do Índio Trabalhadores Reajuste fiscal CPI HSBC Fator previdenciário Eleições na Espanha Fernando Brito Aposentadoria Senado Alemanha Greve dos bancários André Araújo Política brasileira Leilão de petróleo Leilão de Libra Espionagem Petrobras Privatização da Petrobras Lei Divida dos estados Despejo na Ilha do Governador Desinvestimento da Petrobras Correios Crise econômica Ato em defesa da Petrobras FNP Museo Índio Prisões Congresso FIST Energia elétrica Manifestação CORECON Olimpíadas Servidores Evento Mestrado Demissão GM General Contreras Agenda SUS Escola Assembléia Paulo Kliass Câmara Crise PLC 41/2015 Eduardo Cunha Crise humanitária na Europa Orçamento do Governo 2016 Senador Capitalizar Denuncia violação de direitos em audiência de licenciamento na Baia de Sepetiba/ Ilha França Uber x Táxi Seminário AEPET Docentes Projeto de lei Corte em gastos sociais Fazendeiro Mato Grosso do Sul Conflito Venda de ativos 14 anos do atentado das torres gêmeas Atentado Câmara dos Deputados Livro de Assange Corte Economia Mundial Lava-Jato Petroleiros Cunha e o dinheiro na Suíça TCU e governo - reforma ministerial - PSOL e a saída de parlamentares. Portugal Países Japão Cunha BR Distribuidora Chico Alencar Pedro Paulo Martins Reinaldo Gonçalves Roberto Romano João Abreu Unicamp Sindifisco Bernardo Kocher Emanuel Cancella hidroelétricas PACS João Tancredo desarmanento Retratação Aumento Light Caos em Mariana Rio de Janeiro Politica Mariana (MG) ´CSN Ato público Jose Serra Divergência entre Supremo e juízes- Comissão de DH da Câmara Paraguai Greve na rede Estadual do RJ Dia Muindial da água Dia mundial da água Bélgica Pelmex Chernobil Taxa de juros Cloviomar Cararine Pereira Michel Temer Jorge Rubem Folena de Oliveira Pedro Parente Novo Governo Carlos Newton Calamidade no Rio de Janeiro Pedro Pinho Reino Unido Dívida do Estado Eduardo Paes Auditores fiscais Desastre na linha 2 do metrô- paralisação do RJ Luís Nassif Partido novo Eugênio Aragão Ciro Gomes Morte de D. Paulo Evaristo Arms Economia - O que esperar para 2017? Privatização da Cedae Bombeiros Policiais Mulher, momento atual Dia da mulher: Para comemorar ou lutar? BNDES Lista de Fachin construção Caso Cachoeira Delta A Justiça no IV Encontro Ministério Público e Movimentos Sociais