Artigos

Quanto vale a Petrobras

Data: 03/02/2015 
Fonte: Jornal do Brasil
Autor: Mauro Santayana

O adiamento do balanço da Petrobras do terceiro trimestre do ano passado foi um equívoco estratégico da direção da companhia, cada vez mais vulnerável à pressão que vem recebendo de todos os lados, que deveria, desde o início do processo, ter afirmado que só faria a baixa contábil dos eventuais prejuízos com a corrupção, depois que eles tivessem, um a um, sua apuração concluída, com o avanço das investigações.

 

A divulgação do balanço há poucos dias, sem números que não deveriam ter sido prometidos, levou a nova queda no preço das ações.

 

E, naturalmente, a novas reações iradas e estapafúrdias, com mais especulação sobre qual seria o valor - subjetivo, sujeito a flutuação, como o de toda empresa de capital aberto presente em bolsa - da Petrobras, e o aumento dos ataques por parte dos que pretendem aproveitar o que está ocorrendo para destruir a empresa - incluindo hienas de outros países - vide as últimas idiotices do Financial Times - que adorariam estraçalhar e dividir, entre baba e dentes, os eventuais despojos de uma das maioresempresas petrolíferas do mundo.

 

O que importa mais na Petrobras?

 

O valor das ações, espremido também por uma campanha que vai muito além da intenção de sanear a empresa e combater eventuais casos de corrupção e que inclui de apelos, nas redes sociais, para que consumidores deixem de abastecer seus carros nos postos BR; à aberta torcida para que “ela quebre, para acabar com o governo”; ou para que seja privatizada, de preferência, com a entrega de seu controle para estrangeiros, para que se possa - como afirmou um internauta- pagar um real por litro de gasolina, como nos EUA " ?

 

Para quem investe em bolsa, o valor da Petrobras se mede em dólares, ou em reais, pela cotação do momento, e muitos especuladores estão fazendo fortunas, dentro e fora do Brasil, da noite para o dia, com a flutuação dos títulos derivada, também, da campanha antinacional em curso, refletida no clima de“terrorismo” e no desejo de "jogar gasolina na fogueira", que tomou conta dos espaços mais conservadores -para não dizer golpistas, fascistas, até mesmo por conivência - da internet.

 

Para os patriotas, e ainda os há, graças a Deus, o que importa mais, na Petrobras, é seu valor intrínseco, simbólico, permanente, e intangível, e o seu papel estratégico para o desenvolvimento e o fortalecimento do Brasil.

 

Quanto vale a luta, a coragem, a determinação, daqueles que, em nossa geração, foram para as ruas e para a prisão, e apanharam de cassetete e bombas de gás, para exigir a criação de uma empresa nacional voltada para a exploração de uma das maiores riquezas econômicas e estratégicas da época, em um momento em que todos diziam que não havia petróleo no Brasil, e que, se houvesse, não teríamos, atrasados e subdesenvolvidos que“somos”, condições técnicas de explorá-lo ?

 

Quanto vale a formação, ao longo de décadas, de uma equipe de 86.000 funcionários, trabalhadores, técnicos e engenheiros, em um dos segmentos mais complexos da atuação humana?

 

Quanto vale a luta, o trabalho, a coragem, a determinação daqueles, que, não tendo achado petróleo em grande quantidade em terra, foram buscá-lo no mar, batendo sucessivos recordes de poços mais profundos do planeta; criaram soluções, "know-how", conhecimento; transformaram a Petrobras na primeira referência no campo da exploração de petróleo a centenas, milhares de metros de profundidade; a dezenas, centenas de quilômetros da costa; e na mais premiada empresa da história da OTC -Offshore Technology Conferences, o "Oscar" tecnológico da exploração de petróleo em alto mar, que se realiza a cada dois anos, na cidade de Houston, no Texas, nos Estados Unidos ?

 

Quanto vale a luta, a coragem, a determinação, daqueles que, ao longo da história da maior empresa brasileira -condição que ultrapassa em muito, seu eventual valor de "mercado" -enfrentaram todas as ameaças à sua desnacionalização, incluindo a ignominiosa tentativa de alterar seu nome, retirando-lhe a condição de brasileira, mudando-o para "Petrobrax", durante a tragédia privatista e “entreguista” dos anos 1990 ?

 

Quanto vale uma companhia presente em 17 países, que provou o seu valor, na descoberta e exploração de óleo e gás, dos campos do Oriente Médio ao Mar Cáspio, da costa africana às águas norte-americanas do Golfo do México ?

 

Quanto vale uma empresa que reuniu à sua volta, no Brasil, uma das maiores estruturas do mundo em Pesquisa e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, trazendo para cá os principais laboratórios, fora de seus países de origem, de algumas das mais avançadas empresas do planeta?

 

Por que enquanto virou moda - nas redes sociais e fora da internet - mostrar desprezo, ódio e descrédito pela Petrobras, as mais importantes empresas mundiais de tecnologia seguem acreditando nela, e querem desenvolver e desbravar, junto com a maior empresa brasileira, as novas fronteiras da tecnologia de exploração de óleo e gás em águas profundas?

 

Por que em novembro de 2014, há apenas pouco mais de três meses, portanto, aGeneral Electric inaugurou, no Rio de Janeiro, com um investimento de 1 bilhão de reais, o seu Centro Global de Inovação, junto a outras empresas que já trouxeram seus principais laboratórios para perto da Petrobras, como a BG, aSchlumberger, aHalliburton, a FMC, a Siemens, a Baker Hughes, a Tenaris Confab, a EMC2 a V&M e a Statoil ?

 

Quanto vale o fato de a Petrobras ser a maior empresa da América Latina, e a de maior lucro em 2013 - mais de 10 bilhões de dólares - enquanto a PEMEXmexicana, por exemplo, teve um prejuízo de mais de 12 bilhões de dólares no mesmo período ?

 

Quanto vale o fato de a Petrobras ter ultrapassado, no terceiro trimestre de 2014, aEXXON norte-americana como a maior produtora de petróleo do mundo, entre as maiores companhias petrolíferas mundiais de capital aberto ?

 

É preciso tomar cuidado com a desconstrução artificial, rasteira, e odiosa, da Petrobras e com a especulação com suas potenciais perdas no âmbito da corrupção, especulação esta que não é apenas econômica, mas também política.

 

A PETROBRAS teve um faturamento de 305 bilhões de reais em 2013, investe mais de 100 bilhões de reais por ano, opera uma frota de 326 navios, tem 35.000 quilômetros de dutos, mais de 17 bilhões de barris em reservas, 15 refinarias e 134 plataformas de produção de gás e de petróleo.

 

É óbvio que uma empresa de energia com essa dimensão e complexidade, que, além dessas áreas, atua também com termoeletricidade, biodiesel, fertilizantes e etanol, só poderia lançar em balanço eventuais prejuízos com o desvio de recursos por corrupção, à medida que esses desvios ou prejuízos fossem “quantificados” sem sombra de dúvida, para depois ser - como diz o “mercado” - "precificados", um por um, e não por atacado, com números aleatórios, multiplicados até quase o infinito, como tem ocorrido até agora.

 

As cifras estratosféricas (de 10 a dezenas de bilhões de reais), que contrastam com o dinheiro efetivamente descoberto e desviado para o exterior até agora, e enchem a boca de "analistas", ao falar dos prejuízos, sem citar fatos ou documentos que as justifiquem, lembram o caso do "Mensalão".

 

Naquela época, adversários dos envolvidos cansaram-se de repetir, na imprensa e fora dela, ao longo de meses a fio, tratar-se a denúncia de Roberto Jefferson, depois de ter um apaniguado filmado roubando nos Correios, de o "maior escândalo da história da República", bordão esse que voltou a ser utilizado maciçamente, agora, no caso da Petrobras.

 

Em dezembro de 2014, um estudo feito pelo instituto Avante Brasil, que, com certeza não defende a “situação”, levantou os 31 maiores escândalos de corrupção dos últimos 20 anos.

 

Nesse estudo, o “mensalão” - o nacional, não o “mineiro” - acabou ficando em décimo-oitavo lugar no ranking, tendo envolvido menos da metade dos recursos do “trensalão” tucano de São Paulo e uma parcela duzentas menor que a cifra relacionada ao escândalo do Banestado, ocorrido durante o mandato de Fernando Henrique Cardoso, que, em primeiríssimo lugar, envolveu, segundo o levantamento, em valores atualizados, aproximadamente 60 bilhões de reais.

 

E ninguém, absolutamente ninguém, que dizia ser o mensalão o maior dos escândalos da história do Brasil, tomou a iniciativa de tocar, sequer, no tema - apesar do “doleiro” do caso Petrobras, Alberto Youssef, ser o mesmo do caso Banestado - até agora.

 

Os problemas derivados da queda da cotação do preço internacional do petróleo não são de responsabilidade da Petrobras e afetam igualmente suas principais concorrentes.

 

Eles advém da decisão tomada pela Arábia Saudita de tentar quebrar a indústria de extração de óleo de xisto nos Estados Unidos, aumentando a oferta saudita e diminuindo a cotação do produto no mercado global.

 

Como o petróleo extraído pela Petrobras destina-se à produção de combustíveis para o próprio mercado brasileiro, que deve aumentar com a entrada em produção de novas refinarias, como a Abreu e Lima; ou para a “troca” por petróleo de outra graduação, com outros países, a empresa deverá ser menos prejudicada por esse processo.

 

A produção de petróleo da companhia está aumentando, e também as descobertas, que já somam várias depois da eclosão do escândalo.

 

E, mesmo que houvesse prejuízo - e não há - na extração de petróleo do pré-sal, que já passa de 500.000 barris por dia, ainda assim valeria a pena para o país, pelo efeito multiplicador das atividades da empresa, que garante, com a política de conteúdo nacional mínimo, milhares de empregos qualificados na construção naval, na indústria de equipamentos, na siderurgia, na metalurgia, na tecnologia.

 

A Petrobras foi, é e será, com todos os seus problemas, um instrumento de fundamental importância estratégica para o desenvolvimento nacional, e especialmente para os estados onde tem maior atuação, como é o caso do Rio de Janeiro.

 

Em vez de acabar com ela, como muitos gostariam, o que o Brasil precisaria é ter duas, três, quatro, cinco Petrobras.

 

É necessário punir os ladrões que a assaltaram ?

 

Ninguém duvida disso.

 

Mas é preciso lembrar, também, uma verdade cristalina.

 

A Petrobras não é apenas uma empresa.

 

Ela é uma Nação.

 

Um conceito.

 

Uma bandeira.

 

E por isso, seu valor é tão grande, incomensurável, insubstituível.

 

Esta é a crença que impulsiona os que a defendem.

 

E, sem dúvida alguma, também, a abjeta motivação que está por trás dos canalhas que pretendem destruí-la.

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Leilão Greve dos Petroleiros Ciência e Tecnologia AEPET ALERJ Leilão de Libra Direitos Humanos Educação EUA Greve Manifestações Transporte Terceirização Violência Venezuela Economia Saúde Engenharia Gás Energia Amazônia Privatização Pré-sal Refinaria Faixa Livre Comperj Dívida Pública Cuba Governo Universidade Irã Salário Selic Emprego Trabalho Síria Argentina Brasil Unaí Ucrânia Protesto Carnaval PT Dia da Mulher ações Fernando Siqueira Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco CPI dos ônibus Denúnicas Petrobras Pasadena CPI da Petrorás Caso Vale sindipetro O Brasil hoje Dia Mundial da Saúde TKCSA Imposto de Renda Petrobras manifesto Situação da economia Paulo Passarinho Pedro Celestino Pereira Paralização dos Servidores Federais Eleições Sindipetro Greve dos professores Greve dos servidores públicos petroleo energia nuclear Sandra Quintela Paulo Ramos Dia internacional contra injustiças dos megaeventos Aumento de passagem Eleição 2014 Haití Previdência Social Politica agrícola petróleo produção recorde PM Ecovilas Lançamento do Dossiê e Manifesto Pesquisa eleitoral Psol Assembléia dos professores das redes estadual e municipal pre-sal leilões investimentos Mandela Imprensa corrupção etanol Iraque economia brasileira O GLOBO Militares Falecimento conselho de administração Cultura TCU Negociação custo de produção pré-sal conteúdo nacional Petrobrás produção Faixa de Gaza Sebrae China Desenvolvimento Sustentável Cenpes Criminalização USP auditoria cidadã da dívida Soberania Nacional Reforma Tributária Eike Batista Chile AIE Agência Internacional de Energia plebiscito balanço da Petrobrás Polícia Militar Eleição José Augusto Ribeiro preço dos combustíveis Ricardo Maranhão delação premiada Fenaspe Clube de Engenharia Eleições Terrorismo Ficha limpa Shell UFRJ Dia Nacional de Luta Sindipetro-RJ Petrobrás operadora única regime de partilha transferência de tecnologia abastecimento de água preço do petróleo descoberta Cid Benjamin Luis Pereira José Carlos de Assis Paulo Metri Corrupção na Petrobrás Dilma Rousseff Presidente Paulo Brandão Coluna do Aposentado Emídio Rebelo Filho Emídio empreiteiras Momento político Felipe Coutinho Diretoria de Governança Defesa da Petrobrás laboratório Carta de Salvador Jorge M. T. Camargo Adriano Benayon cartéis Henrique Sotoma Felipe Campos C. Coutinho Abreu e Lima Rogério Studart Reforma política Faturamento FUP Monopólio Abutres Movimento Trabalhista Emanuel Cancella Obama Movimento em Defesa da Petrobrás Desenvolvimentistas Rogério Lessa Benemond Helio Silveira Geni Grécia Eleição para o conselho da Petrobrás liquidação de ativos Petros Assembleia de acionistas Contratos de risco Engenheiros da Petrobrás Prêmio Mauro Santayana Aldemir Bendine Reunião do conselho Impeachment Vicente P. Silva acidente plataforma navio-plataforma Cidade de São Mateus, Paulo Lima Moody's Gilberto Bercovici Mercado de trabalho Aniversário do Rio de Janeiro lava jato Momento econômico Planos de saúde ADRs soberania Julgamento de ativistas Paulo César Ribeiro Lima Petrobra Maioridade penal Banco da China Documento da AEPET para a Petrobrás Conselho Deliberativo AEPET Roberto Requião Dia do Índio Trabalhadores Reajuste fiscal CPI HSBC Fator previdenciário Eleições na Espanha Fernando Brito Aposentadoria Senado Greve dos bancários André Araújo Política brasileira Leilão de petróleo Leilão de Libra Espionagem Petrobras Privatização da Petrobras Lei Divida dos estados Despejo na Ilha do Governador Desinvestimento da Petrobras Correios Crise econômica Ato em defesa da Petrobras FNP Museo Índio Prisões Energia elétrica Manifestação CORECON Olimpíadas Servidores Evento Mestrado Demissão GM General Contreras Agenda SUS Escola Assembléia Paulo Kliass Câmara Crise PLC 41/2015 Eduardo Cunha Crise humanitária na Europa Orçamento do Governo 2016 Senador Capitalizar Denuncia violação de direitos em audiência de licenciamento na Baia de Sepetiba/ Ilha França Uber x Táxi Seminário AEPET Docentes Projeto de lei Corte em gastos sociais Fazendeiro Mato Grosso do Sul Conflito Venda de ativos 14 anos do atentado das torres gêmeas Atentado Câmara dos Deputados Livro de Assange Corte Petroleiros Cunha e o dinheiro na Suíça TCU e governo - reforma ministerial - PSOL e a saída de parlamentares. Portugal Países Japão Cunha BR Distribuidora Chico Alencar Pedro Paulo Martins Sindifisco Bernardo Kocher Emanuel Cancella hidroelétricas PACS João Tancredo desarmanento Retratação Aumento Light Caos em Mariana Rio de Janeiro Politica Mariana (MG) ´CSN Ato público Jose Serra Divergência entre Supremo e juízes- Comissão de DH da Câmara Paraguai Greve na rede Estadual do RJ Dia Muindial da água Dia mundial da água Bélgica Pelmex Chernobil Taxa de juros Cloviomar Cararine Pereira Michel Temer Jorge Rubem Folena de Oliveira Odebrecht Pedro Parente Novo Governo Carlos Newton Teto de despesas Calamidade no Rio de Janeiro Pedro Pinho Reino Unido Dívida do Estado Eduardo Paes Auditores fiscais Desastre na linha 2 do metrô- paralisação do RJ Luís Nassif Partido novo Eugênio Aragão Ciro Gomes Morte de D. Paulo Evaristo Arms Privatização da Cedae Bombeiros Policiais Lista de Fachin construção Cenários