Notícias

A guerra saudita do petróleo contra a Rússia, o Irã e os EUA

Data: 22/10/2014 
Fonte: resistir.info Autor: Pepe Escobar

Por Pepe Escobar (*)

 

A Arábia Saudita desencadeou uma guerra econômica contra determinados produtores de petróleo. A sua estratégia oculta a agenda real da Casa de Saud. Mas funcionará? 

 

Vice-presidente da Rosneft, Mikhail Leontyev : "Os preços podem ser manipulados... A Arábia Saudita começou a fazer grandes descontos no petróleo. Isto é manipulação política e a Arábia Saudita está sendo manipulada, o que poderia terminar muito mal." 

 

Uma correção é necessária: os sauditas não estão sendo manipulados. O que a Casa de Saud está é a lançar um saraivada de Tomahawks, insistindo em que ficam confortáveis com o petróleo a US$ 90 por barril; assim como a US$ 80 nos próximos dois anos; e mesmo a US$ 50 a US$ 60 para clientes asiáticos e norte-americanos. 

 

O facto é que o Brent já caiu abaixo dos US$ 90 por barril porque a China – e a Ásia como um todo – já desaceleraram economicamente, embora em menor grau do que o ocidente. A produção, contudo, permaneceu elevada – especialmente por parte da Arábia Saudita e do Kuwait – mesmo com muito pouco petróleo líbio e sírio no mercado e com o Irã forçado a cortar exportações da ordem de um milhão de barris por dia devido à guerra econômica dos EUA, também conhecida como sanções. 

 

A Casa de Saud está aplicando uma estratégia de preços altamente predatória, a qual resulta na redução da fatia de mercado dos seus competidores, no médio a longo prazo. Pelo menos em teoria, isto podia tornar a vida miserável para um bocado de atores – desde os EUA (desenvolvimento da energia, com perfuração fracking e em águas profundas tornando-se não lucrativa) a produtores de petróleo brutos pesados tais como Irã e Venezuela. Mas o alvo chave, não se enganem, é a Rússia. 

 

Seria tentador encarar uma estratégia que fere simultaneamente o Irã, Iraque, Venezuela, Equador e Rússia como uma disputa pelo poder estilo "Império do Caos", com Washington fazendo um acordo com Riad. Um acordo que implicasse bombardear o ISIS/ISIL/califa Ibrahim é apenas um prelúdio para bombardear as forças de Bashar-al-Assad; em contrapartida, os sauditas esmagariam os preços do petróleo para ferir os inimigos do "Império do Caos". 

 

No entanto, é um bocado mais complicado do que isso. 

 

O orçamento de Estado da Rússia para 2015 requer petróleo a pelo menos US$ 100 por barril. Ainda assim, o Kremlin está tomando emprestado não mais do que US$ 7 bilhões em 2015 dos habituais "investidores externos", mais US$ 27,2 bilhões internamente. Dificilmente um terramoto econômico. 

 

Além disso, desde julho o rublo já caiu mais de 14 por cento em relação ao dólar. A propósito, as divisas dos membros chave dos BRICS também têm caído: 7,8 por cento para o real brasileiro, 1,6 por cento para a rupia indiana. E a Rússia, ao contrário da era Yeltsin, não está quebrada; ela possui pelo menos US$ 455 bilhões em reservas de divisas estrangeiras. 

 

O objectivo da Casa de Saud de tentar ultrapassar a Rússia como um grande fornecedor de petróleo para a UE não é senão uma fantasia; as refinarias a UE teriam de ser reestruturadas para processar o light crude saudita e isso custa uma fortuna. 

 

Geopoliticamente, a coisa fica mais sumarenta quando vemos que é central para a estratégia da Casa de Saud permanecer cingida a Washington pelo não cumprimento da sua promessa de "Assad deve ir-se", bem como a obsessão neoconservadora em bombardear o Irã. A coisa fica pior (para os sauditas) porque Washington – pelo menos por agora – parece mais concentrada em derrubar o califa Ibrahim do que Bashar al-Assad e pode estar em vias de assinar um acordo nuclear com Teerã como parte do P5+1 em 24 de Novembro. 

 

Na frente da energia, o pesadelo final da Casa de Saud seria tanto o Irã como o Iraque serem em breve capazes de ocupar o status saudita como produtor à medida (swing producer) do mundo. Daí a iniciativa saudita de privar ambos os países das muito necessárias receitas petrolíferas. Isso pode funcionar – tal como as sanções que atingem Teerã ainda mais duramente. Mas Teerã pode sempre compensar através da venda de mais gás para a Ásia. 

 

Assim, aqui está a questão principal. Uma Casa de Saud sitiada acredita que pode forçar Moscou a abandonar seu apoio a Damasco e forçar Washington a frustrar um acordo com Teerã. Tudo isto através da venda de petróleo abaixo do preço spot médio. Isso cheira a desespero. Além disso, pode ser interpretado como a Casa de Saud a baralhar se não a sabotar a coligação de covardes/despistados na sua campanha contra os pistoleiros do califa Ibrahim. 

 

A agravar o ambiente deprimido, pode ser permitido à UE safar-se neste inverno – mesmo considerando possíveis problemas com o fornecimento de gás da Rússia devido à Ucrânia. Ainda assim, os baixos preços sauditas não impedirão uma quase certa quarta recessão em seis anos que está a espreitar a UE. 

 

Vá para o Leste, jovem russo [NT] 

 

A Rússia, enquanto isso, lenta mas seguramente volta-se para o Leste. O vice primeiro-ministro da China, Wang Yang, resumiu-o primorosamente: "A China deseja exportar para a Rússia produtos competitivos tais como bens agrícolas, equipamento para petróleo e gás, e está pronta a importar produtos russos de engenharia. A par das importações acrescidas de alimentos da América Latina, não parece que Moscovo esteja encostada às cordas. 

 

Uma maciça delegação chinesa dirigida pelo primeiro-ministro Li Keqiang acaba de assinar um conjunto de acordos em Moscou que vão desde a energia às finanças, e desde navegação por satélite até à cooperação em comboios de alta velocidade. Para a China, a qual em 2011 ultrapassou a Alemanha como principal parceiro comercial, isto é um jogo em que ganha sempre ( win-win ). 

 

Os bancos centrais da China e da Rússia acabam de assinar um crucial acordo de swap em divisa local, de três anos e 150 bilhões de yuan. E o acordo é expansível. A City de Londres basicamente resmunga – mas isso é o que ela faz habitualmente. 

 

Este novo acordo, criticamente, passa por cima do US dólar. Não é de admirar que seja agora um componente chave da guerra económica por procuração e sem limitações entre os EUA e a Ásia. Moscovo não pode senão aclamá-lo como que colocando-a à margem dos efeitos colaterais da estratégia saudita. 

 

A parceria estratégica Rússia-China tem sido correcta desde o acordo que marca "uma época" (definição de Putin) de US$ 400 bilhões, a 30 anos, o acordo do gás do século rematado em Maio. E as repercussões económicas não cessarão. 

 

O acordo está destinado a alinhar-se com o impulso chinês para a Nova Rota da Seda, com o relançamento da ferrovia Transiberiana. Na cimeira do Acordo de Cooperação de Shangai (SCO), no mês passado em Dushanbe, o presidente Putin louvou o "grande potencial" de desenvolvimento de um "sistema de transportes comum dos SCO" ligando a ferrovia Transiberiana da Rússia e a linha principal Baikal-Amur com as Rotas da Seda chinesas, beneficiando portanto todos os países da Eurásia. 

 

Moscou está progressivamente a levantar restrições e agora oferece a Pequim uma grande abundância de investimentos potenciais. Pequim está progressivamente a ter acesso não só às muito necessárias matérias-primas russas como também vem adquirindo tecnologia de vanguarda e armas avançadas. 

 

Pequim obterá sistemas de mísseis S-400 e jactos de combate Su-35 já no primeiro trimestre de 2015. Além disso, mais adiante, virá o novo tipo de submarino da Rússia, o Amur 1650, bem como componentes para satélites com capacidade nuclear. 

 

A estrada é pavimentada com yuan 

 

Os presidentes Putin e Xi, que se encontraram não menos do que nove vezes desde que Xi chegou ao poder no ano passado, estão a expulsar o inferno do "Império do Caos". Não é de admirar; os seus presidentes partilham a prioridade de reduzir a hegemonia do US dólar – e especialmente o petrodólar – no sistema financeiro global. 

 

O yuan tem sido comerciado no Moscow Exchange – a primeira bolsa fora da China a oferecer comércio regulado de yuan. O volume de transacções ainda é de apenas US$ 1,1 bilhões (em Setembro). Importadores russos pagam 8 por cento de todos os bens chineses com yuans ao invés de dólares, mas a proporção está a aumentar rapidamente. E ascenderá exponencialmente quando Moscovo finalmente decidir aceitar o yuan sob o acordo de gás do século da Gazprom, de US$ 400 bilhões. 

 

Este é o modo como o mundo multipolar avança. A Casa de Saud ostenta a arma do petrodólar? O soco retaliatório é o comércio acrescido através de um cabaz de divisas. Além disso, Moscou envia uma mensagem à União Europeia, que está perdendo um bocado do comércio russo devido a sanções contraproducentes, acelerando assim a próxima recessão da UE. A guerra econômica afecta os dois lados. 

 

A Casa de Saud acredita que pode inundar o mercado com um tsunami de petróleo e depois voltar à situação anterior – criando a ilusão de que os sauditas controlam os preços do petróleo. Eles não o controlam. Mais cedo ou mais tarde esta estratégia fracassará, Pequim está a mostrar o caminho de saída; o comércio em outras divisas estabiliza os preços. Os únicos perdedores, no fim, serão aqueles que se aferram ao comércio em dólares. 

 

[NT] Paráfrase de uma frase famosa nos EUA, em que burgueses do Leste recomendavam à juventude desempregada que fosse para o far-west. 

 

 

[*] Jornalista, brasileiro, correspondente do Asia Times, analista do RT e colaborador de vários sítios web dos EUA e da Ásia. 

 

O original encontra-se em http://rt.com/op-edge/196148-saudiarabia-oil-russia-economic-confrontation/ 

 

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Óleo Leilão Ciência e Tecnologia AEPET Aposentadorias Aposentados Leilão de Libra Leilão de Xisto Gás de Xisto Campanha Salarial Crise na OGX Direitos Humanos Direitos Trabalhistas Educação Meio Ambiente Europa EUA Guerra Greve História Justiça Manifestações Mercosul Transporte Tortura Terceirização Violência Venezuela Economia Gasolina Engenharia Gás Energia Privatização Pré-sal Faixa Livre Xingu mst Dívida Pública Cuba Governo Água Luz SALARIO Irã Selic Trabalho Síria Medicina Médicos Argentina Brasil PCB Fernando Siqueira Ronaldo Tedesco ROYALTIES Pasadena Petrobrás na berlinda STF O Brasil hoje TKCSA Petrobras Situação do Brasil hoje Paulo Passarinho Paralização dos prof. da rede municipal Tensões na Rússia Opep petroleo petróleo produção recorde Pesquisa eleitoral pre-sal leilões investimentos Brics economia brasileira neoliberalismo reservas TCU Perimetral Faixa de Gaza Prisão produção de petróleo exportações desenvolvimento Comissão da Verdade Rússia Desenvolvimento Sustentável presidenciáveis preços Democracia sanções à Rússia Eleição Egito José Augusto Ribeiro preço dos combustíveis Petróleo e gás Debate Brasil Eleições Terrorismo Professores União Europeia ONU Arábia Saudita Escobar preço do petróleo Paulo Metri Estados Unidos Dilma Rousseff Emídio Rebelo Filho Política Federal Momento político STJ Grécia Impeachment Mercado de trabalho Momento econômico Dia do trabalhador Greve geral PDT Reforma Política Ocupação na Câmara Novos partidos Senado PSB Espionagem Greve dos bancários Situação dos médicos nos planos de saúde André Araújo Leilão do Pré-sal Leilão de petróleo Esilio de Snowden CPI de ônibus Porto do Açu Greve de professores 12 anos do atentado nos EUA Comissões da Verdade Homenagem à imprensa alternativa Movimento Passe Livre Turquia Papa Despejo na Ilha do Governador Bolívia Ato em defesa da Petrobras FNP Manifestação Olimpíadas Assembléia Paulo Kliass Argélia Câmara Malí Movimento Momento do Brasil Eduardo Cunha Aldeia Maracanã França Petrobrás Atentado Epaminondas de Souza Mendes Economia Mundial Lava-Jato UERJ Acordo Colômbia e as Farc Equador Argemiro Pertence Países Japão Cunha Valentin Katasonov Janio de Freitas Rio de Janeiro Politica Conflitos em Campos Gregorio Duvivier Drogas Coreia do Norte Luiz Fernando Pezão crise politica CNBB Coréia do Norte Alex Prado Momento ´jurídico Tropas Escuta telefônica Lula Paquistão Simpósio Eldorado-Carajás Taxa de juros DH à água no Brasil e no mundo Pastor Polícia Livro sobre a UH Claudio da Costa Oliveira Estado islâmico Gleinn Greewald Calamidade no Rio de Janeiro Reino Unido Melícias x Forças Armadas Melícias x Força Nacional Dívida dos Estados PEC 241 Pacote da maldade Prisão de Cabral e Garotinho Venda da Liquigás pela Petrobras Trump Lei autoritarismo Renan Áustria Luiz Carlos Azenha Moro e Lula TSE Dilma e Temer Petrobras vai vender Pasadena Clima em Brasília Qatar Abril vermelho Meio Ambibiente Caso Cachoeira