Petróleo e Política

Globalização exige mais proteção social e não menos, diz economista

Data: 13/03/2014 
Fonte: Agência Carta Maior
Autor: Roberto Pizarro

Globalização exige mais proteção social e não menos, diz economista

Roberto Pizarro (*)


Em seu recente livro “A busca pela segurança”, o economista Joseph Stiglitz nos diz que a globalização incrementou a escala e a velocidade dos perigos econômicos e sociais. Há maior insegurança. Os problemas mundiais atravessam as fronteiras rapidamente. Os países com abertura econômica rápida e radical, como o Chile, recebem os impactos inevitáveis da crise em outras latitudes. O último exemplo foi o fracasso das hipotecas subprime nos Estados Unidos, o que afetou seriamente as finanças e a atividade produtiva em todo o mundo – e que, na América Latina, produziu uma forte queda no crescimento econômico.

Por outro lado, a globalização reduziu a capacidade do Estado no âmbito tributário. Os países emergentes, em vez de entrar em um acordo, acabam competindo na redução de taxas para atrair investimentos. Dessa forma, o capital transita através das fronteiras, evitando os lugares em que considera haver maior pressão impositiva e se dirige àqueles países que lhe outorgam um trato mais favorável.
 
Isso ainda é favorecido pelos Tratados de Livre Comércio (TLC), que obrigam um trato privilegiado ao capital, além de uma segurança jurídica inédita, garantida pelos bancos privados internacionais – o FMI, o Banco Mundial e a OMC.

Consequentemente, a falta de proteção social não apenas tem impacto direto nas condições de vida das pessoas, mas também um efeito macroeconômico que nem sempre se compreende.
 
Além disso, essas organizações forçam os países no sentido de abolir qualquer norma que ajude a estabilizar os fluxos de capital através das fronteiras, com efeitos traumáticos para a macroeconomia. O mesmo, no entanto, não acontece com o trabalho: não existe livre mobilidade através das fronteiras. Como consequência, o capital alcança seu maior lucro onde não há regulações; existem melhores taxas de lucros e menos impostos, mas o trabalho não pode se movimentar livremente aos lugares onde existem os melhores salários.

Com baixos níveis de captação tributária, o Estado é minimizado e reduz sua capacidade de cumprir com suas funções de proteção de direitos. A abertura econômica gera incerteza e a falta de proteção social do Estado é acentuada.

A debilidade da proteção social é consequência de um Estado frágil, com captação insuficiente de impostos, mas é também o resultado de políticas deliberadas de privatização dos serviços sociais, agora transformados em negócios: saúde, educação e orçamento.

O Chile é um exemplo significativo de falta de segurnaça social. Os baixos níveis de sindicalização e negociação coletiva debilitaram o trabalho decente. As aponsentadorias são baixíssimas e estão sujeitas às decisões de investimento das AFP (Administradoras de Fondos de Pensiones). A educação é muito cara. A saúde para os pobres e para os setores médios depende de maus hospitais, abarrotados de doentes mal atendidos, enquanto que a saúde para os ricos (das Isapres) é cara e discriminatória contra as doenças preexistentes e as mulheres grávidas.

A debilidade dos sindicatos, em nome da flexibilidade trabalhista, fez melhorar a taxa de lucros do capital, mas impôs elevados custos às pessoas, restando a elas as economias ganhas ao longo de sua vida, e com impacto visível na perda de sua segurança.

O pensamento neoliberal e suas políticas supõem que a livre mobilidade do capital, as baixas taxas, os menores investimentos públicos no bem-estar social, o trabalho flexível e inclusive a redução das proteções ambientais melhoram a competitividade dos países e lhes conferem maior agilidade no marco da economia global. E isso favoreceria o crescimento, a eficiência e o bem-estar social.

Stiglitz ressalta que essa visão é um erro profundo, já que “... a globalização desenfreada levou ao aumento da desigualdade e da falta de segurança. E a falta de segurança solapa a boa disposição dos indivíduos para empreender atividades de grande rentabilidade com altos riscos, fazendo com que o crescimento diminua”.

Consequentemente, a falta de proteção social não apenas tem um impacto direto nas condições de vida das pessoas, mas também um efeito macroeconômico que nem sempre é compreendido. De fato, quando a verba das aposentadorias e dos salários é deteriorada, o consumo e a poupança são reduzidos. Mais ainda, quando a educação é muito cara, grande parte da renda familiar se torna vulnerável e, inclusive, comprometida com futuros e custosos créditos. Por outro lado, a falta de proteção social impede os afetados de assumir riscos. Portanto, um Estado mínimo, que não cumpre com suas funções sociais básicas, desanima os inovadores e a todos aqueles dispostos a assumir riscos.

Em suma, diferentemente do que prega o pensamento neoliberal, a globalização aumentou a necessidade de proteção social. É necessária maior segurança. A globalização nos coloca o desafio de manter a estabilidade econômica, mas também exige um redesenho da segurança das pessoas. Proteções sociais adequadamente projetadas não apenas podem aumentar o bem-estar social, mas devem também favorecer maior produção e crescimento.


(*) Economista da Universidade do Chile, com estudos de pós-graduação na Universidade de Sussex (Reuni Unido). Pesquisador do Grupo Nueva Economia, foi decano da Faculdade de Economia da Universidade do Chile, ministro do Planejamento e reitor da Universidade Academia de Humanismo Cristão (Chile). Artigo publicado no AmericaEconomia.


Tradução: Daniella Cambaúva

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Óleo Leilão Greve dos Petroleiros Ciência e Tecnologia AEPET ALERJ Aposentadorias Aposentados Belo Monte Leilão de Libra Leilão de Xisto Campanha Salarial Crise na OGX Direitos Humanos Direitos Trabalhistas Desigualdade Social Educação Meio Ambiente Europa EUA Guerra Greve História Justiça Manifestações Mensalão Mercosul Transporte Tortura Terceirização Violência Venezuela Economia Saúde Gasolina Engenharia Energia Amazônia Privatização Pré-sal Refinaria Faixa Livre Dívida Pública Cuba Governo Água Universidade Selic Agrotóxicos Emprego Trabalho Argentina Brasil Ucrânia Ditadura PCB Juros Protesto Carnaval PT Horto UPPs Biografia Caos no RJ Fernando Siqueira Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco Diretoria AEPET ROYALTIES Vila Autódromo CPI dos ônibus Pasadena Petrobrás na berlinda Força Armadas nas favelas do RJ segurança pública STF Caso Vale Economia da América Latina Setor elétrico Petrobras Paralização da rede estadual Paralização dos prof. da rede municipal Greve dos professores Eleições no Sindpetro petroleo Metrô Greve Polícia Civil Pútin à China Brasília Abraço à Petrobrás Colômbia Previdência Social Politica agrícola PIB PM Cedae aepet aposentados Pesquisa eleitoral Psol Brics Conjuntura Nacional Manifestante economia brasileira Falecimento Política Internacional Cultura TCU Perimetral CSA Faixa de Gaza Prisão Comissão da Verdade China Rússia presidenciáveis salário mínimo reajuste inflação Montadoras plebiscito Polícia Militar Eleição José Augusto Ribeiro A Era Vargas FMI cargos e salários Debate Presidencial Anistia Politica Internacional Eleições Problema d'água Terrorismo Ficha limpa ABI ONU Dia Nacional de Luta César Benjamin Denúncia José Carlos de Assis Dilma Rousseff Paulo Brandão empreiteiras Momento político Felipe Coutinho Adriano Benayon Felipe Campos C. Coutinho Reforma política Movimento Trabalhista Emanuel Cancella Grécia Brasil-Europa Mauro Santayana Impeachment Congresso do Andes dia internacional da mulher Planos de saúde Eugênio Miguel Mancini Scheleder Maioridade penal Cúpula das Americas Reforma eleitoral Recessão Situação da greve do ensino superior Audiência pública sobre o documento da AEPET sobre o pré-sal Reforma da Previdência Troca-troca de partidos EBSERH Violência contra professores Novos partidos PSB Alemanha MEC Movimento popular preparatório da manifestação contra a Olimpíadal André Araújo Política brasileira Leilão do Pré-sal Leilão de Libra Programa Mais Médico Site do Brasil nunca mais Porto do Açu Greve de professores CPI ensino particular Turquia Correios Política do Rio Enchentes FNP projeto nacional Banco Mundial Índio Manifestação Olimpíadas Servidores Agenda SUS Escola Rebaixamento Homenagem Fidel Castro Crise PLC 41/2015 Eduardo Cunha França Seminário AEPET Magno Mendes Severino da Silva Atentado Corte UERJ Acordo Colômbia e as Farc Alta do dólar Bando Central Cunha Zona Sul Paul Craig Roberts Rio de Janeiro Politica Mariana Candidaturas para 2014 s em Campos Conflitos em Campos Mariana (MG) impactos ambientais Cháves Ampla Falta de energia Morro do Bumba Célio de Barros Mariana-MG Luiz Fernando Pezão crise politica Despejo Greve na rede Estadual do RJ Jorge Rubem Folena de Oliveira MP Claudio da Costa Oliveira Hospitais universitáios MP dos Portos Eletrobras Odebrecht Índios Municípios Teto de despesas Pedro Pinho filme – Posição de países da América do Sul Luís Nassif Caramuru Pacote da maldade PEC 55 Claudio Costa Oliveira Ceci Juruá Privatização da Cedae Prisão de PMs e Bombeiros Documentário Mangueira Transferência do pagamento dos funcionários do Itaú para o Bradesco a revelia Greve dos bombeiros e PMs Leandro Karnal Meireles Posição da Alerj frente ao pacote Pezão - Meireles Base do Brasil na Antártica Eleições na Rússia Punição aos bombeiros Dia Internacional da Mulher Santa Teresa Saída de Teixeira da CBF MAB Rio mais 20 Dia da água Marcha pela educação O Golpe de 64 Greve de ônibus Trens V Semana da Solidariedade, de mudanças políticas Abril vermelho Dia Muncial da Saúde Indústria Delta