Artigos

O que está ocorrendo na Venezuela? Entrevista com FC Leite Filho

Data: 20/02/2014 
Fonte: Os Desenvolvimentistas

O que está ocorrendo na Venezuela? Entrevista com FC Leite Filho

Por Rennan Martins

Desde semana passada o mundo está de olhos atentos aos nossos vizinhos venezuelanos. O país que vivia desde o início do mês uma onda de protestos contra os índices de violência, viu esta mesma tornar-se em um levante oposicionista de caráter radical, o qual exige a renúncia do atual presidente Nicolás Maduro.

A crise e o acirramento político tornaram-se mais evidentes depois do ato do dia 12, quarta-feira da semana passada, o qual noticia-se a morte de três pessoas, dois manifestantes oposicionistas e um governista. Quanto a autoria dos assassinatos, há ainda mais obscuridade, enquanto a BBC informa que estas ocorreram ao fim da manifestação “quando indivíduos em motocicletas abriram fogo contra o resto da multidão”, a Globo, declara no G1, que “A repressão do governo contra os opositores no dia 12 causou a morte de três pessoas”.

Quanto as divergências de interpretação e veiculação de informações inexatas, relevante também é a guerra de informação travada nas redes sociais. O Opera Mundi veiculou artigo expondo diversas ocorrências destas práticas.

Miguel Rodríguez Torres, ministro do interior, informou que 120 pessoas foram detidas, das quais 14 permanecem presas, e responderão processo por incêndio a veículos policiais, porte de armas de fogo e agressão a funcionários estatais. Enquanto a ONG Foro Penal Venezolano registra 155 detidos, 6 à espera de julgamento, e 14 pessoas feridas a tiros.

Diante deste quadro, em que diversas versões são veiculadas e quem pretende acompanhar acaba se tornando ainda mais confuso, resolvemos entrar em contato com Francisco das Chagas, jornalista e blogueiro do Café na Política, autor do livro “Quem Tem Medo de Hugo Chávez?”, tivemos uma breve conversa a qual ele expôs a situação do país, considerou que a oposição tenta o golpe por saber que não chegará ao poder pelas eleições, e que há apoio dos EUA na desestabilização que vem ocorrendo.

Confira:

O que está ocorrendo na Venezuela? Quais são as causas dos protestos?

Quando o presidente Hugo Chávez morreu, em cinco de março de 2013. A oposição mais extremista julgou que iria se abrir um vácuo de poder e o neoliberalismo seria restabelecido na Venezuela. Mas ocorreu o contrário, Nicolás Maduro, o sucessor in pectore de Chávez soube manter a unidade governista, ou bolivariana, e conseguiu, não só ganhar a eleição presidencial como também o pleito municipal de dezembro último. Maduro, igualmente, se revelou muito hábil, talvez mais do que Chávez, na convivência com a mídia hostil ao governo, conseguindo neutralizar a antiga hostilidade aos atos governamentais.

A oposição se viu então meio sem saída e se dividiu em duas correntes principais. Uma, mais desesperada, saiu a exigir a renúncia de Maduro pela via não institucional, ou seja, o velho golpismo. A outra, liderada pelo ex candidato Henrique Capriles, que diz confiar na via eleitoral. Num primeiro momento, venceu a alternativa radical. Esta, liderada por Leopoldo López, conhecido ex agente da CIA, e ainda ligado umbilicalmente aos serviços de segurança dos Estados Unidos, decidiu sair para o que chama de ações de rua. Só que estas ações se transformaram em ataques vandálicos e incêndios a estações do metrô, postos de saúde, escolas, viaturas policiais e até máquinas que cuidam do asfalto nas ruas. Quatro pessoas morreram e outras 61 sofreram mutilações no corpo. Leopoldo López agora está preso.

Como não conseguiram derrubar o governo na marra, como dizemos aqui, é provável que agora cresça o espaço para Capriles no comando oposicionista. Capriles é governador do Estado de Miranda, com responsabilidades administrativas e que, por isso, decidiu colaborar com o programa de segurança do governo nacional para combater a violência urbana e a criminalidade.

 

Há influência estrangeira no meio dos insurgentes? Se sim, poderia exemplificar?

Na segunda-feira, 17/02/14, o presidente Maduro expulsou três diplomatas americanos os quais ele acusou de estar se reunindo com a oposição para programar ações violentas de rua.

Os manifestantes, que se diziam estudantes, portavam, além de coquetéis molotov, motos de alta cilindrada e coletes a prova de bala. Eram eles que jogavam os petardos sobre creches, estações do metrô, e TVs estatais e depois sumiam na noite, deixando um rastro de sangue e fogo. Segundo Maduro, todo este arsenal vem dos Estados Unidos, onde, diz, está o laboratório, e o financiamento de agências como a USAID, a NEP e ONGs, algumas delas europeias, que treinam e municiam os tais estudantes.

 

Qual sua opinião em relação ao corte das comunicações por parte do governo?

Não houve corte nas comunicações. E nem há censura à imprensa. Na Venezuela, só pra se ter uma ideia, todos os jornais são anti governistas. Agora, existe uma lei lá, a Resort, que, se você pregar o golpismo ou acusar alguém injustamente, fizer o linchamento ou o fuzilamento midiático, terá de provar e responder perante a justiça. As emissoras de TV ainda resistiram ao cumprimento dessa lei, mas agora, fazem um noticiário mais equilibrado. A Globovisión, de capital privado, que tinha uma linha extremista, evoluiu para algo mais sensato, que é o real jornalismo: ou seja, ouvir as duas partes, contra e a favor do governo. É a maior e mais vista no país. Ela, por exemplo, dá espaço a Capriles, Leopoldo López e Maria Corina Machado, mas se contém na fúria de seu passado golpista quando se envolveu na conspiração que derrubou Hugo Chávez, por 48 horas, em 2002.

 

E quanto a retirada das concessões a algumas empresas de comunicação, trata-se de censura ou realmente as empresas infringiram as leis e o cancelamento foi justo?

Não tem havido retirada de concessões. O que houve, ainda época do Chávez, se não me engano, em 2007, foi que a TV Caracas, a RCTV, na época a de maior audiência, lançou-se numa campanha alucinada para derrubar o governo. Chávez então tentou um entendimento com seus donos, mas eles se negaram a qualquer negociação. Como sua licença estava para expirar, o presidente simplesmente se negou a renová-la e a emissora está fora do ar até hoje.

 

E quanto ao apoio da população, a maioria é pró ou contra o governo chavista?

 Bom, se você verificar nessas manifestações dos que se dizem estudantes, vai ver que eles não conseguem juntar muita gente. Já as de apoio a Maduro chegam a um milhão. Mas o apoio popular é também medido pela eleição. Nas 15 eleições realizadas desde o início do chavismo, em 1999, o governo só perdeu uma, em 2004, que foi o referendo que permitia a reeleição sem limites do ocupante do cargo de presidente. Depois, Chávez fez outro referendo e ganhou por 54%, se não me engano. Mas o governo é também popular porque construiu milhares de escolas, postos de saúde, com a ajuda de profissionais de Cuba, que também preparam os atletas que estão brilhando mundo afora. Os salários, se equiparados ao período de antes de Chávez aumentaram quase 20 vezes, enquanto o desemprego caiu de 30% para 7%. Lá também os alunos, como na Argentina dos Kirchner, tem cada qual seu notebook para assistir às aulas e fazer o dever de casa, inclusive pela internet. Você já viu isso aqui ou nos Estados Unidos?

 

Qual a perspectiva atual do governo e da oposição? Existe chance real da oposição derrubar Maduro?

Derrubar com esses atos vandálicos, duvido. O problema é que não se ganha no tapetão, pelo menos quando o programa oposicionista é todo neoliberal, ou seja, pelo corte de gastos, o arrocho salarial, a privatização generalizada das estatais. Que povo vai apoiar esta loucura?

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Óleo Leilão AEPET Aposentadorias Aposentados Leilão de Libra Leilão de Xisto Direitos Humanos Desigualdade Social Educação EUA Guerra Greve História Manifestações Mensalão Mercosul Transporte Tortura Terceirização Violência Venezuela Economia Saúde Gás Pré-sal Refinaria Fundos de Pensão Faixa Livre Xingu mst Comperj Cuba Apagão Governo Universidade Irã Selic Trabalho Síria Argentina Brasil Ucrânia OAB Ditadura Juros PT Horto UPPs Dia da Mulher Biografia Fernando Siqueira Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco Diretoria AEPET ROYALTIES Violência Policial no RJ Vila Autódromo Aumento das tarifas CPI dos ônibus crise financeira STF Imposto de Renda Petrobras manifesto Situação do Brasil hoje Racionamento Caso Pavão-Pavãozinho Paulo Passarinho Greve dos professores Tensões na Rússia Eleições no Sindpetro Opep petroleo Mauricio Campos Metrô Previdência Social PM Brics corrupção Iraque economia brasileira Falecimento neoliberalismo Cultura Faixa de Gaza Prisão balança comercial produção de petróleo China Rússia Modecon Remoção geopolítica Chile inflação Lançamento de livro Eleição José Augusto Ribeiro Ricardo Maranhão Anistia Politica Internacional Ensino Eleições Terrorismo Professores José Carlos de Assis Paulo Metri Corrupção na Petrobrás Paulo Brandão Coluna do Aposentado Emídio Rebelo Filho Emídio Golpe conselheiros fundos de pensão empreiteiras Momento político Felipe Coutinho STJ Henrique Sotoma Felipe Campos C. Coutinho Abreu e Lima Reforma política Atentado na França Grécia crise urbana Manifesto de intelectuais Votação na Câmara Momento econômico Planos de saúde Samuel Pinheiro Guimarães Julgamento de ativistas Cinegrafista Santiago Andrade, Maioridade penal Roberto Requião Situação da UFRJ Movimento unificado dos trabalhadores Situação precária da UERJ ntrega do manifesto em defesa da Petrobras em Brasília Manifestação contra a Monsanto Libertação dos ativistas políticos Eleições na Espanha Cortes no orçamento Manifestação no dia 29 PDT Reforma Política Fernando Brito Reforma da Previdência Novos partidos Greve dos bancários Ocupação da Câmara dos Vereadores Política brasileira Maracanã 12 anos do atentado nos EUA Greve do ensino rede estadual e municipal do Rio Papa Visita Dói-Codi Remoções Aumento da Taxa de Juros VARIG Espanha Crise econômica Ato em defesa da Petrobras Manifestação dos Médicos Chávez Enchentes Parlamento Racionamento de energia Trans-oeste Cesta básica Bancos FNP Desemprego Museo Índio Eletronuclear Congresso FIST Energia elétrica José Dirceu Dívida Paralização Manifestação Ministério da Fazenda Olimpíadas Votação Agenda SUS Escola Assembléia Itália Máli Salários Demolição Câmara Prabhat Patnaik Aldeia Maracanã França Seminário AEPET Seminário Atentado Epaminondas de Souza Mendes Análise do quadro político Praia Ônibus Lava-Jato Análise do quadro econômico Capitalismo UERJ Veto Servidor público Reforma ministerial Piso estadual Equador Blogueira cubana Orçamento da União Câmara dos vereadores Ministério do trabalho Troca de partido do PSOL para a REDE PF Petroleiros Novo ministério Economia: O fundo poço chegou? Argemiro Pertence Portugal Paul Craig Roberts Rio de Janeiro Ano letivo no Rio de Janeiro Situação do RJ Conflitos em Campos Documento da AEPET sobre proposta de José Serra Olimpiadas Cháves Ampla Falta de energia Drogas Sindiquímica Coreia do Norte Luiz Fernando Pezão Julgamento sobre a morte dos extrativistas no Pará Coréia do Norte Operação Condor Maracá Desaposentadoria Paraguai Religião Filme Flores Raras Greve na rede Estadual do RJ Morte de criança Bala perdida Jardim Botânico Morte Edson Luís Proifes Feliciano Supremo Claudio da Costa Oliveira filme Greve do Metrô Assembléia da rede municipal Dia nacional do ensino gratuito Novas medidas Situação da universidade Luís Nassif Debate com candidatos à prefeito Emídio Rebelo Caramuru Marcos Pedlowski RJ Petrobras Biocombustíveis Francisco Carlos Teixeira Alzimar de Andrade Moacir Paiva Eleições EUA Eleições americanas Pacote da maldade Desocupação PEC 55 Votação do pacote de maldades do governo do Estado do RJ Trump Eleições na França Direitização? Donald Trump Pacote de maldades do governo do Rio Lei autoritarismo Renan Áustria Renan x STF Bombeiros James Petras Eleição Conselho da Petrobras Campanha da Fraternidade Líbia ^Metrô Frei Betto Michael Roberts Violência no Rio Christopher Black Reforma previdenciária - ajuda aos estados Nota conjunta da CNBB- OAB e COFECON sobre reforma Tiradentes - descobrimento do Brasil e o Brasil atual Momento político do Brasil e greve geral Projeto de escravidão no campo Palestra na praça e reforma da previdência construção Empresas que cometem ilícitos