Petróleo e Política

Construção de petroleiros no Rio Grande do Sul

Data: 15/01/2014 
Fonte: Jornal do Commércio

Rio Grande do Sul possui capacidade para construir petroleiros

“Com a intensificação da produção, a partir do pré-sal, vamos precisar de mais petroleiros.” A declaração do presidente da Transpetro (subsidiária de logística da Petrobras), Sérgio Machado, animou o setor da indústria naval brasileira. No caso do Rio Grande do Sul, especialistas que acompanham o segmento afirmam que há empresas no polo naval gaúcho com capacidade técnica para absorver parte dessa demanda. A dúvida é se essas companhias, que têm o foco de negócios na implementação de plataformas de petróleo, se interessariam também pela construção de navios. Se manifestarem essa vontade, mercado não será problema.

“Certamente vai acontecer o Promef 3 (terceira etapa do Programa de Modernização e Expansão da Frota da Transpetro)”, adianta Machado. O Promef foi criado no governo Lula com o objetivo de aumentar a capacidade de transporte da Petrobras, além de resgatar a indústria naval brasileira. As encomendas são feitas a estaleiros nacionais com exigência mínima de utilização de mão de obra e componentes locais. E a perspectiva é de que as necessidades da Petrobras aumentem cada vez mais. De acordo com Machado, somente para a produção do campo de Libra, licitado no final de 2013, será necessária a construção de 12 a 18 plataformas de petróleo e de cerca de 60 barcos de apoio. Apesar dessa sinalização, ainda não há data definida para o lançamento do novo Promef.

Para o presidente do Sindicato Nacional da Indústria da Construção e Reparação Naval e Offshore (Sinaval), Ariovaldo Rocha, a avaliação de Machado está correta em relação à demanda por mais petroleiros em decorrência da exploração e entrada em produção do campo de Libra, onde existem reservas de petróleo de 1 bilhão de barris. “A construção naval é uma indústria de ciclo de produção longo, o horizonte de planejamento é de, no mínimo, quatro anos”, enfatiza o dirigente. Portanto, para Rocha, a Transpetro está atenta em antecipar a demanda que será gerada.

O presidente do Sinaval afirma que Machado conhece o setor da construção naval e já declarou em diversas oportunidades que é fundamental uma programação de encomendas, para evitar um hiato que provoque a dispensa de pessoal e a perda de equipes treinadas e experientes. Rocha afirma que os estaleiros brasileiros são capazes de atender à futura demanda, e que os empreendedores do polo naval do Sul também são perfeitamente aptos a trabalhar com os navios petroleiros. O dirigente classifica o complexo como de elevado padrão técnico na construção de cascos e integração de módulos para plataformas de petróleo tipo FPSO - unidades flutuantes que produzem e armazenam petróleo.

O coordenador do comitê de óleo e gás da Fiergs, Marcus Coester, aponta que tanto a Ecovix como a Quip, ambas em Rio Grande, e a EBR, em São José do Norte, têm condições técnicas para atuar com petroleiros. A questão é saber a estratégia e o interesse comercial dessas empresas. Coester salienta que, desde o começo, o polo naval gaúcho concentrou-se nas plataformas de petróleo, ao invés dos cascos de navio. Esse último segmento tornou-se uma vocação maior para o polo naval pernambucano. “Mas, há exceções, a Ecovix, por exemplo, está desenvolvendo cascos replicantes (quase idênticos)”, recorda o integrante da Fiergs. A empresa construirá em Rio Grande oito cascos de FPSOs e três navios-sonda. Coester acrescenta que o Promef 3 sinaliza que a contratações da Petrobras estão mantidas, o que é algo muito positivo para o mercado.
Ecovix teria perfil mais adequado para absorver encomendas

Apesar de preferir não se pronunciar sobre o assunto, segundo informa a sua assessoria de imprensa, a Ecovix é apontada como a companhia que tem mais condições, no Estado, de concorrer na produção de petroleiros. O vice-presidente da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), Aloísio Nóbrega, argumenta que o dique seco do Estaleiro Rio Grande (administrado pela empresa) é uma estrutura que permitiria a construção dessas embarcações.

Nóbrega, que também é coordenador executivo do setor estratégico da indústria oceânica e polo naval gaúcho, diz que há capacidade no Estado para atender a esse acréscimo de demanda. Além do Rio Grande do Sul, o dirigente vê as companhias instaladas no Rio de Janeiro e em Pernambuco como potenciais interessadas.

Se a Ecovix apresenta requisitos para disputar a realização dos navios, por outro lado, o gerente comercial da EBR, Luiz Felipe Camargo, considera difícil a EBR entrar na concorrência de petroleiros, justamente porque o foco são as plataformas. “Pela demanda que vem aí, vai ter muito trabalho para fazer nessa área”, projeta o executivo. No entanto, Camargo comenta que a perspectiva de um Promef 3 demonstra que os estaleiros “estão dando conta do recado”, contribuindo para um panorama positivo quanto ao segmento da construção naval. Para o dirigente, participar de disputas como essa dos petroleiros depende da especificidade de cada empresa e de seu planejamento. Porém, o gerente comercial confirma que há condições técnicas para as empresas gaúchas fazerem esses navios, principalmente a Ecovix.

Quanto à Quip, o diretor da companhia Marcos Reis, que responde pelo grupo, encontra-se em viagem. Contudo, fontes que acompanham a empresa informam que a Quip já discutiu anteriormente a possibilidade de assumir encomendas diferentes, mas, nesse futuro próximo, em que estará envolvida com a implantação das plataformas P-75 e P77, dificilmente absorverá novas demandas em outras áreas.

Transpetro anuncia encomenda de oito navios ao custo de R$ 1,4 bi

A Transpetro divulgou ontem que encomendou oito navios ao estaleiro Mauá, localizado em Niterói (RJ), ao custo de R$ 1,4 bilhão. As embarcações serão do tipo “navio de produtos”, que transportam derivados de petróleo, como gasolina, óleo diesel e petroquímicos.

O anúncio ocorreu no dia em que a empresa colocou em operação uma embarcação também de transporte de produtos, batizada de José Alencar, vice-presidente da República no governo Lula, que morreu em 2011. A embarcação tem capacidade para transportar 56 milhões de litros de produtos, quantidade equivalente a 13 piscinas olímpicas, segundo a Transpetro. Tanto o navio lançado quanto o lote anunciado fazem parte do Promef.

Dez anos após ser lançado, o Promef colocou em operação seis navios, dos quais três de transporte de produtos e outros três petroleiros, aqueles que levam petróleo bruto. O investimento total do Promef (1a e 2a fases somadas) será de R$ 11,2 bilhões, previstos para a concretização de 49 navios e 20 comboios hidroviários. Há, no momento, 12 navios em construção. A Transpetro espera por em operação mais seis navios neste ano, completando sete em 2014.

Fonte: Jornal do Commercio (POA)/Jefferson Klein

Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Óleo Leilão Greve dos Petroleiros Ciência e Tecnologia AEPET Aposentadorias Aposentados Leilão de Libra Leilão de Xisto Gás de Xisto Campanha Salarial Crise na OGX Direitos Humanos Direitos Trabalhistas Desigualdade Social Educação Meio Ambiente Europa EUA Guerra Greve História Justiça Manifestações Mensalão Mercosul Transporte Tortura Terceirização Violência Venezuela Economia Saúde Gasolina Engenharia mobilidade Gás Energia Pré-sal Refinaria Faixa Livre Xingu mst Comperj Dívida Pública Governo Água Universidade Luz Irã Selic Emprego Trabalho Síria Medicina Médicos Argentina Brasil Ucrânia rádio PCB Juros Protesto Carnaval PSTU PT Greve dos Garis Plataforma UPPs PIDV Heitor Manoel Pereira Fernando Siqueira Diomedes Cesário Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco Diretoria Diretoria AEPET ROYALTIES CPI dos ônibus Pasadena Petrobrás na berlinda Força Armadas nas favelas do RJ segurança pública STF CPI da Petrorás sindipetro O Brasil hoje TKCSA libra Economia da América Latina Graça Foster Petrobras Situação da economia Superfaturamento da Copa e da Olimpíada do RJ Pedro Celestino Pereira Paralização da rede estadual Paralização dos prof. da rede municipal Greve dos professores Opep Sandra Quintela PIB Pesquisa eleitoral Psol pre-sal leilões investimentos economia brasileira neoliberalismo reservas Eleições na AEPET desenvolvimento Comissão da Verdade China Desenvolvimento Sustentável presidenciáveis preços inflação Polícia Militar preço dos combustíveis Anistia Debate Brasil delação premiada Eleições Professores ONU Arábia Saudita Escobar César Benjamin Paulo Metri Dilma Rousseff Política Federal Momento político Grécia Planos de saúde Maioridade penal Reforma Política Greve na ADUFRJ Ocupação na Câmara Novos partidos Senado Greve dos bancários Situação dos médicos nos planos de saúde Progrma Mais Médicos Ocupação da Câmara dos Vereadores Política brasileira Leilão do Pré-sal Leilão de petróleo Esilio de Snowden CPI de ônibus Leilão de Libra Programa Mais Médico Site do Brasil nunca mais Porto do Açu Greve de professores CPI ensino particular Papa Despejo na Ilha do Governador Ato em defesa da Petrobras Assembléia Homenagem Aldeia Maracanã Seminário Petrobrás Epaminondas de Souza Mendes Economia Mundial Equador Rio de Janeiro Politica Conflitos em Campos Drogas crise politica Alex Prado Momento ´jurídico Eldorado-Carajás Pastor Polícia Livro sobre a UH filme PEC 241 Caramuru Abril vermelho Caso Cachoeira