Colunas
Colunista Luís Nassif

Sob comando de Janot e Dellagnol, delação é ameaçada por incriminar Serra

Data: 28/10/2016 
Fonte: GGN Autor: Luis Nassif
Passaram-se quatro meses desde que executivos da Odebrecht delataram à Procuradoria-Geral da República e à força-tarefa da Operação Lava Jato que José Serra (PSDB-SP) recebeu o equivalente a R$ 34 milhões da empreiteira por caixa dois, para a campanha de 2010.

  Detalhes foram fornecidos aos investigadores, como o fato de que parte do dinheiro foi entregue no Brasil e outra transferida por meio de depósitos bancários em contas no exterior. O delator, executivo da empreiteira, chegou a assegurar o envio de extratos bancários que tinham a campanha do tucano como destinatário final dos depósitos. 

  Desses R$ 25,4 milhões de caixa dois, segundo a empreiteira, no ano de 2010, apenas R$ 2,4 milhões foram registrados pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como doações legais da Odebrecht ao fundo do então senador e hoje ministro de Relações Exteriores de Michel Temer. Assim, Serra recebeu R$ 23 milhões ilegais, por "fora".

  O relato, soube-se agora, era de Pedro Novis, ex-presidente da Odebrecht. 

  Mas naquele 20 de junho, quando a notícia foi divulgada nos meios de comunicação, o acordo de delação não havia sido fechado pela PGR, comandada por Rodrigo Janot, e pela equipe de procuradores de Curitiba, comandada por Deltan Dallagnol.

  Nesses quatro meses, o que teria justificado o atraso para fechar o acordo de Novis com os procuradores da Lava Jato? A colunista Monica Bergamo responde: "O executivo acabou 'enquadrado'".

  A expressão faz referência ao fato de que os investigadores literalmente pressionam o delator a prestar as informações com o direcionamento que a Lava Jato quer. No caso de Pedro Novis, os procuradores consideravam que o ex-presidente da companhia "tentava dourar a narrativa que envolvia a relação da empreiteira com personagens do mundo político, como o atual chanceler José Serra".

  E, da mesma forma, mas na contramão, a pressão viria para "dar mais informações sobre o ex-presidente Lula", sob o risco de a força-tarefa ameaçar interromper as negociações de delação premiada, justificando que o delator omite fatos para preservar Luiz Inácio Lula da Silva, a exemplo do que ocorreu com Alexandrino Alencar.

  De forma simplificada, as equipes comandadas por Janot e Dellagnol pressionaram Pedro Novis a evitar as acusações contra Serra e, na medida do possível, delatar contra Lula.

  A maior ferramenta de pressão para conquistar o que os investigadores da Lava Jato buscam é o atraso e risco de o réu da Operação não ter o abrandamento da pena que o acordo pode trazer às severas condenações do juiz federal de primeira instância do Paraná, Sergio Moro.

Conteúdo Relacionado

Tags

Aposentados Campanha Salarial Justiça Saúde Pré-sal Faixa Livre Carnaval Horto Pasadena CPI da Petrorás João Victor Campos Luis Nassif Graça Foster Paulo Passarinho Brasília Imprensa Cultura Ildo Sauer desenvolvimento desindustrialização Incentivos fiscais balanço da Petrobrás Prominp Inglaterra Clube de Engenharia Eleições ABI Reforma Trabalhista Momento político Felipe Coutinho Atentado na França Momento econômico Crises Dia do Índio Greve geral Leilão de petróleo Fidel Castro Empresas Adhemar Mineiro Nildo Ouriques Victor Leonardo Araújo Bernardo Kocher Emanuel Cancella Luiz Carlos Oliveira Rio de Janeiro Mariana (MG) Tributos Governo do RJ Abolição da escravatura MP Mini reforma Anistiados Calamidade no Rio de Janeiro Mobilidade urbana Marcos Pedlowski Fábio de Barros Pereira Wellington Augusto Silva RJ Governo RJ Gustavo Gindre Henrique Acker Eduardo Prestes Eleição nos EUA Avanço da direita Francisco Carlos Teixeira Alzimar de Andrade Moacir Paiva Eleições EUA Eleições americanas Pacote da maldade Desocupação Vitória de Trump Votação do pacote de maldades do governo do Estado do RJ Ato do Colégio Pedro II Trump Política - O que esperar para 2017? INTO Paralização dos políciais Civis do Estado do RJ Situação da categoria e dos servidores do R Forças Armadas nos presídios Posse de Trump Política nacional e internacional PM do Estado do RJ - situação do estado do RJ Manifestação servidores, cassação de Pezão e privatização da Cedae- FA no Rio Situação no Espírito Santo Manifestação servidores, cassação de Pezão e privatização da Cedae- FA no Rio Situação no Espírito Santo Livre sobre a crise – Portugal do Brasil Análise do Brasil Ataque aos índios acampados em Brasília