Colunas
Colunista Ronaldo Tedesco

Sete Brasil alonga prazos das dívidas, mas continua sem solução à vista

Data: 29/01/2016 
Fonte: Blog dos Conselheiros da Petros Autor: Ronaldo Tedesco

A dissolução do Conselho de Administração da Sete Brasil e a votação da proposta de recuperação judicial – derrotada em função do posicionamento da Petros e do Banco Santander , contrários à proposta - foram determinantes para uma mudança, ainda que parcial, na postura do Governo Federal em relação a situação da companhia.

 

Os bancos credores da Sete Brasil fecharam esta semana acordo prorrogando a dívida da empresa por mais quatro meses. A dívida da Sete Brasil, companhia criada por iniciativa do Governo Federal em parceria com os fundos de pensão, bancos e a Petrobrás para construir e administrar sondas da estatal petroleira, já chega a R$ 14 bilhões.

 

Com a virada da conjuntura econômica mundial e a crise do petróleo, a postura do Governo Federal através da Petrobrás e do BNDES foi virar as costas para os fundos de pensão. O Governo havia chamado a Petros e outros sócios para financiar o empreendimento. Mas, com a crise, o aluguel de sondas no mercado se tornou uma opção mais viável que a opção pela Sete Brasil. Com a justificativa da Lava Jato, a Petrobrás cria a cada dia mais e mais exigências para se manter no negócio. O BNDES se escora na postura da Petrobrás para se recusar a financiar o projeto. A iniciativa, que era do Governo Federal, virou mico preto nas mãos dos fundos de pensão.

 

Através de recursos do Fundo de Garantias para a Construção Naval (FGCN), administrado pela Caixa Econômica Federal (CEF), o Governo Federal cedeu a pressão dos acionistas da Sete Brasil. Com isto, a companhia conseguiu dar vazão a uma das exigências para conseguir um novo prazo, através da constituição de R$ 4,2 bilhões da garantia dos financiamentos.

 

A iniciativa foi para evitar que os acionistas - bancos e fundos de pensão como a Petros – dessem início a recuperação judicial que iria apontar o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Petrobrás pela provável quebra da fornecedora. A Sete Brasil teve alongado pela sétima vez o seu prazo para resolver o embroglio, mas não deverá descartar a possibilidade de recuperação judicial.

 

É importante entender que a medida do Governo Federal, no entanto, não vai aliviar a situação dos fundos de pensão, nem da Petros, com mais de R$ 1,2 Bilhão investidos. Serão os bancos credores que irão receber valores proporcionais aos desembolsos que fizeram. Segundo o jornal O Estado de São Paulo “o maior financiador foi o Banco do Brasil, com empréstimos que superaram R$ 3 bilhões. Bradesco, Itaú BBA e Santander entraram com cerca de R$ 2 bilhões cada. A própria CEF ficou com R$ 1,5 bilhão e o Standard Chartered - que já executou a garantia - com a menor parte, US$ 250 milhões”.

 

A Sete Brasil foi criada por iniciativa da Petrobrás para fabricar 7 sondas do pré-sal. Daí o nome. Com a euforia das reservas recém-descobertas e o preço do barril do petróleo na casa dos 100 dólares, e sem um planejamento estratégico baseado em estudos mais elaborados, o número de sondas aumentou rapidamente para 28. As negociações do acordo de reestruturação da Sete Brasil reduziram para 15 sondas e um novo corte, ainda segundo o Estadão, pode levar a apenas seis sondas.

 

A Petros e o banco Santander recusaram a proposta de recuperação judicial com o argumento de que o processo pioraria a situação da companhia. Mas a manobra de dissolução do conselho de administração e a proposta – mesmo derrotada – de recuperação judicial foram fundamentais para demonstrar claramente que a situação da Sete Brasil é agravada hoje pela falta de vontade política do Governo Federal.

 

É a mesma falta de vontade política que o Governo Federal demonstra na crise por que passa a própria Petrobrás. A Petrobrás vive dias difíceis que são ainda mais duros pela venda de ativos da estatal petroleira – o tal programa de desinvestimentos realiza o sonho dos tucanos - e o estrangulamento do seu caixa, provocado pela postura mais generosa da atual administração com o pagamento de impostos e compromisso que são questionados pelo corpo técnico da própria Petrobrás.

 

A situação grave da Sete Brasil, só teve, até o momento, seu desfecho postergado. Vamos aguardar os desdobramentos.

 

* Ronaldo Tedesco é presidente do Conselho Fiscal da Petros e diretor da AEPET



Conteúdo Relacionado

Tags

Petróleo Política Leilão AEPET Aposentadorias Aposentados Gás de Xisto Desigualdade Social Educação Greve Manifestações Mensalão Transporte Siria Violência Venezuela Economia Saúde mobilidade Fundos de Pensão Faixa Livre Universidade Emprego Trabalho Síria Brasil rádio PIDV Caos no RJ Heitor Manoel Pereira Fernando Siqueira Diomedes Cesário Silvio Sinedino Ronaldo Tedesco Diretoria Diretoria AEPET ROYALTIES Vila Autódromo CPI dos ônibus Imposto de Renda Petrobras manifesto Situação da economia Situação do Brasil hoje Paulo Passarinho gas Previdência Social Pesquisa eleitoral O GLOBO Rússia Eleição paridade delação premiada Fenaspe Eleições UFRJ Dilma Dilma Rousseff Paulo Brandão conselheiros fundos de pensão Momento político Clube do Amém Carta de Salvador FUP Atentado na França conselho fiscal Petros liquidação de ativos Petros Dia intenacional da Mulher Momento econômico Dia do trabalhador Maria Lucia Fatorelli Espionagem Greve dos bancários Programa Mais Médico 12 anos do atentado nos EUA Partidos políticos Privatização governo Dilma Escândalo Petrobras x PMDB Papa Cabral Situação dos jornalistas Situação dos médicos Índio Deputados Procurador da República Votação Enem Estados e Municípios Crise Aldeia Maracanã Docentes Projeto de lei Seminário Epaminondas de Souza Mendes Economia Mundial Cunha BR Distribuidora Onde vamos Chico Alencar Pedro Paulo Martins Adhemar Mineiro Morte de fiscais UFF Emanuel Cancella julgamento Áreas indígenas Gilberto Vieira Paulo Matiletti Um ano PACS Carlos Addor Kenzo Soares Ligia Bahia Gabriel Strautman Edson Sardinha Conflitos em Campos Drogas Sete Brasil Alex Prado Congresso x STF Previdência Complementar PEC 241 Palestra Déficit Eleição RJ Marcos Pedlowski Osvaldo Manescky Eunício Cavalcante Livro de contos ´Manifestação do Dia 15 Lista de Fachin Taxa Selic Medalha Mártires de Unaí Abril Verde Lançamento do seu livro sobre Floriano Peixoto Caso Cachoeira Para onde vai a Europa?