Colunas
Colunista Luís Nassif

Quando parecia uma pausa, novas bombas na política

Data: 26/11/2015 
Fonte: Jornal GGN Autor: Luís Nassif

Quando se pensava que haveria uma trégua política da Lava Jato, surge o inesperado: as denúncias que levaram à cadeia o senador Delcídio Amaral e o banqueiro André Esteves.

A prisão não decorreu diretamente da Lava Jato. Delcídio tentou convencer Nestor Cerveró a desistir da delação premiada. Prometeu interceder para libertar Cerveró e providenciar sua fuga para a Espanha. O filho de Cerveró, Bernardo, acertou com a Procuradoria Geral da República entregar Delcídio em troca de aliviar a prisão do pai.

O grampo resultou em um inquérito novo, da Polícia Federal de Brasília, sem a intervenção do juiz Sérgio Moro.

Todo o envolvimento de Delcídio visava abafar as investigações sobre os negócios do BTG com a Petrobras na África. De posse do grampo, o Procurador Geral Rodrigo Janot encaminhou pedido ao STF (Supremo Tribunal Federal) para deter Delcídio. Ontem de manhã o STF autorizou a prisão e, no final do dia, o Senado convalidou a prisão.

Há um conjunto amplo de desdobramentos nesse episódio.

O primeiro é o fato de Delcídio ser o líder do governo no Senado, e parlamentar com amplo trânsito em todos os partidos.

O segundo é que a degravação dos grampos joga um foco de luz em um personagem misterioso: Gregorio Preciado, o espanhol casado com uma prima do Senador José Serra e seu parceiro histórico

Segundo as conversas entre Delcídio, Bernardo e seu advogado, Preciado era sócio e o verdadeiro operador por trás de Fernando Baiano, o lobista do PMDB na Petrobras.

Delcídio conta que, assim que o nome de Preciado foi mencionado, dias atrás, Serra passou a rodeá-lo visando buscar informações.

Velho operador da Petrobras, em um dos trechos Delcídio revela que quem abriu a Petrobras para Preciado foi Paulo Roberto Costa, atendendo a ordens “de cima”. Na época, o governo ainda era de Fernando Henrique Cardoso e Serra Ministro influente.

Pelas tendências reveladas até agora, dificilmente Sérgio Moro e a Lava Jato abririam investigação sobre Preciado. Pode ser que as novas investigações, feitas a partir de Brasília, revelem maior independência.

Obviamente, em nada ameniza a situação do PT, do governo e do próprio Congresso.

Para prender Delcídio, o PGR e o STF valeram-se de uma certa esperteza jurídica: incluíram nas investigações um assessor de Delcídio, meramente para compor o número 4, mínimo para caracterizar uma organização criminosa.

Com a prisão de Delcídio, abre-se caminho para avançar sobre outros políticos. O STF assume um protagonismo, em relação direta com as bazófias de Delcídio nas gravações, arrotando suposta influência sobre Ministros do Supremo.

Outro ponto de turbulência é a prisão de André Esteves.

Particularmente não tenho a menor simpatia por Esteves. Esteve envolvido com os rolos do CARF (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais), calou a imprensa com subornos milionários, não tem limites. Quando passei a denunciar as jogadas com o CARF, ele conseguiu me calar na Folha.

Mas, por outro lado, o Pactual assumiu um papel central em vários projetos relevantes para a retomada do crescimento.

Aliás, será curioso conferir nos jornais de hoje o tratamento dado à prisão de André Esteves. Certamente será bastante poupado, se não por gratidão, ao menos por receio.



Conteúdo Relacionado

Tags

Aposentados Campanha Salarial Justiça Saúde Pré-sal Faixa Livre Carnaval Horto Pasadena CPI da Petrorás João Victor Campos Luis Nassif Graça Foster Paulo Passarinho Brasília Imprensa Cultura Ildo Sauer desenvolvimento desindustrialização Incentivos fiscais balanço da Petrobrás Prominp Inglaterra Clube de Engenharia Eleições ABI Reforma Trabalhista Momento político Felipe Coutinho Atentado na França Momento econômico Crises Dia do Índio Greve geral Leilão de petróleo Fidel Castro Empresas Adhemar Mineiro Nildo Ouriques Victor Leonardo Araújo Bernardo Kocher Emanuel Cancella Luiz Carlos Oliveira Rio de Janeiro Mariana (MG) Tributos Governo do RJ Abolição da escravatura MP Mini reforma Anistiados Calamidade no Rio de Janeiro Mobilidade urbana Marcos Pedlowski Fábio de Barros Pereira Wellington Augusto Silva RJ Governo RJ Gustavo Gindre Henrique Acker Eduardo Prestes Eleição nos EUA Avanço da direita Francisco Carlos Teixeira Alzimar de Andrade Moacir Paiva Eleições EUA Eleições americanas Pacote da maldade Desocupação Vitória de Trump Votação do pacote de maldades do governo do Estado do RJ Ato do Colégio Pedro II Trump Política - O que esperar para 2017? INTO Paralização dos políciais Civis do Estado do RJ Situação da categoria e dos servidores do R Forças Armadas nos presídios Posse de Trump Política nacional e internacional PM do Estado do RJ - situação do estado do RJ Manifestação servidores, cassação de Pezão e privatização da Cedae- FA no Rio Situação no Espírito Santo Manifestação servidores, cassação de Pezão e privatização da Cedae- FA no Rio Situação no Espírito Santo Livre sobre a crise – Portugal do Brasil Análise do Brasil Ataque aos índios acampados em Brasília