Colunas
Colunista Eugenio Mancini

ENGENHARIA E GESTÃO DE EMPREENDIMENTOS Parte 2 – A Fase de Aprendizado

Data: 20/08/2015 
Autor: Eugenio Mancini
Arquivo: Parte-2-O-Aprendizado.pdf

A  capacitação  da  Petrobras  nas  atividades  de  projeto,  suprimento  e  de gerenciamento de obras ocorreu progressivamente, na medida da consolidação da  experiência  obtida  na implantação  de  novas  unidades  industriais  e  do desenvolvimento do mercado brasileiro de fornecimento de bens e serviços. Já em  sua  primeira  década  de  atividades,  a Petrobras  realizou  um  expressivo investimento na ampliação do parque produtivo e de distribuição, executando, dentre outros, os seguintes projetos:

 

a) Ampliação da capacidade da Rlam, sucessivamente, para 10.000 bpd, ainda em 1954, 32.000 bpd em 1959 e 42.000 bpd em 1960;

 

b) Construção  do  Terminal  Marítimo  Almirante  Alves  Câmara  (Temadre),  em Madre de Deus-BA, que entrou em operação em 1956;

 

c)  Construção  do  oleoduto  Catu-Mata-Candeias  e  vários  outros  oleodutos  na Bahia, executada  diretamente  com  pessoal  e  equipamentos  próprios  da Rpba e gerenciada por sua Divisão de Oleodutos;

 

d) Implantação  da  Refinaria  Duque  de  Caxias  (Reduc),  com  capacidade  de 90.000 bpd,  no  Rio  de  Janeiro,  com  projeto,  gerenciamento  e  construção contratados  com  a firma  norte-americana  Foster-Wheeler,  que  entrou  em operação em 1961. A ampliação para 150.000, entre 1963 e 1966,  utilizou projetos  básico  e  de  detalhamento desenvolvidos  por  técnicos  da  própria unidade; foi a primeira refinaria totalmente construída pela Petrobras; 

 

e) Construção do Terminal da Guanabara (Teguá), em operação desde 1960, para atender ao suprimento de petróleo e ao escoamento dos derivados da Reduc;  o  projeto  e  a construção  foram  contratados  com  a  empresa  norteamericana Brown & Root;

 

f)  Projeto e construção das refinarias Gabriel Passos (Regap), em Betim/MG, e Alberto Pasqualini  (Refap), em Canoas/RS, 45.000 bpd cada, iniciados em 1962  e concluídos  em 1968; projeto  contratado com a firma  italiana Snam Progetti;

 

g) Construção  do  Oleoduto  Rio-Belo  Horizonte  (Orbel),  para  atender  ao abastecimento de petróleo à Regap, e do sistema Oleoduto e Terminal de Tramandaí, destinado ao suprimento da Refap;

 

h)  Construção  do  sistema  de  escoamento  do  petróleo  da  região  de Carmópolis/SE, composto por oleoduto, tancagem e um  Terminal  Marítimo em Atalaia Vellha (Tecarmo). Iniciou a operação em 1966;

 

i)  Construção  do  Oleoduto  São  Sebastião-Cubatão  (Osbat),  para abastecimento de petróleo à Refinaria Presidente Bernardes-Cubatão (Rpbc) através do Tebar; entrou em operação em 1968; 

 

j)  Ampliação  da  frota  da  Fronape,  com  a  incorporação  de  novos  navios construídos em estaleiros nacionais, de acordo com a política de incentivo à indústria naval brasileira; em 19 64,  foram construídos seis navios de 10.500 tpb cada, e, em 1966, mais quatro navios-tanque. 

 

A experiência adquirida na implantação desses projetos permitiu que,  a partir do  final  da  década  de  50,  a  Petrobras  acumulasse  know-how  ...

 

Clique aqui para ler o texto na íntegra



Conteúdo Relacionado

Tags