Colunas
Colunista José Augusto Ribeiro

Prelúdio ao entardecer de Obama: Cuba

Data: 13/01/2015 
Autor: José Augusto Ribeiro

Quando Barack Obama perdeu em definitivo a maioria no Congresso dos Estados Unidos, nas eleições parlamentares de novembro passado, manifestei neste espaço a esperança de que ele aproveitaria seus dois últimos anos de Presidência para tomar algumas decisões que estivessem em suas prerrogativas constitucionais e não dependessem nem do Senado nem da Câmara dos Representantes.

 

Era uma esperança romântica e quixotesca - e talvez, paradoxalmente, desesperada -  mas eu não queria ser testemunha de um final melancólico para os oito anos de mandato desse Presidente que despertou tão grandes esperanças, dentro e fora dos Estados Unidos, ao ser eleito.

 

Por mais razões de queixa que possamos ter em relação ao papel dos Estados Unidos em nossa história passada e recente, não podemos esquecer os grandes momentos que eles viveram e sua influência na história de todos os povos.

 

Em primeiro lugar, foi a independência dos Estados Unidos, no século 18, que inspirou imediatamente a Revolução Francesa, embora a inspiração original desta e da própria Revolução Americana tivesse sido o pensamento dos enciclopedistas franceses, sobretudo Rousseau e Voltaire. 

 

No Brasil a Revolução Americana teve muito a ver com a Inconfidência Mineira: entre os papéis apreendidos com os inconfidentes estava, e foi considerado um dos mais perigosos e sediciosos, um exemplar da recém-promulgada Constituição dos Estados Unidos.

 

Depois veio Lincoln, em meados do século 19, em sua luta, que ele pretendia ter como prioridade a união dos Estados Unidos contra a dissidência secessionista dos Estados do Sul, mas teve como desfecho a abolição da escravatura.

 

Na primeira metade do século 20, o Presidente Franklin Roosevelt apoiou decididamente os projetos de emancipação econômica do primeiro governo de Getúlio Vargas no Brasil, como a construção de Volta Redonda. Depois da morte de Roosevelt, em 1945, teve início, nos Estados Unidos, um ciclo de reacionarismo e obscurantismo, algumas vezes interrompido por exceções contraditórias mas promissoras, como John Kennedy, Jimmy Carter e Bill Clinton. Afinal tivemos Barack Obama na sucessão daquele infeliz George W. Bush, considerado o pior Presidente dos Estados Unidos em seus mais de duzentos anos de história.

 

Bloqueado pela direita republicana e forças aliadas, como os evangélicos fundamentalistas e extremados (alguns pastores chegaram a insinuar pelo rádio que ele devia ser assassinado), Obama não conseguiu cumprir em seis anos de mandato nem a promessa de acabar com a prisão política da base de Guantánamo. Agora, porém, sem a menor expectativa de conseguir o que quer que seja de um Congresso hostil e raivoso, Obama decidiu, corajosamente, normalizar as relações dos Estados Unidos com Cuba. 

 

Ele não conseguirá acabar com o bloqueio da ilha, que já dura mais de cinquenta anos, porque isso depende da aprovação do Congresso, mas já negociou o restabelecimento de relações diplomáticas com Cuba, apesar da ameaça republicana de cortar do orçamento a verba necessária para a instalação de uma embaixada em Havana. Na verdade, o mais importante no caso não é a embaixada, mas o verdadeiro tratado de paz que se estabelece entre os dois países.

 

A firmeza e a determinação de Obama no episódio – no qual contou com apoio integral do Papa Francisco, esse novo João XXIII merecedor da admiração até dos não católicos – despertam a esperança de que ele poderá tomar novas iniciativas em favor de relações políticas e econômicas mais justas entre os Estados Unidos e todos os países da América Latina.

 

Essa esperança, porém, talvez seja ainda mais quixotesca. Por maior que se mostre a coragem de Obama no exercício de suas prerrogativas constitucionais, os interesses econômicos em jogo são ainda maiores.



Conteúdo Relacionado

Tags

Política AEPET ALERJ Educação Meio Ambiente EUA Greve Justiça Manifestações Mercosul Transporte Violência Venezuela Economia Saúde Benefícios Cuba Governo Síria Argentina Brasil Ucrânia PCB Carnaval PT Diomedes Cesário ANIVERSÁRIO sindipetro O Brasil hoje Petrobras Situação do Brasil hoje Paulo Passarinho leilões gasodutos ANP Petrobrás economia brasileira TCU balança comercial China auditoria cidadã da dívida plebiscito Lançamento de livro Eleição José Augusto Ribeiro A Era Vargas investimentos da Petrobrás Marina Silva Eleições Terrorismo Professores Reforma Agrária ONU Kissinger Estados Unidos Corrupção na Petrobrás Dilma Rousseff Presidente Momento político Diretoria de Governança Reforma política Paulo Roberto Costa Obama Grécia crise hídrica Impeachment Atílio Boron Congresso do Andes Oscar Momento econômico Planos de saúde Samuel Pinheiro Guimarães Crises Cem dias no governo Dilma Situação da UFRJ Movimento unificado dos trabalhadores Senado Situação dos médicos nos planos de saúde Política brasileira Leilão de petróleo Papa Remoções Correios Petrobrás Política do Rio Decreto de Comissão do governo do Rio Pesquisas de opinião Terreno de Guaratiba Morte de Giannotti Situação dos pescadores na área do CSA Banco Mundial Congresso Energia elétrica Dívida Manifestação CORECON Evento Mestrado Assembléia Rebaixamento Homenagem Fidel Castro Movimento Momento do Brasil Sudeste Conflito Câmara dos Deputados Distribuição de renda Redução da maioridade penal Ressocialização Quadro político Lava-Jato TCE Caos. Pra onde vamos? Victor Leonardo Araújo UFF Luiz Mário Behnken Fórum Popular do Orçamento Paul Craig Roberts Eleição CA da Petrobras Proclamação da República Mariana (MG) 14 anos da morte de Celso ´CSN Luiz Fernando Pezão Greve na rede Estadual do RJ Servidores do estado do RJ Dia Muindial da água Lei antiterrorismo Taxa de juros Michel Temer WhatsApp Claudio da Costa Oliveira Índios Lei autoritarismo Renan Áustria Eleição Conselho da Petrobras Campanha da Fraternidade Líbia Ocupação de Brasília