Colunas
Colunista Charles Hugh Smith

Quanto tempo pode a Grande Reflação Global continuar? E o que acontecerá quando acabar?

Data: 23/05/2017 
Fonte: PeakProsperity Autor: Charles Hugh Smith - Tradução: Alex Prado

De vez em quando é bom fazer um balanço da Grande Reflação Global (monetização; massiva injeção monetária; impressão massiva de moeda e endividamento) que está em  marcha (com alguns tropeços e sustos) desde o início de 2009, há mais de oito anos.


Será que esta Grande Reflação está ficando sem gás, ou está pronta para um passo mais largo? Qual é mais provável?


Keynesianismo versus o mundo real

Vamos começar revisando os contextos sistêmicos da economia.

Esta Grande Reflação está inserida em dois contextos básicos:

1- As estruturas socioeconômicas dominantes desde o ano de 1500 DC são o capital maximizador de lucro ("o mercado") e os Estados-nação ("o governo").


2- A teoria econômica dominante nos últimos 80 anos é o keynesianismo, ou seja, a noção de que o Estado e o banco central devem gerenciar agressivamente o consumo privado (demanda) e os empréstimos através de estímulos fiscais e monetários planejados e financiados durante recessões /depressões.


Simplificando, a visão convencional sustenta que há duas (e apenas duas) soluções para o que prejudica a economia: o mercado (capital maximizador de lucros) ou o governo (estados-nação e seus bancos centrais). Os defensores de cada solução  culpam todos os males econômicos e sociais sobre o outro.


No mundo real, a grande maioria dos habitantes da Terra operam em economias com dinâmica de mercado e controlada pelo Estado em vários graus.


A visão de mundo keynesiana é obstinadamente simplista. A economia baseia-se na demanda agregada de mais bens e serviços. As pessoas querem mais bens e serviços, e contanto que tenham os meios para compra-los, eles o farão avidamente (esse desejo é conhecido como espírito animal).


A maior e mais simples invenção de todos os tempos no universo keynesiano é o crédito, porque o crédito permite que as pessoas tomem emprestado de seus ganhos futuros para consumir mais no presente. Crédito, portanto, expande a demanda agregada para mais bens e serviços, que é o propósito de toda a existência nesta visão de mundo: comprar mais coisas.


Mas o crédito, a demanda agregada por mais coisas e espírito animai formam um coquetel volátil. A euforia daqueles que usam o lucro para  emprestar o dinheiro aos que euforicamente saem comprando mais coisas com crédito conduz aos padrões da prudência financeira que está sendo afrouxada. Com efeito, os credores e mutuários começar a ver oportunidades de lucro e mais consumo através da lente distorcida de óculos de vodka.


Os credores consideram que mesmo os devedores marginais ganharão mais no futuro e, portanto, são poucos riscos de crédito, e os mutuários acreditam que ganharão mais no futuro (ou seja, a casa que eles acabaram de comprar para aumentar significativamente a sua riqueza) É realmente uma excelente ideia - por que não ganhar mais dinheiro e aproveitar a vida agora?


Mas o mundo real não é aquele visto por óculos de vodka, e assim mutuários marginais não pagam os empréstimos nunca deveriam ter sido emitidos, e os credores começam a perder montes de dinheiro com a queda no valor da garantia de apoio aos empréstimos inadimplentes (carros usados, mansões, etc.).


Oh céus! A ressaca da expansão do crédito é brutal, com os credores indo à falência, assim como os mutuários que se veem incapazes de fazer seus pagamentos ou vender a garantia para pagar o empréstimo.


Assim como a expansão do crédito se alimenta de si mesmo - todo mundo está fazendo uma fortuna comprando e lançando casas, vamos comprar uma casa ou duas a crédito - a ressaca também é auto-reforçada: o valor da queda da garantia empurra os mutuários marginais para a insolvência, assim como  os credores que fizeram os empréstimos, quando a  inadimplência aumenta. O efeito colateral derrete como gelo no Vale da Morte.


No universo keynesiano, essa contração auto-reforçada de crédito imprudente e perdas generalizadas de riqueza especulativa são Coisas Má. Coisas muito ruins. Importante, pessoas poderosas tendem a possuir emissores de crédito (bancos), e as não é algo que eles querem.


Se todas as pessoas simples pararem de pedir mais dinheiro, os poderosos proprietários das máquinas de emissão de crédito (bancos) não podem mais colher lucros enormes de emissão de mais crédito, e que é uma coisa muito ruim.


Como um efeito secundário desagradável da ressaca do crédito, as empresas que dependiam de pessoas que se endividam para comprar mais coisas também encolhem, e esta contração também é auto-reforçada: à medida do declínio das vendas, as empresas devem cortar custos para permanecer solventes, abandonar escritórios subutilizados, fechar fábricas, etc.


A euforia da expansão do crédito se transforma em dolorosa contração. Ninguém está feliz na fase de ressaca, e as pessoas naturalmente clamam por alguém que faça algo para parar a dor!


A resposta keynesiana é simples: o governo deve emprestar e gastar muito dinheiro para substituir todo o dinheiro que o setor privado não está mais emprestando e gastando, e o banco central deve reduzir as taxas de juros e criar um monte de dinheiro novo que os bancos privados pegam a juros baixos para emprestar a empresas e consumidores do setor privado.


No Universo Keynesiano simplista, a contração do crédito é como uma seca temporária: o que o governo e o banco central têm que fazer para corrigir a seca é liberar uma inundação de dinheiro novo para o cenário ressequido do setor privado de crédito e de demanda agregada que os empréstimos novos brotarão como flores da primavera.


Um viva! para estados e bancos centrais! Dado o poder de emprestar (ou criar do nada) tanto dinheiro  para inundar o setor privado, a seca termina, espíritos animais são revividos, as pessoas começam a comprar mais coisas, prometendo dar seus ganhos futuros para os bancos. Assim, os poderosos proprietários de bancos estão novamente ganhando montes  de dinheiro com empréstimos para as pessoas simples (ou seja, os mutuários em perigo de se tornar servos da dívida, cujos ganhos vão em grande parte para pagar o serviço de suas dívidas).


No livro de colorir da ideologia keynesiana, esta é a maneira como o Universo funciona. O problema é sempre uma seca temporária da demanda agregada causada por uma seca temporária do crédito do setor privado, e a solução é sempre uma inundação de dinheiro e crédito do Estado-central-banco: o governo empresta e gasta mais dinheiro para substituir o declínio privado e bancos centrais tornando o dinheiro mais barato e mais fácil para os bancos privados emitirem novos empréstimos às empresas e às pessoas simples.


Que esta ideologia do livro de colorir já não descreve o problema ou a solução é incompreensível para os keynesianos. Que nem "o mercado" nem "o governo" podem resolver o atual conjunto de problemas é igualmente incompreensível - não apenas para os keynesianos, mas para todos aqueles que inadvertidamente aceitaram que o mercado e / ou o Estado sempre podem corrigir quaisquer problemas.


Ops! A inundação do dinheiro e do crédito não recuperou a economia


A bolha pós-crédito / ativo estoura em 2000 e 2008 e as respostas dos estados / bancos centrais - estímulo fiscal e monetário, de inundar a terra com dinheiro emprestado - pareciam confirmar a visão keynesiana: mutuários marginais, credores e garantias migraram para o sul e o estímulo restaurou os espíritos animais, o que inflou prontamente uma nova bolha de crédito / ativo.


Mas desta vez, a seca não terminou, não importa quanto dinheiro foi derramado na economia, e os ganhos dos mutuários ficaram estagnados ou diminuíram. (Lembre-se de que a dívida é empréstimo de lucros futuros, se os lucros caem, torna-se muito mais difícil pagar o serviço da dívida existente e,  muito menos, pedir mais.)


A dívida federal mais do que duplicou desde 2009 (e triplicou desde 2001) à medida que o governo inundava a terra com estímulos fiscais:

Os bancos centrais inundaram a economia global com trilhões de dólares, euros, ienes e yuan, e continuam a fazê-lo em torno de US $ 200 bilhões por mês:

Os bancos centrais depositaram mais de US $ 1 trilhão em novos estímulos monetários nos primeiros quatro meses de 2017 - oito anos após o estímulo de "emergência" ter começado:

 

Enquanto isso, os salários estão estagnados ou em declínio para a grande maioria dos assalariados - até mesmo os altamente educados:

O rendimento do agregado familiar caiu de forma geral:

 

 

Estagnação dos rendimentos não é uma nova questão para os 90% mais pobres; é uma realidade estrutural que remonta a quatro décadas:

 

Claramente, as políticas de estímulo fiscal e monetário que deveriam ser temporárias são agora permanentes. Isso não é o que deveria acontecer.


Os lucros deveriam aumentar uma vez que o crédito e o consumo do setor privado retornassem à expansão. Como vemos aqui, o crédito bancário e o crédito ao consumo subiram mais, mas os rendimentos dos 90% mais pobres não foram para lugar algum.

 

 

 

Enquanto isso, a dívida total - governamental, corporativa e doméstica - aumentou mais do que duplicando de 280% do PIB em 2000 para 584% do PIB em 2016:

 

Como se estes não fossem suficientemente ruins, a riqueza e a desigualdade de renda subiram durante a era do estímulo fiscal-monetário permanente:

 

Em suma: nada funcionou como os keynesianos esperavam. Em vez disso, as medidas do Estado/banco central / que deveriam ser temporárias agora são permanentes e a expansão da dívida do setor privado não conseguiu se transformar em  lucros.


A solução keynesiana - o empréstimo de ganhos futuros para "antecipar o consumo " - expandiu o consumo ao custo de enormes aumentos da dívida em toda a economia, o que exacerbou a desigualdade renda-riqueza e declínio dos rendimentos reais.


Podemos finalmente admitir que oito anos seguindo o plano keynesiano do livro de colorir não apenas fracassaram, mas falharam espetacularmente, e não apenas fracassaram espetacularmente, mas tornaram a economia ainda mais vulnerável e frágil, à medida que mais e mais renda futura deve ser dedicada ao pagamento astronômico do serviço das dívidas?


Não é óbvio que existem problemas profundamente estruturais na economia e  que inflar mais uma bolha de crédito / ativos não irá corrigir?


Claramente, a economia do mundo real não funciona como o modelo de livro de colorir keynesiano simplista.


O que vem a seguir: Contração

Dado o extraordinário fracasso do estímulo keynesiano e do crescimento do crédito do setor privado para criar um ciclo de expansão auto-sustentado cujos benefícios fluem para toda a força de trabalho e não para os poucos por cento, o que podemos esperar? Podemos continuar a dobrar e triplicar a carga da dívida da economia a cada poucos anos? E se os rendimentos domésticos continuarem a diminuir? Essas tendências são sustentáveis?


No curto prazo, esta Grande Reflação está ficando sem gás, ou está pronta para um outro passo maior que a perna? Qual é mais provável?


No artigo “ Parte 2: Prepare-se para a Grande Contração Global”, detalhamos por que os problemas estruturais da economia ficam sem resposta e como o ato de inflar mais uma bolha especulativa de crédito-ativo não solucionou esses problemas. Em vez disso, a atual bolha de ativos de crédito aumentou dramaticamente a fragilidade da economia, desviando capital de investimentos potencialmente produtivos para apostas especulativas improdutivas e aumentando os encargos da dívida.


 

Quando a Grande Contração  finalmente acontecer, haverá tempo de sobra para ponderar como  os investimentos podem fazer bem - mas apenas aqueles que saírem  bem antes do risco de rolagem de dívidas terão o dinheiro para aproveitar as oportunidades.

 

https://www.peakprosperity.com/blog/108919/how-long-can-great-global-reflation-continue






Conteúdo Relacionado